Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Escrita e interpretação pela interatividade

Escrita e interpretação pela interatividade

12/03/2018 Pedro Panhoca da Silva

Ensino interativo definitivamente não é novidade.

Há décadas atrás, esses manuais interativos (hoje esquecidos) ajudavam seus leitores a entender e aprender alguns conteúdos com sua leitura não sequencial, normalmente aplicados a alunos autodidatas.

Tal dinâmica veio a inspirar os livros-jogos, RPGs que não precisam de grupos para serem jogados – somente leitor e livro -, muito populares nas décadas de 80 e 90 por aqui, que retornaram no início da década. Eis quatro manuais inspiradores da série TutorText: Doubleday Series que “emprestaram” sua estrutura para literaturas experimentais posteriores:

1) The Meaning of Modern Poetry (John Clark Pratt, 1962, n° 8 da série): Preparado pela Divisão de Ciências Educacionais das Indústrias dos Estados Unidos para aqueles que desejavam aprender sobre poesia moderna sozinhos. Possui suas deficiências, mas como um exercício para um leitor hábil, é enriquecedor.

Seu autor foi um capitão da Força Aérea. Em suas primeiras páginas, o leitor é rapidamente introduzido para conceitos como metáfora, símbolo, entre outros. Essas distinções terminológicas são então descartadas para o restante do livro, e passam a ser usados de maneira intercambiável.

2) Effective Writing (Jane Staple Ford & Kellog Smith, 1963, n° 16 da série): fornecia as regras teóricas e práticas para serem aplicadas se o leitor buscasse grande eficácia em seu(s) texto(s).

3) Understanding Shakespeare: Macbeth (Ruth Frieman, 1964, n° 24 da série): Um longo texto que fornecia comentários sobre o significado de palavras arcaicas, personagens simbólicos, situações e alusões obscuras, além de explorar o uso da poesia e o significado de várias metrificações empregadas pelo autor. Um apêndice resume a peça em forma de prosa e um posfácio discute a mecânica provável da encenação.

4) Business Letter Writing (James L. Slattery, 1965, n° 26 da série): Encorajava seu leitor a praticar um estilo caracterizado pelo uso de frases curtas e palavras cotidianas, além de desenvolver outras habilidades de escrita de cartas comerciais.

Com o grande advento tecnológico, tais ensinamentos poderiam facilmente serem transpostos para aplicativos ou programas de computador mais rápidos, o que aumentaria ainda mais a interatividade e a atratividade pelos novos “livros-tutores” virtuais.

* Pedro Panhoca da Silva é mestrando em Literatura do programa de Pós-Graduação em Letras da Unesp – câmpus de Assis.



Streaming é cultura; cultura é direito

Cultura acessível deveria ser uma premissa, e não uma luta.


E se julho fosse seu novo réveillon?

Assim como a virada do ano costuma ser uma época para refletir sobre o que você deseja alcançar no novo ano, que tal tentar o mês de julho para pensar no seu próximo semestre?


Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.