Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estabilidade emocional: o melhor presente para uma criança

Estabilidade emocional: o melhor presente para uma criança

14/12/2014 Heloísa Capelas

Está chegando o Natal e você está pensando qual o melhor presente para dar para seu filho?

Nada de errado em presentear as crianças com aquilo que elas desejam, mas já que estamos falando de uma época de reflexão sobre o que somos e o que queremos que nossos filhos sejam, aqui vai um presente precioso. Um estudo da LSE (London School of Economics) com mais de 9 mil crianças afirma que estabilidade emocional no lar tem mais influência na felicidade futura de crianças do que dinheiro ou, até mesmo, um bom desempenho acadêmico.

Os pesquisadores concluíram que a "saúde emocional" na infância é fator determinante. Nos muitos anos lidando com pessoas e estudando a inteligência comportamental, também defendo que muitas das características que apresentamos na fase adulta são definidas durante a infância e que os comportamentos que observamos daqueles que são próximos nessa fase é que refletirão nas nossas emoções futuras. A inteligência emocional é a mais vivida em toda a primeira infância, por volta dos sete anos.

Quando a criança nasce, ela é seu corpinho e todas as sensações dele. Em resumo, sobressaem suas partes física e emocional, já as outras inteligências estão lá, mas em latência. Essa afirmação é fundamentada no Processo Hoffman, no qual me tornei especialista. Criado por Bob Hoffman em 1967, o método consiste em uma teoria que considera a integração das inteligências humanas: intelectual, emocional, espiritual (ou intuitivo) e corporal (ou físico). Quase no mesmo período, o psiquiatra e psicoterapeuta Carl Gustav Jung, descreveu as quatro funções psicológicas humanas (pensamento, sentimento, sensação e intuição).

Mais tarde, por voltada da década de 1990, a inteligência emocional se tornou reconhecida como fator essencial da personalidade humana para as soluções de problemas do dia a dia. Em suma, o aprendizado na infância depende da nossa inteligência emocional e ocorre sempre por cópia e repetição. A criança nasce com toda a capacidade de sentir e vai desenvolvendo-a à medida que percebe como é que o outro vive. Como é que o outro expressa raiva? Tem abraço? Não tem abraço? Como é que a mãe fala? Alto, baixo, depressa...

Tudo isso a criança segue aprendendo a expressar, tendo como referencial o próprio corpinho. E nosso aprendizado, na infância, é sempre por cópia e repetição. E é esse aprendizado que absorvemos quando somos crianças que nos acompanha por toda a vida e, se não tivermos consciência dele, podemos reproduzir maus hábitos sem perceber. A maneira como expressamos a raiva, por exemplo, tem influência dessa fase. Por isso, antes de analisar o comportamento de seu filho e o que o faz feliz, reflita sobre o seu próprio comportamento e que exemplos está dando a ele.

*Heloísa Capelas é autora do livro recém-lançado, o Mapa da Felicidade (Editora Gente).



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.