Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Economia Verde

Economia Verde

15/06/2022 André Naves

Um dos termos da moda, a "resiliência", é uma nomenclatura emprestada metaforicamente da física, significando as alterações que certos corpos adquirem a partir de pressões e forças exteriores.

Pode-se resumi-la como sendo a capacidade de adaptação a novas situações e desafios.

O mundo atravessa uma mudança geopolítica a exigir alterações nas relações de poder, enraizada nos conflitos e oportunidades que surgiram a partir de inovações, paradigmas tecnológicos e necessidades emergentes de subsistência da vida humana.

Em outras palavras, é lícito dizer que o modo de vida humano deve se adequar às balizas impostas pela Natureza, operando, com criatividade e trabalho, para a transformação das dificuldades e restrições, no nascedouro de alternativas que elevem a dignidade individual e coletiva.

É nesse contexto que o Brasil aparece como liderança potencial e celeiro de oportunidades na nova ordem mundial.

Essa nova conformação de forças geopolíticas, também caracterizada como "Geopolítica ESG" (Environmental, Social e Governance) possui no Brasil o natural protagonista, seja por sua enorme biodiversidade e pluralidade de biomas - que vão dos sistemas semi-áridos da Caatinga, passando pelo Cerrado, as áreas alagadas do Pantanal, as florestas tropicais, até os campos e pradarias -, seja pelas oportunidades energéticas.

É interessante frisar que essa imensa miríade de biodiversidade pode se traduzir em ganhos bioeconômicos, inovativos e sociais, mediante a valorização do indivíduo, bem como de suas relações com o mundo que o circunda.

Paralelamente, a matriz energética brasileira, atualmente uma das mais limpas do mundo, possui potencialidades para produções eólicas, fotovoltaicas, bioenergéticas (biogases e biometano, por exemplo), que podem constituir impulso à produção de baterias e hidrogênio verde.

É relevante destacar que o agronegócio brasileiro, um dos atores econômicos mais produtivos e sustentáveis do planeta, é vetor de preservação e regeneração natural; além de inovação tecnológica, inclusiva e sustentável, devendo tomar assento principal nos debates acerca dos novos padrões para o desenvolvimento econômico e social.

Entretanto, para que a falsa, diga-se, imagem negativa que a iniciativa pública e privada brasileira possuem seja revertida, é necessária a construção de toda uma estrutura de aferição da veracidade dos critérios "ESG", uma contabilidade de carbono que demonstre, em critérios quantitativos, o montante total do carbono sequestrado; agências de "rating" que certifiquem a sustentabilidade ambiental e social; e mecanismos de transparência que coíbam as práticas típicas de greenwashing.

Resumindo, a chamada emergência climática é uma oportunidade de ouro para que o Brasil evolua para novos paradigmas de Desenvolvimento Justo, Inclusivo e Sustentável.

* André Naves é Defensor Público Federal, especialista em Direitos Humanos e Sociais.

Para mais informações sobre ESG clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan