Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Epidemias de fake news: uma vacina é necessária

Epidemias de fake news: uma vacina é necessária

16/04/2018 Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza

Os perigos das fake news para a área da saúde.

Epidemias de fake news: uma vacina é necessária

A Aids foi criada em laboratórios para dizimar homossexuais. Vacina contra sarampo causando autismo. Haitianos trazendo o Ebola para o Brasil. Lendas urbanas e notícias falsas sempre existiram, mas sua circulação ganhou proporções inusitadas com o advento da internet e das redes sociais.

Um aspecto surpreendente na dinâmica de transmissão das fake news é o misto de credulidade e desprendimento que leva as pessoas a compartilharem informações forjadas sem nenhuma preocupação em checar as fontes.

Em parte, isso se deve a uma teoria da conspiração latente no inconsciente coletivo. Acrescentar “o governo está escondendo as mortes” na menção a qualquer doença infecciosa (ex.: influenza ou febre amarela), ou incluir “a indústria tem interesse de lucrar fortunas” em um parágrafo sobre vacinas são fórmulas garantidas para convencer o sempre desconfiado cidadão.

Seria apenas engraçado, se não fosse trágico. Mas o fato é que fake news não são inócuas. No Brasil, notícias de que a microcefalia era causada pela vacina tríplice viral causaram significativo declínio na cobertura contra sarampo, caxumba e rubéola no Nordeste.

Informações de caráter científico questionável culparam os larvicidas (importante linha de combate ao Aedes aegypti) pelas manifestações fetais do Zika Vírus e receberam a adesão apressada (e impensada) de diversos ambientalistas. Há diversos exemplos semelhantes em todo o mundo.

Em comum, esses rumores levam a uma desconfiança na ciência e nas medidas racionais de prevenção e controle de doenças. O movimento anti-vacinal é um dos mais ruidosos geradores de notícias falsas, prejudicando campanhas essenciais para prevenir moléstias graves e epidemias.

Precisamos de uma “vacina” contra as fake news. Para desenhá-la, há que se ter em mente que o distanciamento entre a população, as autoridades de saúde pública e os pesquisadores torna a coletividade vulnerável às redes sociais digitais, competentes vetores de informações inconsistentes.

Sociedades de especialistas, como a SPI, devem desempenhar importante papel de reaproximar as pessoas da ciência, divulgando informações de forma clara e orientando sobre a prevenção das doenças infecciosas.

* Carlos Magno Castelo Branco Fortaleza é membro da diretoria da Sociedade Paulista de Infectologia e Professor Adjunto - Departamento de Doenças Tropicais Faculdade de Medicina de Botucatu – Unesp.

Fonte: Medellín Comunicação



O bom senso na vida profissional

Aprender é um processo que nunca deveria se esgotar para nenhuma pessoa.


Lava Jato – Quem é o pai da criança?

Desde o início da operação Lava Jato, a população ficou estupefata com as revelações do emaranhado esquema de corrupção que assolava o país.


Engenharia e inovação, por que o setor está estagnado?

Uma reflexão que merece ser realizada é sobre quais os motivos que levam o setor de Engenharia e Construção a ser tão conservador.


Dicas para entregar seu projeto com melhor qualidade em menor tempo

Há uma infinidade de fatores que influenciam no sucesso (ou não) de um projeto.


Viver não custa…

Meses depois de ter casado, na Igreja, fui viver para andar de prédio, que ficava nos subúrbios da minha cidade.


Insetos na dieta

Aproximadamente dois bilhões de pessoas em 130 países já comem insetos regularmente.


Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.