Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Educação inclusiva: onde estamos falhando?

Educação inclusiva: onde estamos falhando?

19/05/2018 Nelly Narcizo de Souza

Como construir uma escola inclusiva?

Mais de vinte anos depois da Declaração de Salamanca e ainda não conseguimos construir contextos educacionais plenamente inclusivos. Venho me perguntando e propondo essa reflexão sempre que possível: onde estamos falhando?

Já caminhamos tanto em termos de legislação, como de conhecimento. E a pergunta sempre vem: como construir uma escola inclusiva? Várias são as questões que se interpõem na tentativa de responder a essas perguntas.

Primeiramente temos que destacar que não se faz inclusão por decretos; mas sem eles, sem o aporte da lei, pouco seria possível. Em segundo lugar, não se faz inclusão educacional por descoberta de diagnósticos. Da mesma forma, sem eles não saberíamos qual é a especificidade de nosso alunado.

Ainda, não se faz uma escola inclusiva apenas por vocação ou boa vontade. Foi-se o tempo em que poderíamos embasar a ação docente apenas com boa vontade; entretanto, sem tal dedicação talvez a frustração fosse ainda maior. Como diria Paulo Freire, é preciso esperança para que a luta não feneça.

Por outro lado, ouço muito a queixa da falta de conhecimento a respeito do assunto. Contudo, pode-se perceber que mesmo tendo algum conhecimento a respeito do público alvo da Educação Especial, também se vê diante de dificuldades. Claro, que sem o conhecimento adequado nossas ações estarão ainda mais limitadas.

Nesse sentido, podemos observar que em diferentes instâncias e momentos: não há uma fórmula única para construir uma escola inclusiva. É preciso a conjunção de inúmeros fatores.

Além das indicações acima: legislação, acesso a diagnóstico o mais precocemente possível, conhecimento específico e boa vontade, ressalto que existem vários outros e, ouso destacar que os que mais chamam atenção são aqueles que envolvem a percepção e a crença que temos sobre as relações humanas, e como lidamos com os recursos humanos na escola.

Rosita Édler de Carvalho indica em um texto muito interessante que o conceito de diferença é construído na relação a outro: “Não percebo que sou diferente sozinho, é preciso que alguém me mostre isso e, com essa experiência vamos constituindo nossa identidade e autoconceito”.

Ou seja, vamos percebendo se é bom ser diferente ou não, e quais os impactos da minha diferença nos contextos em que vivo. Essa percepção é interessante, já que uma escola inclusiva deve ser construída por pessoas que promovem inclusão.

Em outras palavras: sabem seu papel na promoção de relações mais humanas, mais afetivas, mais inclusivas. Falar de inclusão implica em falar de diferença e de como ela se destaca nas relações.

Realizar uma sociedade mais inclusiva pede que tenhamos um olhar mais amplo para as pessoas, então saberemos fazer uso mais adequado de todos os recursos que estão dispostos (humanos, materiais ou legais).

Venho percebendo que projetos e experiências de sucesso no que compete a escolas e salas de aula mais inclusivas acabam trazendo como elemento comum a percepção de diferença e da relevância das relações humanas ali estabelecidas.

Ouso dizer que quando enxergamos a pessoa antes da exaltação de sua “diferença”, “deficiência” ou “transtorno”, conseguiremos propor experiências e relações mais positivas em prol de uma escola mais inclusiva, aberta.

Não pretendo simplificar a resposta à questão que iniciou esse texto, mas propor outras considerações a respeito. Considerações que evidencie o quão importante são nossas concepções sobre o ser humano, tão quanto os decretos que validam e garantem os direitos.

* Nelly Narcizo de Souza é doutora em Educação, especialista em Educação especial e inclusiva.

Fonte: Central Press



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.