Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Embarque nesta aventura

Embarque nesta aventura

25/06/2015 Marco Ferraz

Após o último navio ter deixado o País, encerrando a Temporada 2014/2015 dos Cruzeiros Marítimos no início de maio, os Agentes de Viagens brasileiros devem voltar a atenção para outras fronteiras, renovar seus portfólios e oferecer novas e incríveis atrações a seus clientes.

O fim da temporada aqui, na verdade, pode representar a abertura de novos horizontes no mundo dos Cruzeiros, a partir de grandes aventuras para os turistas brasileiros.

Falamos, por exemplo, dos luxuosos cruzeiros fluviais em todos os continentes, e os especiais – estes de expedição, com muita ousadia, irresistíveis para pessoas audaciosas.

A CLIA está investindo pesado nesses dois segmentos em virtude de sua ótima aceitação.

Com navios sofisticados, iates de luxo e muita elegância, esses cruzeiros especializados tiveram crescimento médio anual de 21% entre 2009 e 2014.


Não é para menos, pois as ofertas são fantásticas ao redor do Planeta: embarcações navegam pelo Danúbio na Europa, pelo Yang-Tsé na China, pelo Mississipi nos Estados Unidos, pelo Mekong ao longo dos cenários exóticos de Vietnã e Camboja.

A CLIA recomenda ficar de olho este ano nas regiões de Bordeaux, no sudoeste da França, e nas paisagens deslumbrantes de Miamar, na Ásia.

De Bordeaux, que falem os amantes do vinho e da melhor culinária francesa. As atrações dos cruzeiros de expedição seguem o conceito de inovação e bom gosto.

Os turistas que preferem essa modalidade gostam de se aventurar por novos destinos, de roteiros temáticos, de embarcações mais lentas e de serviço personalizado. São pessoas que, em geral, gostam de cultivar novas amizades.

Alguns destinos imperdíveis dos Cruzeiros Especiais: Amazônia Peruana, Patagônia Argentina e Chilena, Ilhas Maldivas, região de Kimberley na Austrália, Galápagos, Antártica.

Como se vê, não há limites para as descobertas dos cruzeiros, qualquer que seja sua modalidade. O importante é explorar sempre a última fronteira e todos os mistérios do Planeta.

É, antes de tudo, um excelente negócio. A indústria de Cruzeiros receberá este ano 23 milhões de passageiros em todo o mundo, um crescimento de mais de 27% em seis anos - eram 17,8 milhões em 2009 -, o que comprova seu ótimo desempenho.

Desse contingente, 61% embarcam por meio de agentes de viagens, repetindo o feito do ano passado. Serão visitados perto de mil portos por 421 navios (270 transatlânticos e 151 fluviais), com 482 mil leitos.

Mais de U$ 4 bilhões foram investidos em 22 novas embarcações (seis marítimas e 16 fluviais), com vinte mil leitos ofertados a mais do que o ano passado.

Dessa forma, essa indústria provocará um impacto econômico acima de U$ 117 bilhões em todo o mundo; entre outros benefícios, gera perto de 900 mil empregos – ou U$ 38 bilhões em salários. Como se percebe, o que o Agente de Viagens tem a fazer é embarcar nesse mundo. Vale muito a pena.

* Marco Ferraz é Presidente da CLIA Abremar Brasil (Associação Brasileira de Cruzeiros Marítimos).



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa