Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Em terras de ciberataques, empresas devem ser gigantes

Em terras de ciberataques, empresas devem ser gigantes

27/04/2018 Leonardo Barros

O modelo terceirizado é a melhor opção às PMEs frente às novas ameaças.

O crime cibernético como serviço está mais sofisticado com o número crescente de ataques a empresas de todos os portes, inclusive no Brasil. As organizações se movimentam de várias formas ao realizarem maciços investimos na ampla variedade de ferramentas e serviços existentes para combater ataques virtuais.

Dados da consultoria global Protiviti, especializada em Gestão de Riscos e Compliance, cenarizam este movimento ao apontar que 41% dos executivos brasileiros se engajam atualmente para levarem melhores práticas de cibersegurança em seus departamentos de TI.

Se de um lado há uma séria preocupação com os ataques por outro lado é preciso também estar atento sobre a forma como o ambiente de TI é monitorado e sustentado. E quando falamos em pequenas e médias empresas a preocupação é ainda maior, pois enquanto as grandes companhias nativamente se blindam, as PMEs protegem as suas infraestruturas tecnológicas com alguns cliques em softwares gratuitos, baixados até mesmo em lojas de aplicativos.

Frente às novas ameaças, a dica para essas empresas é apostar na contratação de uma equipe terceirizada para monitorar remotamente o ambiente de tecnologia da empresa. Do inglês, Network Operations Center (NOC), o serviço realiza o acompanhamento de todo a operação de TI por meio de softwares específicos e com uma equipe especializada que monitora os alertas gerados nos sistemas e nos ativos de TI, tais como computadores, roteadores, dentre outros.

O modelo terceirizado é a melhor opção às PMEs porque é substancialmente mais barato do que a implantação de um NOC interno e, ao mesmo tempo, mais produtivo pelo fato de eliminar a dependência de profissionais internos que assumem esse posto dentro da operação.

Tudo porque a terceirização traz mais disponibilidade à equipe caseira de TI que passa a cuidar dos assuntos estratégicos do negócio. Trazendo para o universo atacadista distribuidor, no qual a disponibilidade dos sistemas é essencial para o negócio, ter um NOC terceirizado significa maior agilidade nas performances de vendedores externos, que necessitam de informações e de suporte sistêmico online.

Portanto, a hora é de usar os recursos internos para inovação e manutenção em nome da segurança e produtividade do seu negócio.

* Leonardo Barros é diretor executivo da Reposit Tecnologia, provedora de soluções completas em gerenciamento de dados, especializada no atacado distribuidor e varejo.

Fonte: IMAGE Comunicação



Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.


O Brasil, a logística e os “voos de galinha”

Parcerias público-privadas, com base no tripé da sustentabilidade podem proporcionar excelentes projetos para a logística no Brasil.


Eça e a famosa estatueta

Nos derradeiros anos do século transacto, tive a oportunidade de conhecer e entrevistar, D. Emília Eça de Queiroz.


Roda de histórias

Meu avô paterno, Seu Dito, era um bom contador de histórias. Contava com a mesma ênfase, fatos e ficções.


Infodemia: a pandemia de desinformação

Todos os dias em nossos smartphones, computadores e TVs, temos uma verdadeira chuva de informações, e nem sempre é possível conferir a veracidade delas.


O problema não é a Cloroquina

Estamos diante de uma doença ameaçadora, nunca antes vivida por nossa geração.