Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Existe um modo latino-americano de administrar?

Existe um modo latino-americano de administrar?

19/12/2008 Divulgação

Reconhecidamente, a teoria, ou pelo menos a prática, da Administração, tem origem nos países anglo-saxões e é adotada, de forma bastante acrítica, na maioria dos demais países.

Evidência clara disso é a quantidade de palavras em inglês que permeiam (seria mais correto dizer infestam?) o jargão do campo: management, marketing, downsizing, empowerment, outsourcing e offshoring são alguns dos termos para os quais inclusive já deixamos de procurar alternativas no idioma pátrio e, mesmo o Word, da Microsoft, não os identifica como anglicismos. Evidentemente, a gravidade da questão não está no eventual desrespeito à língua pátria que, ademais, vai continuar a se renovar pela incorporação de termos de diferentes origens, mesmo na hipótese bem pouco provável de banirmos o conhecimento de gestão dentre aqueles que valorizamos e estudamos.

O problema está no fato de que as condições vigentes nos Estados Unidos e na Europa serem tão diferentes das nossas, em tantas dimensões críticas para a gestão das organizações e tão evidentes em si mesmas, que é quase ocioso relembrá-las:

* as condições materiais, incomparavelmente mais tranqüilas e confortáveis lá do que cá, e menos sujeitas a incertezas, mesmo em épocas de crises agudas como estas que estamos vivendo;

* a cultura nacional latino-americana, inegavelmente mais orientada para o relacionamento entre as pessoas do que no mundo anglo-saxão, mais para a improvisação e a condescendência com aqueles que detêm o poder, para o jeitinho e o coletivo abaixo do Equador do que acima, a ponto do poeta ter dito que por aqui não existem pecados;
* a forma mesmo das nossas organizações se inserirem no maravilhoso concerto das corporações e concorrência internacionais, mais como filiais que sofrem as conseqüências das decisões tomadas na matriz e menos como sujeitos dos seus próprios destinos, como late comers (entrantes atrasados), que sofrem de liability of origin (vulnerabilidade pela origem) quando investem no exterior, como exportadores de commodities agrícolas e não de bens e serviços diferenciados;

* as instituições que moldam o ambiente econômico introduzem custos de transação desconhecidos no hemisfério norte e tornam nosso direito de propriedade menos claro e insofismável, além de lento e caro (vou me abster de mencionar a corrupção, a sonegação e o peso dos impostos sobre a produção e o consumo);

Na presença de tantas condições que tornam, se não específicas da America Latina, diferentes das norte-americanas, é de se esperar que um vasto acervo de teorias e práticas tenha se desenvolvido e se difundido em plagas latinas. Afinal, os cursos de pós-graduação estão cheios de doutores que surgem e se multiplicam, as estantes das livrarias oferecem cada vez mais títulos, os seminários e congressos se sofisticam a cada ano. O Japão, de população do tamanho de metade da nossa, já gerou seu estilo; a Alemanha e a França, por sua vez, não emprestam ao conhecimento sobre organizações o mesmo status que nós. Somos um dos BRICs, o futuro nos pertence e nossa cultura, talvez não tão orientada para resultados e performance, tende a gerar menos conflitos exacerbados e sangrentos, vantagem que, pelo menos, contrabalança a teórica perda de eficiência que ela nos impõe.

Em face disso, não teria surgido, ou pelo menos já se configurado, um estilo latino- americano de gerenciar, adaptado às condições, ao portunhol e ao clima, no sentido amplo, que impera ao sul do Rio Grande? Se sim, quais são os contornos dessa ciência/prática que se estabelece entre nós? Em que ela difere do management que conhecemos? Se não, quais as conseqüências da sua falta e quais são as condições de que ainda nos ressentimos para que ela surja? Reconhecer e lapidar a maneira latina de administrar é uma forma de buscar espaços mais nobres na divisão internacional do trabalho que, como sabemos, historicamente, não nos favorece.

*Ilan Avrichir é professor do Núcleo de Estudos em Gestão Internacional da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM).



Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.


Imunização pode garantir o retorno das gestantes ao trabalho

Recentemente, a Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 2.058/21, que visa autorizar o retorno de gestantes ao trabalho presencial após imunização completa contra a Covid-19.


Selic mais alta não intimida mercado imobiliário

O setor imobiliário brasileiro surpreendeu os especialistas mais experientes e, durante a pandemia, foi um dos agentes responsáveis por manter a economia brasileira aquecida.


Vai sair do papel? Reforma Tributária deve ter votação rápida

Estamos a um ano das eleições nacionais. Isso pode soar como pouco tempo, mas, considerando o panorama político, é sensato dizer que ainda não aconteceu nada em termos de definições partidárias.


Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.