Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Estado versus criminalidade

Estado versus criminalidade

08/11/2021 Bady Curi Neto

Todos acompanharam pela imprensa de todo o país a operação da Polícia Militar de Minas Gerais e Polícia Rodoviária Federal na cidade do interior de Minas Gerais, Varginha, no dia 31 de outubro, visando desmantelar uma perigosa quadrinha de criminosos de alta periculosidade, fortemente armados, voltadas para assalto a bancos.

A quadrilha, para realizar seus assaltos, utilizava-se de uma estratégia conhecida como o “novo cangaço”, que consiste em praticamente programar, de surpresa, uma invasão da cidade, utilizando armamentos pesados, explosivos, espalhando o terror e desnorteando moradores e autoridades policiais.

Recentemente, na cidade de Araçatuba, uma quadrilha de criminosos, invadiram aquela localidade, explodindo duas agências bancárias, dividindo as forças policiais e, por absurdo, usaram reféns como escudos humanos, alguns postos no teto e no capô dos veículos de fuga, uma verdadeira barbárie.

Em Minas Gerais, graças ao serviço de inteligência, em conjunto, da Polícia Militar e da Polícia Rodoviária Federal, a barbárie não ocorreu, eis que os criminosos foram surpreendidos pelas autoridades que anteciparam e fizeram cerco a bandidagem.

Ao perceberem a ação das polícias reagiram com intensas trocas de tiros, tendo o Estado saído exitoso e protegido a sociedade.

Na operação morreram 25 criminosos e foram apreendidos diversos explosivos, munições, armamentos pesados (metralhadoras, fuzis, metralhadora ponto 50, com poder de derrubar aeronaves), pregos retorcidos para impedir que veículos os perseguissem, além de diversos coletes a prova de bala, um verdadeiro arsenal de guerra.

Este noticiado, como dito no início desse artigo, foi amplamente divulgado, mas causa perplexidade algumas reações de seguimentos da sociedade questionando o trabalho das polícias que ao serem recebidos a tiros, utilizaram da força necessária para reprimir uma quadrilha, fortemente armada, de altíssima periculosidade.

O Conselho Estadual de Direitos Humanos enviou ofício ao Secretário de Estado, Justiça e Segurança Pública com questionamentos a respeito da atuação dos policiais, vez que morreram 25 criminosos.

Sua Excelência, Dr. Rogerio Greco, respondeu o ofício, explicando toda a operação realizada e questionando ao Conselho qual a atuação deste quando da morte de um policial, com tiro de fuzil, ao enfrentar uma quadrilha, que utilizava do mesmo modus operandi, no ano de 2017.

Diante da quadra de violência e de quadrilhas fortemente armadas, resta a pergunta a estes seguimentos da sociedade:

O que pretendem? Uma equiparação de forças entre o Estado e bandidos? Para cada bandido morto deve haver, também, um policial?

O Estado deve ser soberano. Se alguém reage, com tiros, à presença da polícia, deve ser reprimido com todas as forças disponíveis do Estado.

Não há que se falar em equiparação de forças, o que é e seria inadmissível é a morte de um policial, investido na autoridade do Estado para proteção da sociedade.

Não se está aqui defendendo abusos ou comemorando a morte de criminosos, mas separando o “Joio do Trigo”, comemorando a vida de inocentes e parabenizando o trabalho do Estado através de sua força policial.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre criminalidade clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



O efeito pandemia nas pessoas e nos ‘in-app games’

É fato que a Covid-19 balançou as estruturas de todo mundo, trazendo novos hábitos, novas formas de consumir conteúdo, fazer compras… E, claro, de se entreter.


A violência e o exemplo dos parlamentos

O péssimo exemplo que os políticos, em geral, dão nos parlamentos, insultando, ridicularizando os antagonistas, leva, por certo, a população a comportar-se de modo semelhante.


Brasileiro residente no exterior, por que fazer um planejamento previdenciário?

É muito comum no processo emigratório para o exterior ter empolgação e expectativas sobre tudo o que virá nessa nova fase da vida.


LGPD: é fundamental tratar do sincronismo de dados entre todas as aplicações

Se um cliente solicita alteração nos dados cadastrais ou pede a sua exclusão da base de dados que a empresa possui, o que fazer para garantir que isso ocorra em todos os sistemas e banco de dados que possuem os dados deste cliente ao mesmo tempo e com total segurança?


As gavetas que distorcem a vida política do país

Finalmente, está marcada para terça-feira (30/11), na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, a sabatina do jurista André Mendonça, indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a vaga decorrente da aposentadoria do ministro Marco Aurélio, no Supremo Tribunal Federal.


O novo normal e a justiça!

Não restam dúvidas que o avanço tecnológico veio para melhorar e facilitar a vida das pessoas.


Repousar de fadigas, livrar-se de preocupações

O dicionário diz que descansar é repousar de fadigas, livrar-se de preocupações.


O fim da violência contra a mulher é causa de direitos humanos

O dia 25 de novembro marca a data internacional da não-violência contra as mulheres.


A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.