Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação à distância no Brasil

Educação à distância no Brasil

07/03/2016 Fábio Liberato

A educação à distância não chega a ser uma novidade.

De acordo com Freitas (s/d) em 1728 surgiu nos Estados Unidos da América o curso de Taquigrafia nesta modalidade.

Em 1840 surgiram os cursos de Contabilidade na Suécia e de Taquigrafia no Reino Unido.

Finalmente em 1892 a primeira graduação: Hebraico na Universidade de Chicago.

No Brasil, desde 1904 já existem registros de cursos por correspondência, como o de datilografia no Rio de Janeiro.

Em 1923 a recém-fundada Rádio Sociedade do Rio de Janeiro passou a oferecer cursos de Português, Francês, Silvicultura, Literatura Francesa, Esperanto, Radiotelegrafia e Telefonia.

Já em 1940 o Instituto Universal Brasileiro passou a ofertar cursos profissionalizantes por meio de correspondência.

Mas é fato indiscutível que com o advento da internet, houve uma contribuição decisiva para a disseminação desta modalidade de ensino no país.

Podem-se destacar dois pontos com relação ao ensino à distância, sendo um positivo e o outro negativo: a possibilidade de adaptação do ensino ao tempo do aluno e a brecha para o oportunismo, tanto de alunos quanto de instituições que se dizem de ensino.

Milhões de brasileiros tiveram (e ainda tem) que iniciar sua vida profissional demasiadamente cedo para contribuir no sustento de suas famílias.

Por este motivo estas pessoas não tiveram as devidas condições de obterem a necessária qualificação em cursos de nível técnico ou superior.

A modalidade de ensino à distância proporciona a oportunidade para que esse grupo alcance a capacitação, já que o estudante pode estudar de acordo com a sua disponibilidade.

Somado à isso, por não demandar estruturas tão complexas quanto a de cursos presenciais, o seu custo é menor, permitindo tanto que o poder público o expanda com menos dificuldade (como tem feito desde 2005 com a criação da Universidade Aberta do Brasil – UAB) como que a iniciativa privada exerça a cobrança de mensalidades mais baixas garantindo dessa forma o acesso de um maior número de pessoas.

No entanto, o ensino à distância, ao mesmo tempo em que proporciona a flexibilidade de horários, exige também bastante comprometimento por parte dos alunos e infelizmente não é isso que ocorre em muitos casos.

Vários estudantes, visando apenas o “diploma”, fazem cursos de maneira completamente displicente. Além disso, justamente pelo fato de exigir investimentos relativamente baixos, muitas faculdades privadas vêm abrindo cursos tanto de nível técnico quanto de nível superior de baixíssima qualidade, com tutores mal pagos e preparados, material didático deficiente, instalações precárias etc.

O objetivo destas instituições torna-se apenas a busca do muitas vezes suado dinheiro do aluno, ou da União (o que é ainda mais grave já que é um dinheiro da coletividade) por meio de programas como o Universidade para Todos – PROUNI.

Uma prova de como uma modalidade de ensino pode ser utilizada de forma oportunista é que entre 2009 e 2011 a Universidade Luterana do Brasil – ULBRA enfrentou problemas com a justiça por falha dos processos de avaliação dos alunos.

Provas e trabalhos de conclusão de curso sequer eram corrigidos, além de mais de 92 polos da instituição existirem somente para entrega de correspondências e não para apoio dos alunos.

Outro caso complexo foi o que envolveu no início dos anos 2000 servidores da Prefeitura de Belo Horizonte e as Faculdades Integradas de Jacarepaguá – FIJ.

Quase 1000 funcionários, a maioria da área da educação, perderam na justiça e foram obrigados a ressarcir os cofres públicos por terem conseguido progressões de carreira que tiveram como consequência aumentos salariais graças as especializações da FIJ.

De acordo com o Ministério Público, muitos sequer foram aos polos EAD. Após o fato a PBH alterou os critérios para a concessão de progressões de carreira.

Ele passou a ser válido somente para funcionários com diplomas em instituições reconhecidas pelo MEC e que tenham feito cursos presenciais.

Esta modalidade de ensino pode ser uma boa alternativa para melhorar a qualificação da mão de obra brasileira.

Porém é necessário o comprometimento do poder público na fiscalização de instituições e também mais seriedade dos alunos que optam por esta modalidade de ensino.

* Fábio Liberato



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa