Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Efeito Dunning-Kruger: por que tolos se acham gênios?

Efeito Dunning-Kruger: por que tolos se acham gênios?

27/07/2020 Marília Cardoso

Você já se deparou com um péssimo profissional que se acha o máximo? E com um artista amador que se julga um talentoso incompreendido?

Provavelmente sim. E existe uma explicação cientifica para isso. Em 1999, os psicólogos Justin Kruger e David Dunning publicaram um estudo sobre superioridade ilusória, que ficou conhecido como “efeito Dunning-Kruger”.

Segundo eles, somos muito ruins em nos autoavaliarmos e temos o hábito de superestimarmos as nossas próprias habilidades.

As pesquisas mostraram que somos capazes de desafiar a própria matemática quando o assunto são as nossas potencialidades.

Ao pedir a autoavaliação de engenheiros de softwares, mais de 30% dos profissionais disseram estar entre os 5% mais talentosos de sua empresa.

Em outro estudo, mais de 88% dos motoristas norte-americanos disseram dirigir melhor que a média. Nem o melhor matemático do mundo seria capaz de explicar essas contas.

Depois de mais de 100 estudos diferentes, Dunning e Kruger chegaram à conclusão de que tomos nós podemos ser vítimas da superioridade ilusória.

E o mais curioso é que as pessoas que mais exageram em suas próprias auto avaliações são justamente as tidas como menos capacitadas.

Os mais ignorantes tendem a se julgar quase ou até melhor que os próprios especialistas em determinadas áreas.

O fato é facilmente compreensível. Aquilo que eu sei é muito pouco perto do que eu sei que não sei. Por exemplo: eu sei que sei português e que não sei mandarim, japonês e árabe.

Agora, o que eu não sabia até começar a escrever esse texto é que existem 6.192 idiomas em todo o mundo, segundo o Ethnologue, livro considerado a bíblia linguística.

Se essa informação estivesse expressa em uma pirâmide, as línguas que eu domino seriam apenas a pontinha.

Em uma camada um pouco mais abaixo, estariam as cerca de 15 línguas que eu já sabia que existiam, mas que sou incapaz de falá-las.

Todo o resto, ou seja, a maior parte, seria destinado às outras mais de seis mil línguas que eu simplesmente ignoro. É, Sócrates tinha toda razão quando disse: “Só sei que nada sei”.

E o efeito Dunning-Kruger pode ser muito perigoso. Um estudo feito em 2012 mostrou que cerca de 23% dos norte-americanos que se declararam falidos após a bolha financeira de 2008 deram a si mesmos a nota máxima em conhecimentos sobre finanças.

É aquela velha história que diz que quem morre afogado é justamente quem diz que sabe nadar. Quem sabe que não sabe tem medo. Portanto, não se arrisca.

Contudo, embora os mais capacitados tenham mais noção de suas próprias limitações, reconhecendo a sabedoria de René Descartes ao dizer que “daria tudo o que sabia pela metade do que ignorava”, eles acabam cometendo outro equívoco.

O erro dessa categoria de pessoas, segundo Dunning e Kruger, é o fato de acreditarem que todos sabem o mesmo que eles sabem.

Ou seja, quando temos elevadas competências em alguma área, não conseguimos perceber o quanto essas habilidades são raras e valiosas diante de uma maioria.

Para rompermos o efeito Dunning-Kruger, os psicólogos dão duas dicas preciosas. A primeira é para sempre pedirmos e termos capacidade de aceitar feedbacks.

Saber o que os outros pensam sobre nós, nos ajuda a termos mais autoconhecimento. E isso pode ser libertador. A segunda é para continuarmos sempre aprendendo.

Devemos adotar a postura de eternos aprendizes. Nunca de experts. Afinal, agora você já sabe que um gênio está muito mais para um perfeito tolo…

* Marília Cardoso é sócia-fundadora da PALAS, consultoria pioneira na implementação da ISO 56.002, de gestão da inovação.

Fonte: InformaMídia



O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.