Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Empreendimentos Sociais: você conhece o setor 2.5?

Empreendimentos Sociais: você conhece o setor 2.5?

30/11/2020 Gabriel Buzzi

Empreender, na maioria das vezes, significa investir em uma ideia própria e dar vida a esta ideia. Dar movimento a um sonho.

Pode significar ainda, investir em um produto genial desenvolvido pelo próprio indivíduo – ou por terceiros – em um rompante de criatividade, agregando conveniência, qualidade e valor em um único produto.

Ultimamente, tem sido comum também investir na mudança da realidade de terceiros. O empreendedorismo social.

Neste sentido, tem se tornado cada vez mais normal no mercado a utilização de um termo específico para caracterizar a atuação de empreendimentos que não devem renunciar a seus lucros, mas que devem possuir um forte impacto social: o “setor dois e meio”.

Por seus conceitos tradicionais, o segundo setor representa o mercado de empresas privadas que hoje empregam a maior parte da massa produtiva da nossa sociedade, enquanto o terceiro setor é a definição utilizada para o desenvolvimento dos trabalhos sociais em institutos, associações e organizações não governamentais (ONGs).

Afinal, o que é o “Setor 2.5”?

Assim, o “setor dois e meio” é justamente “o meio do caminho”. São empreendimentos comprometidos com o impacto social e comprometidos como as organizações do terceiro setor – e que são geridos de forma a obter a maior lucratividade possível, característica típica do segundo setor – de forma a garantir o reinvestimento, a remuneração de seu pessoal técnico e sua expansão.

Para isso, é preciso que o gestor tenha em mente de forma muito clara quais são seus objetivos para que a tomada de decisão da gerência esteja sempre orientada para a maximização do impacto social oriundo da sua atividade.

Seu planejamento estratégico deve contemplar ainda a busca contínua pelos lucros a fim de garantir a sustentabilidade de seus negócios, preterindo a necessidade de recorrer a recursos de terceiros.

Visando o surgimento de novos empreendimentos neste setor, surgiram pelo mundo diversos fundos de investimento “de impacto”, que se tornaram especialistas em colocar seu dinheiro em iniciativas com características do “setor dois e meio”.

Estima-se que globalmente estes fundos gerem cerca de US$ 500 bilhões em ativos e o mercado segue em crescimento exponencial, principalmente neste período de maior sensibilização causado pela pandemia global de COVID-19 quando o mercado tem repensado sua relação com a sociedade.

Quais os desafios do “Setor 2.5”?

Hoje, no Brasil, o setor sinaliza que está se estruturando rapidamente com cada vez mais empreendedores interessados em tomar parte neste ambiente.

Além disso, tem surgido grande apelo das aceleradoras de negócios em ajudá-los a se desenvolver, o que pode significar mais recursos financeiros disponíveis, muito embora ainda seja comum ver investidores confundido investimento em negócios de impacto social com doações para filantropia e caridade.

É preciso, portanto, esclarecer que é possível aliar lucro e impacto social de forma séria e comprometida.

A busca constante por transparência, a utilização de técnicas avançadas de administração, o desenvolvimento de inovações produtivas e muita criatividade para fornecer seus serviços são sinais de que o setor está no caminho certo.

Além disso, a profissionalização do negócio e a adoção das melhores práticas de gestão, apontam que estas organizações almejam voos ainda maiores para gerar melhorias nos respectivos setores em que atuam.

A vontade de “mudar o mundo” é uma constante neste tipo de empreendimento e isso faz com que mesmo os maiores desafios sejam superados, na maioria das vezes, pela solidariedade de um empreendedor que ousou pensar uma nova realidade.

É um modelo de negócio voltado para fazer o bem que não apenas movimenta a economia através das empresas privadas, mas ainda, beneficia os indivíduos da base da pirâmide econômica e social.

* Gabriel Buzzi é gerente da Baker Tilly no Rio de Janeiro.

Fonte: LC4 Marketing



Manifestações do TDAH

Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade em adultos e crianças.


Cuidar da saúde mental do colaborador é fator de destaque e lucratividade para empresa

O Setembro Amarelo é uma campanha nacional de prevenção ao suicídio, mas que coloca em evidência toda a temática da saúde mental.


Setembro Amarelo: a diferença entre ouvir e escutar

Acender um alerta na sociedade para salvar vidas quando se fala em prevenção ao suicídio é tão complexo quanto o comportamento de uma pessoa com a intenção de tirar a própria vida.


Desafios para a Retomada Econômica

A divulgação do Produto Interno Bruto (PIB) do segundo trimestre mostrou uma leve retração da atividade produtiva de 0,1% em relação ao trimestre imediatamente anterior.


Setembro Amarelo: é preciso praticar o amor ao próximo

Um domingo ensolarado é um dia perfeito para exercitar a felicidade, passear no parque, levar as crianças na piscina ou encontrar os amigos com seus sorrisos largos e escancarados.


Setembro Amarelo: é preciso ter ferramentas para lidar com o mundo

No semáforo, a cor amarela é frequentemente associada com desaceleração. O motorista precisa reduzir a velocidade ou até mesmo parar.


Da apropriação ilícita dos símbolos da Nação

Uma nova prática vem sendo efetivada por políticos e partidos radicais em âmbito mundial, a apropriação dos símbolos da nação como se fossem bandeiras de suas filosofias.


Tecnologia é fundamental para facilitar o processo de legalização de novos negócios no Brasil

Imagine se todo o recurso humano e dinheiro envolvidos no processo de abertura e legalização de uma empresa no Brasil fossem utilizados para promover mais eficiência e valor agregado para a sociedade?


Como a tecnologia pode criar uma cultura de reciclagem

Diante das diversas transformações no mundo dos negócios e no modelo de atendimento aos consumidores, empresas de todos os segmentos estão sendo obrigadas a buscarem soluções que permitam acelerar a inovação e a eficiência de seus negócios.


As regras essenciais para o uso de vagas de garagem em condomínios

A garagem traz para o condômino segurança e comodidade para os moradores.


Como usar a sua voz para compartilhar as suas ideias?

Você já se perguntou quantas palavras fala diariamente?


A jornada de inovação dos caixas eletrônicos

Quando os primeiros caixas eletrônicos chegaram ao Brasil, no início dos anos 1980, a grande novidade era a possibilidade de retirar dinheiro ou emitir um extrato de forma automatizada.