Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Educação empreendedora é ponte para o sucesso

Educação empreendedora é ponte para o sucesso

25/04/2018 Ricardo Motta

Nem só de espírito empreendedor vivem os negócios.

O sucesso no mundo business vai muito além de coragem e determinação. No entanto, a educação empreendedora pode resolver essa equação de maneira satisfatória. De que forma?

Atualmente, são vários fatores que atrapalham a vida de quem está começando nos negócios. A falta de conhecimento e educação empreendedora são as principais delas, por exemplo.

Há quem diga que nosso ambiente empresarial é ruim, burocrático, lento e joga contra. Outros reclamam dos impostos altos que não permitem o crescimento dos pequenos negócios. Ou ainda há quem não recomende empreender num mercado como o brasileiro por falta de apoio governamental.

Por esses motivos, somente a vontade de crescer nos negócios não irá ajudar. Para ser bem-sucedido, todo empreendedor, mesmo aquele que realiza por necessidade, precisa se preparar. Isso envolve buscar entender sobre finanças, a parte jurídica, contabilidade, legalização, marketing entre outros fatores.

Empreender é uma opção que demanda muito esforço, mas pode ser muito satisfatória se bem desempenhada. O outro detalhe importante para o sucesso são as boas ideias. Porém, não se pode viver somente delas. É preciso aprender a coloca-las em prática. Caso contrário, não tem como ir a lugar algum.

A diferença está em quem consegue executá-las. As ideias hoje são como commodities, pois temos muita gente no mundo com ideias. Mas para que elas possam se tornar realidade, é preciso conversar sobre elas com outras pessoas. Veja a opinião delas, avalie se o que propõe realmente está ajudando ou trazendo facilidades para alguém.

Aprenda sobre o mercado no qual o seu negócio está inserido. Avalie sobre seus possíveis clientes, sobre o produto ou serviço que será vendido, sobre as necessidades de seus futuros clientes e o que você pode fazer para resolver essa dor ou necessidade.

Pesquise, estude e queira aprender sempre. Por exemplo, busque entender sobre MVP (mínimo produto viável), prototipação, validação de hipóteses. Tudo isso é primordial para quem acredita ter boas ideias.

Caso não saiba como dar os primeiros passos, busque ajuda. Há diversos programas voltados para novos empreendedores e startups, como, por exemplo, as pré-aceleradoras. E, acima de tudo, não se esqueça de amar o que faz.

* Ricardo Motta é CEO da StartupGrid, consultor de negócios e mentor de startups.

Fonte: Drumond Assessoria de Comunicação



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.