Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Educação básica pública brasileira: uma queda para o infinito

Educação básica pública brasileira: uma queda para o infinito

24/11/2013 Wellington Fontes Menezes

Mais uma vez, o MEC metendo os pés pelas mãos, numa briga de foice no escuro sem fim. As lambanças são cada vez mais desastrosas e populistas onde reina a demagogia rasteira, asquerosa e barata.

Depois do lançamento das bolsas de turismo acadêmico, sem eira nem beira, para alunos da graduação do programa "Ciência sem Fronteiras" e cortar verbas para os alunos da Pós-graduação, agora é dar mais "bolsa-incentivo" para ver se terá alguma alma querendo lecionar no Ensino Básico.

É muito surrealismo irresponsável e demagógico! Mais dinheiro público jogado no ralo para objetivos sem contexto, sem sentido e sem lastro com a realidade. Impressiona a quantidade de bobagens que o MEC vem fazendo na Educação neste país. Uma medida mais esdrúxula do que a outra. O problema não é a falta de professores, mas falta de infraestrutura mínima para seguir carreira na Educação Básica. Sem carreiras definidas, jogada às traças, dependendo da esmola de um piso nacional salarial e, por sua vez, com salários ínfimos, exceto aqueles de desejam por fé e esperança se tornarem professores deste segmento, o restante faz por falta de outra opção e tem que se formarem de forma mambembe em faculdades igualmente mambembe, daí uma das causas seríssimas do péssimo nível dos professores: o ciclo da ignorância consentida pelo Estado.

O profissional da Educação Básica vive a base de esperança e entalados de comprimidos de clonazepam e similares. No Estado de São Paulo, onde a monstruosidade é maior na área de Educação Básica, praticada pela dinastia do PSDB e jorrando uma política canalha por excelência no campo da Educação.

Para contemplar a perversidade completa, até mesmo o governo do Estado submeteu os professores a ridícula humilhação pública a fazem provinhas imbecis para supostamente ganharam uns trocados a mais em seus holerites (ou seja, o aumento do salário estaria atrelado as malditas provinhas que a metodologia neoliberal dos tucanos vem causando um lastro de excremento pelo país). O resultado, é claro e transparente: a Educação Básica público no fosso, uma classe docente adoecida e um sindicalismo da área parasita e conivente com os desmando dos governos tucanos.

E quanto o PT? Simples: copia a mesma cartilha tucana e coloca uma estrela imbecilizada no alto da página e, para dar um ar de sofisticação, incrementa ainda a técnica dos cursos à distância para tapear com mais rapidez e distribuir papéis timbrados que querem ser chamados por "diplomas", ou seja, como se o computador fosse resgatar nosso atraso abissal! Temos uma realidade muito difícil com governos completamente estúpidos e incompetentes na área de Educação Básica, seja petistas, seja tucanos ou qualquer outra sigla.

Dar royalties do petróleo para Educação em um futuro qualquer é bonito politicamente, mas demagógico e não condiz com a realidade daqueles que não podem mais esperar a ilusão política do pré-sal (que por sinal, pelas políticas neoliberais aplicados pelo neopetismo, anda sendo fatiada para doar para as empresas multinacionais do setor!).

Em sua maioria, até mesmo os partidos de esquerdas mais radicais não possuem propostas que sejam serias para a área, exceto alguns estereótipos doutrinários que num mundo democrático e respeito à dignidade humana não poderiam serem levadas a sério (que me perdoe os colegas que acham que o significado da vida é fazer celibato dogmático do messianismo operário-camponês!).

De todos os problemas estruturais no país, após a questão da Segurança Pública (que certamente é o maior desafio atual de uma América Latina que tenta se reestruturar economicamente e absurdamente desigual socialmente), a crise da Educação é a maior de todas e a mais difícil de resgatar, onde se encontra os maiores papagaios de pirata que nada sabem do que fazem em seus gabinetes monitorados por ar condicionado e ainda levam a mais atraso (com cara de "progresso") ao país.

Para a desgraça deste Brasil, que teima em jogar fora grandes oportunidades históricas no campo da cidadania, a Educação, cada vez mais, parece ser uma queda para um fosso infinito e rumo ao vazio existencial.

*Wellington Fontes Menezes é mestre em Ciências Sociais pela Universidade Estadual Paulista (UNESP).



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.