Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Eduardo Cunha e sua prisão preventiva

Eduardo Cunha e sua prisão preventiva

19/10/2016 Rodrigo Augusto Prando

Não faz muito, Eduardo Cunha foi preso pela Política Federal, por ordem do Juiz Sérgio Moro.

A prisão, em caráter preventivo, tem prazo indeterminado, pois a Justiça entende que Cunha pode não só representa risco à instrução do processo e à ordem público, bem como tem possibilidade de fugir, graças a recursos financeiros no exterior e dupla cidadania.

No campo político, Cunha já havia sido derrotado em duas ocasiões: foi afastado da Presidência da Câmara dos Deputados por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF) e, depois, teve seu mandato de deputado cassado pelo plenário daquela Casa.

A prisão, por conta de tudo que se noticiou, até o momento, acerca da trajetória de Cunha, era esperada, sobretudo após sua cassação pela Câmara dos Deputados e a perda de sua condição de possuidor de foro privilegiado.

Sem a prerrogativa de foro, o processo, que tramitava no Supremo Tribunal Federal, foi enviado a Curitiba, para o tão temido juiz de primeira instância, Sérgio Moro. Eduardo Cunha foi, por assim dizer, figura central na admissibilidade do processo de impeachment da Presidente Dilma Rousseff, na ocasião em que presidia a Câmara.

No desenrolar frenético das ações políticas no país nos últimos meses, tínhamos, a um só tempo, as investigações da Operação Lava Jato, o processo de afastamento de Dilma, as manobras protelatórias de Cunha e seus aliados para salvar seu mandato, Olimpíadas, governo interino de Temer, eleições municipais, enfim, um turbilhão de eventos, especialmente os da seara política, incapazes de se apresentarem de forma límpida e previsíveis.

A narrativa de Dilma e do PT, de golpe contra uma “presidenta eleita”, deu a tônica de sua defesa, buscando, a todo custo, imprimir o processo de impeachment como uma vingança pessoal de Cunha contra Dilma e o PT, pelo fato de que estes não quiseram participar de um acordo para salvar Cunha de sua cassação.

Sem recorrer a maniqueísmos fáceis, quis o destino, ou, noutra acepção, a fortuna (sorte, para Maquiavel), apresentar sua faceta mais cruel para ambos: perderam o poder, a legitimidade, a força junto aos seus pares e, por fim, seus mandatos.

A prisão de Cunha é mais um alicerce retirado do discurso petista que as investigações da Lava Jato são seletivas e só miram no PT. Não bastasse essa infeliz – para Cunha e Dilma – coincidência de perderem o mandato, há outra que assombra mais do que tudo: ter um processo criminal nas mãos de Sérgio Moro.

Cunha lutou pelo seu mandato para continuar longe de Moro, perdeu e foi preso; Lula e muitos outros, também, querem salutar distância de Curitiba. E o porquê disso? Simples: na presença de Sérgio Moro, a inteligência e astúcia política cedem lugar aos fatos e temas afeitos ao Direito, às leis – o discurso político não se coaduna, neste caso, com a lógica jurídica.

Tem sido amplamente demonstrado que as ações levadas a cabo por Moro são muito bem constituídas e que as instâncias superiores tendem a confirmar suas conclusões. Esse enredo político-judicial-policial está longe de cessar.

Com essa prisão de Eduardo Cunha um primeiro capítulo se fecha parcialmente, pois, no próximo, haverá, por certo, um julgamento. Ademais, a trama que ora assistimos é de se lamentar, mas de se questionar: como chegamos a essa situação na vida política nacional?

* Rodrigo Augusto Prando é sociólogo e professor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da Universidade Presbiteriana Mackenzie.



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa