Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Esperando a auditoria

Esperando a auditoria

02/10/2013 Marcos Assi

Algumas empresas, sejam elas familiares ou não, financeiras ou não, ainda não entenderam ou não querem entender que a necessidade de profissionalização da gestão deve ser realizada o quanto antes, pois devemos obedecer e observar as regras e regulamentos que norteiam o negócio.

Sem contar os conflitos de interesses e ausência de segregação de funções. Quando alguém questiona, a resposta é sempre a mesma: “quando a auditoria vier a gente muda…”. Falar para este povo sobre controles internos e compliance, prevenção a lavagem de dinheiro, governança corporativa, governança de TI, segurança da Informação, continuidade de negócios, gestão de riscos, entre outros, a gente fala, e é verdade que muitas empresas levam isso a sério, mas têm algumas que fazem de conta que estão atuando e como os órgãos reguladores não têm equipe suficiente…

Então o que podemos fazer? Choque de gestão não funciona quando quem manda não quer realizar. Muitos fazem somente para mostrar para as auditorias e em curto prazo de tempo não conseguem ver tudo e precisam acreditar que estão seguindo a regra. Há empresas em que a auditoria interna fica subordinada à diretoria de controladoria, a segurança da informação responde à auditoria interna ou à área de TI, e assim por diante. Agora pergunto: isso estaria politicamente correto?

Não é suficiente criar uma área de compliance que possa suportar a administração e o negócio, com base na busca de alinhamento das regras externas (órgãos reguladores), da matriz e internas que são implementadas para gerar maior segurança na gestão. Publicar normas e procedimentos não significa que estejamos em conformidade, devemos ter evidências que as regras estão sendo cumpridas por todos na organização, principalmente pelos responsáveis pela gestão, sejam eles contratados ou “donos” do negócio.

Afinal, a não realização e cumprimento dessas normativas podem trazer prejuízos, suspensão de atividades, sanções, penalidades e denegrir a reputação e imagem de uma marca ou de uma empresa. Mas, normalmente, a alta administração trabalha com assuntos macro, com foco nas decisões, e não tem condições de perceber desvios, falhas ou erros gerenciais e os riscos operacionais.

Por isso devemos estar alinhados com os negócios e mais próximos da atividade, oferecer maior segurança para quem exerce as funções administrativas e para quem faz a gestão dos negócios, de riscos, segurança e governança da organização. Tenho convicção de que em breve todos entenderemos a necessidade de conhecer melhor o negócio e de perseguir o cumprimento das regras para segurança da empresa, dos funcionários, dos clientes, fornecedores e toda uma comunidade, que depende do bom funcionamento da organizações, com conduta profissional e ética acima da média existente atualmente.

*Marcos Assi é professor do MBA Gestão de Riscos e Compliance da Trevisan Escola de Negócios.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.