Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Em tempos de mercados bicudos…

Em tempos de mercados bicudos…

04/11/2015 Silvio Bianchi

É impressionante a capacidade de se reinventar do empresariado brasileiro.

Em qualquer outra economia do mundo, em vista das condições econômicas em que o país atravessa, grande parte do empresariado já estaria completamente desesperado com a situação atual.

Não que isso não ocorra mas o brasileiro aprendeu a lidar com a crise de uma forma com que os outros não suportariam como nós suportamos.

Ai eu destaco o jogo de cintura e a nossa criatividade. Temos uma enorme capacidade em estabelecer parcerias e alianças para identificar novas oportunidades, mesmo que os ganhos ocorram somente para não fazer a "bicicleta parar de pedalar" até a crise recuar.

Temos ainda dados suficientes que nos permitem acreditar que ainda existe oportunidade de crescimento no Brasil em muitas áreas. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro, hoje temos que nos esforçar para criar o Brasil do presente.

Temos vários fatores a considerar, temos um grande mercado interno, temos uma classe média muito robusta e sabemos que existem muitos tipos de negócios que crescem em tempos de crise, e se você estiver preparado, um ambiente econômico que pode parecer desfavorável, pode acabar lhe proporcionando ótimas opções de investimento.

Historicamente, os momentos de dificuldades econômicas tem sido o berço de ótimos negócios. Enquanto está todo mundo desanimado e se deixando levar pelo derrotismo, alguns empreendedores identificam oportunidades para começar seus negócios.

E ainda como pequenos empresários, temos que considerar que as empresas grandes não conseguem resolver alguns problemas que uma empresa pequena pode resolver. Em empresa menor, você tem muito mais flexibilidade, principalmente em termos de receita.

E podemos usar toda a nossa especialização para fazermos a diferença. Com a tecnologia de brasileiro sabemos que é possível pegar uma avenida com menos trânsito, procurando um mercado com um menor contingente de pessoas.

Com a crise as pessoas voltam a usufruir de serviços mais básicos. Por exemplo, o de reforma em geral, o de venda de carros usados, retomando hábitos antigos que nos últimos tempos foram perdendo utilizadores e negócios.

Este é o momento certo para criar um negócio numa destas áreas. Precisamos botar a imaginação para funcionar. A hora é de trabalho, muito trabalho. Olhe para seus parceiros, colaboradores, clientes, stakeholders e até mesmo concorrentes buscando oportunidades de gerar novas demandas que antes poderiam ser encaradas de baixa potencialidade.

Vejo que com crise ou sem ela o mercado vem sofrendo uma enorme mutação. Os empresários não mais se apegam ao governo aguardando as suas isenções como alguns anos atrás. A hora é de repensar e de propor novas atitudes.

Lembre-se que nada é definitivo. Um dia a crise vai embora e você estará mais forte e preparado para o novo mercado que esta surgindo.

Como disse Charles Darwin, “Não são as espécies mais fortes que sobrevivem nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças.”

* Silvio Bianchi é publicitário, diretor presidente da Trilha Tecnologia, empresa especializada em negócios B2B.



Dia do Panificador, o pão e a fome

Oito de julho é o Dia do Panificador. Profissão humilde, raramente é lembrada.


O valor de uma obra

Naquela fria e sombria manhã de Inverno, do ano de 1967, estava à porta da “Livraria Silva”, na Praça de Sé, quando passa, de reluzentes divisas doiradas, o sargento Mário.


A pandemia, as perdas e o novo mundo

Apesar de, infelizmente, ter antecipado o fim da vida de 64,9 mil brasileiros e ainda estar por levar milhares de outros e prejudicar muitos na saúde ou na economia (ou em ambos), o coronavírus pode ser considerado um novo divisor de águas na sociedade.


7 dicas para se profissionalizar na comunicação virtual

De repente, veio a pandemia, a quarentena e, com elas, mudanças na rotina profissional e na forma de comunicação.


O sacrifício dos jovens

Mais de cem dias depois, a pandemia vai produzindo uma cauda longa de desarranjos que se fará sentir por muitos anos e esses efeitos vão atingir, principalmente, os mais jovens.


A “nova normalidade”

A denominada “nova normalidade” não venha nos empobrecer em humanidade.


A inevitável necessidade de prorrogação do auxílio emergencial

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, confirmou que o governo vai prorrogar por dois meses o pagamento do auxílio emergencial.


A empatia como chave para gestão de entregas e pessoas

Uma discussão que acredito ser muito pertinente em tempos de pandemia é como ficam, neste cenário quase caótico, as entregas?


Mass-Media “mascarada”

A semana passada, aventurei-me a sair, para um longo passeio, na minha cidade. Passeio a pé, porque ainda não frequentei o transporte público.


A quarentena e as artes

Schopenhauer foi um filósofo que penetrou no âmago do mundo.


O legado da possibilidade

Quando podemos dizer que uma coisa deu certo? O que é, afinal, um sucesso?


O que diabos está acontecendo?

A crise está a todo vapor e acelerando tendências que levariam décadas para se desenrolar.