Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Em tempos que nada para de mudar, mude

Em tempos que nada para de mudar, mude

09/06/2018 Roger Rieger

A gestão de marcas está cada vez mais intrincada.

A agenda do marketing está tão diversa, integrada e multilevel que se a sua velocidade executiva na condução das marcas não acelerar, o mercado passa e você fica. Analisando a realidade atual e as tendências, a invasão tecnológica é mais que irreversível - é incontrolável.

Administrar as ações pela repetição de rotinas tradicionais é tão arriscado quanto tentar inventar algo sem saber o que ou como fazer isso. Também está difícil saber onde apostar, já que a influência das mídias tradicionais está mais difícil de ser analisada, principalmente na nova geração de consumidores.

Na minha vida de consultor e empresário do marketing e do design, nunca deixei de centrar meu raciocínio e apostar as minhas fichas na construção de ativos mais perenes, como ao tratar a estrutura de comunicação das marcas de uma forma mais rígida e disciplinada.

Apesar do cenário de mudanças imprevisíveis, está aí algo que não mudou muito, ainda que os targets hoje sejam tão diversos, mutantes e absurdamente infiéis. Obter relevância é hoje o caminho para se ter reconhecimento e, portanto, reputação.

Big data, marketing de experiência e eventos, influenciadores, buzz marketing… As marcas que têm personalidade falam, respondem, opinam, ensinam e são verdadeiras em todas as suas expressões - e isso precisa estar na agenda diária para quem quiser construir marcas de valor.

É óbvio que, antes de tudo, um consistente trabalho de Branding, com a estratégia e a proposta de valor das marcas fundamentadas. Depois de um bom DNA, o design. Como instrumento complementar e materializador da estratégia, definidor de forma única e indelével, do seu propósito quanto marca, produto ou serviço.

Isso estabelecerá um forte embasamento e blindagem para a então expressão da marca. E esta assim, surfará em todos os meios de forma consistente… até que se mude. E mudar faz parte da evolução.

Cruzar o tempo e as gerações de consumidores é um enorme desafio. “Nada existe de permanente, a não ser a mudança” Heráclito. Graças à ciência estamos vivendo mais… graças à tecnologia, estamos mudando mais.

E mudar faz bem, afinal do que seria tudo, se não fosse o mudar? O importante é saber mudar, reciclar, repensar, num frequente questionamento, ou auto-questionamento. Antecipar movimentos é definir o seu caminho. Como então estar sempre atual? Qual a sua estratégia 2.0, 3.0... X? O quanto você sabe se está mudando? E o que deve fazer para mudar? Mudar para o que?

* Roger Rieger é sócio diretor da Komm Design Solutions, consultor de branding em marketing e colaborador da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil - Seção Paraná (ADVB-PR).

Fonte: Central Press



Espiritualidade e alegria junina

Junho traz festas de três santos católicos: Antônio, casamenteiro. São João, profeta precursor de Jesus e São Pedro, único apóstolo que caminhou sobre as águas.


Missão do avô

Na família os avós são conselheiros dos pais e dos netos.


A importância das relações governamentais e institucionais

As relações governamentais e institucionais têm sido um instrumento de alta relevância para qualquer organização no atual momento político brasileiro.


Namoro na adolescência: fato ou fake?

O início da adolescência coincide com o final do Ensino Fundamental, fase em que desabrocham as paixões e, com elas, o convite: “quer namorar comigo?”.


Autobiografias: revelações das experiências em família

A curiosidade de muitas pessoas sobre a (auto) biografia de personalidades tem se tornado cada vez mais crescente, nos últimos anos.


What a wonderful world

Louis Daniel Armstrong foi um cantor e instrumentista nascido na aurora do século 20, e foi considerado “a personificação do jazz”.


A violência doméstica

Em Portugal, desde o início do ano, apesar de se combater, por todos os meios, a violência na família, contam-se já mais de uma dezena de mulheres, assassinadas.


O desrespeito ao teto constitucional e o ativismo judicial

O ativismo do Executivo e do Judiciário está “apequenando” o Legislativo.


Indicadores e painéis urbanos aliados à administração pública

A cidade com fatos visualizados está remodelando a forma como os cidadãos e gestores vêm a conhecê-la e governá-la.


Os perigos do Transporte Aéreo Clandestino

Os regulamentos aeronáuticos buscam estabelecer critérios mínimos a serem seguidos pelos integrantes da indústria em questão.


A agenda do dia seguinte

A reforma da Previdência será aprovada no Congresso, salvo fatos graves e imprevistos. A dúvida, hoje, se restringe a quanto será, efetivamente, a economia do governo, em dez anos, já que as estimativas variam entre 500 a 900 bilhões de reais.


Comissão de Justiça e Paz

A CJP de Vitória foi criada em 1978 pelos Bispos Dom João Baptista da Motta e Albuquerque e Dom Luís Gonzaga Fernandes.