Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Eça e a famosa estatueta

Eça e a famosa estatueta

25/05/2020 Humberto Pinho da Silva

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.

D. Emília, era, então, velhinha simpatiquíssima e muito conversadora. Durante a visita que realizei à sua residência, esta, revelou-me curiosos segredos de família, que, por serem do foro particular, não os divulguei nem os divulgo.

Durante a amena conversa, interroguei-a, se conhecera o escritor. Respondeu-me: -“Infelizmente, não”. Mas tanto ela, como a irmã, D. Maria das Dores – Marquesa de Ficalho – (a Mariazinha,) frequentemente inqueriam D. Emília:

- “Avó: como era o avô?!”

D. Emília de Castro Pamploma (Resende), apontava o indicador para a estatueta do Gouveia, dizia-lhes:

- “Se querem ver o avô, tal qual era, olhem para a estatueta do Gouveia.”

Quem era Silva Gouveia, e porque o retratou nessa grotesca posição?

Gouveia (1872-1951) era filho de abastado negociante da Rua de S. João, no Porto.

Muito cedo mostrou inclinação para o desenho, mas o pai, contrariava-lhe a tendência, já que pretendia que o filho seguisse os negócios paternos.

Foi o tio Caetano, irmão da mãe (a Maria,) que convenceu o cunhado, a matriculá-lo nas Belas Artes.

Ao completar o quarto ano, o tio Caetano – grande industrial gaiense, - convenceu o cunhado a deixá-lo continuar os estudos em Paris (1883). Na Cidade da Luz tornou-se amigo de Rodim, Injalbert, Folguière, Pueche e Rolar.

Regressando a Portugal, iniciou as exposições individuais, em casas fotográficas.

Em 1905, apresentou as obras com retumbante êxito, em Lisboa. Todavia, devido a problemas de saúde, teve que regressar à terra natal – Porto, - em 1914.

Recebeu em 1897, no Salon de Paris, menção honrosa; assim como, em 1900, na Exposição Universal de Paris. No mesmo ano, a medalha de prata, nos Estados Unidos.

Durante banquete de homenagem ao embaixador de Portugal, a que fora convidado, este, convenceu-se que se tratava de jantar informal, e apareceu de fato de passeio.

Eça, ao verificar que Gouveia não trajava de harmonia com a cerimónia, virou-se, e acertando o monóculo. Disse em ar de troça:

- “Quem é este gigante que parece ter engolido um boi, e deixado os cornos de fora?!”

Gouveia regressou, ressabiado, e executou a famosa estatueta, – a caricatura do Eça.

A estatueta esteve escondida no atelier do artista, meses, receoso de implicações políticas. Descoberta por amigos, foi amplamente divulgada, e disputada em França e Portugal.

A Duquesa de Palmela chegou a pagar a exorbitante quantia de mil francos, para obter uma cópia em bronze; e as encomendas choveram de: Portugal e Brasil.

Gouveia fez, também, soberbo medalhão – baixo-relevo, – de Eça, que em nada lhe é inferior.

Hoje, há pouquíssimos, segundo revelou-me D. Emília Cabral Silva Gouveia foi agraciado pelo Rei D. Carlos – que tinha um exemplar, da estatueta, no secretário do gabinete, – com a Ordem de Santiago de Espada, pelo reconhecimento da sua obra, taxada, na época, genial.

Eis, em suma, a reduzidíssima biografia do escultor portuense.

* Humberto Pinho da Silva

Fonte: Humberto Pinho da Silva



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.