Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação inclusiva: onde estamos falhando?

Educação inclusiva: onde estamos falhando?

19/05/2018 Nelly Narcizo de Souza

Como construir uma escola inclusiva?

Mais de vinte anos depois da Declaração de Salamanca e ainda não conseguimos construir contextos educacionais plenamente inclusivos. Venho me perguntando e propondo essa reflexão sempre que possível: onde estamos falhando?

Já caminhamos tanto em termos de legislação, como de conhecimento. E a pergunta sempre vem: como construir uma escola inclusiva? Várias são as questões que se interpõem na tentativa de responder a essas perguntas.

Primeiramente temos que destacar que não se faz inclusão por decretos; mas sem eles, sem o aporte da lei, pouco seria possível. Em segundo lugar, não se faz inclusão educacional por descoberta de diagnósticos. Da mesma forma, sem eles não saberíamos qual é a especificidade de nosso alunado.

Ainda, não se faz uma escola inclusiva apenas por vocação ou boa vontade. Foi-se o tempo em que poderíamos embasar a ação docente apenas com boa vontade; entretanto, sem tal dedicação talvez a frustração fosse ainda maior. Como diria Paulo Freire, é preciso esperança para que a luta não feneça.

Por outro lado, ouço muito a queixa da falta de conhecimento a respeito do assunto. Contudo, pode-se perceber que mesmo tendo algum conhecimento a respeito do público alvo da Educação Especial, também se vê diante de dificuldades. Claro, que sem o conhecimento adequado nossas ações estarão ainda mais limitadas.

Nesse sentido, podemos observar que em diferentes instâncias e momentos: não há uma fórmula única para construir uma escola inclusiva. É preciso a conjunção de inúmeros fatores.

Além das indicações acima: legislação, acesso a diagnóstico o mais precocemente possível, conhecimento específico e boa vontade, ressalto que existem vários outros e, ouso destacar que os que mais chamam atenção são aqueles que envolvem a percepção e a crença que temos sobre as relações humanas, e como lidamos com os recursos humanos na escola.

Rosita Édler de Carvalho indica em um texto muito interessante que o conceito de diferença é construído na relação a outro: “Não percebo que sou diferente sozinho, é preciso que alguém me mostre isso e, com essa experiência vamos constituindo nossa identidade e autoconceito”.

Ou seja, vamos percebendo se é bom ser diferente ou não, e quais os impactos da minha diferença nos contextos em que vivo. Essa percepção é interessante, já que uma escola inclusiva deve ser construída por pessoas que promovem inclusão.

Em outras palavras: sabem seu papel na promoção de relações mais humanas, mais afetivas, mais inclusivas. Falar de inclusão implica em falar de diferença e de como ela se destaca nas relações.

Realizar uma sociedade mais inclusiva pede que tenhamos um olhar mais amplo para as pessoas, então saberemos fazer uso mais adequado de todos os recursos que estão dispostos (humanos, materiais ou legais).

Venho percebendo que projetos e experiências de sucesso no que compete a escolas e salas de aula mais inclusivas acabam trazendo como elemento comum a percepção de diferença e da relevância das relações humanas ali estabelecidas.

Ouso dizer que quando enxergamos a pessoa antes da exaltação de sua “diferença”, “deficiência” ou “transtorno”, conseguiremos propor experiências e relações mais positivas em prol de uma escola mais inclusiva, aberta.

Não pretendo simplificar a resposta à questão que iniciou esse texto, mas propor outras considerações a respeito. Considerações que evidencie o quão importante são nossas concepções sobre o ser humano, tão quanto os decretos que validam e garantem os direitos.

* Nelly Narcizo de Souza é doutora em Educação, especialista em Educação especial e inclusiva.

Fonte: Central Press



Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.


A nota oficial do Presidente da República

Após o excesso de retórica do mandatário maior da nação ocorrida no dia de uma das maiores manifestações já realizadas e vistas pelo povo brasileiro, o Presidente da República, veio a público, através de nota oficial, prestar a seguinte declaração, da qual destaca-se os seguintes parágrafos:


Combate ao terrorismo após 11 de setembro: incertezas e desafios

Faz 20 anos que acompanhamos, principalmente pela televisão, o maior ataque terrorista da história contemporânea.


ESG qualifica empresas na busca por investidores

Segundo a Morningstar, no início do segundo semestre o volume global investidos em fundos ESG ultrapassou o montante de US$ 2,3 trilhões.


A vacina é para todas as idades

Em todas as fases da vida manter a caderneta de vacinação em dia é muito importante.