Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Evoluímos muito em pouco tempo

Evoluímos muito em pouco tempo

13/06/2020 Bárbara Nogueira

O mundo se transformou em um curto espaço de tempo, especialmente devido à pandemia do novo Coronavírus, que afeta a todos globalmente.

Temos nos transformado a uma velocidade recorde, em meio a tantas mudanças, seja no âmbito profissional, seja pessoal. Isso nos faz refletir sobre nossa evolução e nossos aprendizados até aqui.

Em tão pouco tempo, as pessoas mudaram suas ações, forma de pensar, gastar e repensaram, inclusive, valores e crenças.

No que diz respeito ao trabalho, boa parte das empresas tem conseguido se reinventar de inúmeras formas e mudar o modus operandi, forçadamente ou não.

Algumas empresas, por exemplo, instituíram o antigo home office, algo que era um receio em muitos casos, tanto pelos entraves jurídicos governamentais para essa implementação, quanto pela postura de controle dos funcionários.

Com a pandemia, foi necessário realizar uma mudança cultural repentina, e a digitalização foi colocada em prática nas empresas, sem pedir licença.

Aquelas que não estavam preparadas tiveram que sair da “zona de conforto” e se reinventar rapidamente, uma vez que era a única forma possível para manter as entregas aos seus clientes.

O trabalho remoto, via plataformas digitais, naturalmente reforçou a parceria e o comprometimento dos profissionais na grande maioria dos casos.

A forma de liderar as equipes também foi alterada, exigindo novas competências e habilidades ainda mais fortalecidas.

Em muitos momentos, foi importante ter mais agilidade nas decisões, confiança e menos burocracias. Além disso, a maneira de comunicar foi otimizada e se tornou mais assertiva e objetiva.

Até mesmo a estruturação do plano estratégico de curto, médio e longo prazos ganhou força dentro das organizações, assim como as práticas voltadas para a responsabilidade social.

De outro lado, a vida pessoal foi “virada de cabeça para baixo”. Mas algumas mudanças relacionadas ao período de isolamento social tendem a permanecer, como as transformações na forma de conviver em sociedade, de consumir, o cuidado com o próximo, o verdadeiro valor do abraço, do beijo e das relações presenciais com as pessoas que amamos.

Como seres humanos, “abrimos nossa mente” e ampliamos nosso nível de consciência sobre questões mais profundas: sustentabilidade, minimalismo, coletivo, solidariedade e empatia.

Com a crise, ainda foi possível desenvolver novas habilidades relativas à inteligência emocional, gestão do tempo e da rotina, foco, feedbacks e gestão remota, dentre outras. Esse é um processo de evolução contínua e é fundamental usá-lo a nosso favor.

No que tange à tecnologia, mais do que nunca as pessoas e organizações devem se apropriar positivamente do digital, das plataformas e ferramentas online para ampliar os negócios, gerar relações, construir novos mercados, elaborar treinamentos, inovar e buscar estar à frente das tendências.

A educação à distância é outro ponto que ganhou um destaque jamais visto, quebrando outro pré-conceito cultural.

Enfim, o ser humano tem uma capacidade tão grande de se transformar e se movimentar em busca de evolução, que é essencial usar esse período de desafios para se fortalecer e continuar crescendo.

A adaptação já é uma das competências mais exigidas de agora em diante. Vale ressaltar que a mudança deve ser de dentro para fora.

As empresas e pessoas que estão preparadas para essa realidade conseguem utilizar esse período para se desenvolver e avançar os negócios.

* Bárbara Nogueira é diretora, board advisor e headhunter da Prime Talent, empresa de busca e seleção de executivos, com escritórios em São Paulo e Belo Horizonte.

Fonte: Link Comunicação



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.