Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Em tempos de mercados bicudos…

Em tempos de mercados bicudos…

04/11/2015 Silvio Bianchi

É impressionante a capacidade de se reinventar do empresariado brasileiro.

Em qualquer outra economia do mundo, em vista das condições econômicas em que o país atravessa, grande parte do empresariado já estaria completamente desesperado com a situação atual.

Não que isso não ocorra mas o brasileiro aprendeu a lidar com a crise de uma forma com que os outros não suportariam como nós suportamos.

Ai eu destaco o jogo de cintura e a nossa criatividade. Temos uma enorme capacidade em estabelecer parcerias e alianças para identificar novas oportunidades, mesmo que os ganhos ocorram somente para não fazer a "bicicleta parar de pedalar" até a crise recuar.

Temos ainda dados suficientes que nos permitem acreditar que ainda existe oportunidade de crescimento no Brasil em muitas áreas. Sempre ouvimos falar que o Brasil é o país do futuro, hoje temos que nos esforçar para criar o Brasil do presente.

Temos vários fatores a considerar, temos um grande mercado interno, temos uma classe média muito robusta e sabemos que existem muitos tipos de negócios que crescem em tempos de crise, e se você estiver preparado, um ambiente econômico que pode parecer desfavorável, pode acabar lhe proporcionando ótimas opções de investimento.

Historicamente, os momentos de dificuldades econômicas tem sido o berço de ótimos negócios. Enquanto está todo mundo desanimado e se deixando levar pelo derrotismo, alguns empreendedores identificam oportunidades para começar seus negócios.

E ainda como pequenos empresários, temos que considerar que as empresas grandes não conseguem resolver alguns problemas que uma empresa pequena pode resolver. Em empresa menor, você tem muito mais flexibilidade, principalmente em termos de receita.

E podemos usar toda a nossa especialização para fazermos a diferença. Com a tecnologia de brasileiro sabemos que é possível pegar uma avenida com menos trânsito, procurando um mercado com um menor contingente de pessoas.

Com a crise as pessoas voltam a usufruir de serviços mais básicos. Por exemplo, o de reforma em geral, o de venda de carros usados, retomando hábitos antigos que nos últimos tempos foram perdendo utilizadores e negócios.

Este é o momento certo para criar um negócio numa destas áreas. Precisamos botar a imaginação para funcionar. A hora é de trabalho, muito trabalho. Olhe para seus parceiros, colaboradores, clientes, stakeholders e até mesmo concorrentes buscando oportunidades de gerar novas demandas que antes poderiam ser encaradas de baixa potencialidade.

Vejo que com crise ou sem ela o mercado vem sofrendo uma enorme mutação. Os empresários não mais se apegam ao governo aguardando as suas isenções como alguns anos atrás. A hora é de repensar e de propor novas atitudes.

Lembre-se que nada é definitivo. Um dia a crise vai embora e você estará mais forte e preparado para o novo mercado que esta surgindo.

Como disse Charles Darwin, “Não são as espécies mais fortes que sobrevivem nem as mais inteligentes, e sim as mais suscetíveis a mudanças.”

* Silvio Bianchi é publicitário, diretor presidente da Trilha Tecnologia, empresa especializada em negócios B2B.



Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.


O prazer da leitura

Ao contrário do que se possa pensar, não tenho muitos amigos. Também não são muitos os conhecidos.


Desmoralização do SFT

A moralidade e a segurança jurídica justificam a continuidade da prisão em segunda instância. A mudança desta postura favorece a impunidade dos poderosos e endinheirados.