Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Facebook desperta críticas com ferramenta de reconhecimento

Facebook desperta críticas com ferramenta de reconhecimento

12/06/2011 Deutsche Welle

Defensores da política de privacidade reclamam que a ferramenta é habilitada sem o consentimento do usuário. Função auxilia na marcação de pessoas em fotos, identificando-as automaticamente.

A maior rede social do mundo, o Facebook, despertou mais uma vez preocupações para a privacidade dos seus usuários após uma ferramenta de reconhecimento facial ter sido habilitada esta semana em vários países.

A ferramenta usa tecnologia de reconhecimento facial e compara fotos novas com outras já armazenadas nos servidores do Facebook, sugerindo ao usuário os nomes de pessoas que aparecem nas fotos para facilitar a marcação (tagging).
Lançada nos Estados Unidos em dezembro, a ferramenta voltou a ser foco de atenção esta semana, após ser ativada em vários países, inclusive no Brasil. A principal reclamação é que a opção de reconhecimento fácil foi ativada automaticamente, sem que os usuários fossem comunicados.
"Mais uma vez, parece que o Facebook está corroendo em segredo a privacidade dos usuários", escreveu Graham Cluley, consultor da empresa de segurança Sophos, numa entrada de blog esta semana.
O Facebook defendeu a ferramenta, afirmando que os usuários podem desabilitá-la, apesar de essa tarefa requerer a navegação por diversos submenus. "Se, por algum motivo, alguém não quer que seu nome seja sugerido, poderá desabilitar a função nas suas configurações de privacidade", declarou um porta-voz do Facebook à agência de notícias AFP. "Deveríamos ter sido mais transparentes com as pessoas durante o processo de lançamento", admitiu o porta-voz.
UE vai investigar
Na Alemanha, defensores do direito à privacidade criticaram a nova ferramenta, bem como o processo de lançamento. A disponibilização de informações na internet é um tema sensível no país, em parte por causa das más lembranças deixadas pelos nazistas e pela polícia secreta da Alemanha Oriental.
"Não creio que a atitude do Facebook seja condizente com as leis europeias e alemãs de proteção de dados", afirmou Peter Schaar, encarregado de proteção de dados do governo alemão, à Deutsche Welle.
A União Europeia anunciou que iniciará uma investigação da nova ferramenta. Autoridades de proteção de dados e privacidade dos 27 países-membros vão avaliar se houve violação das regras europeias, afirmou o luxemburguês Gerard Lommel, membro do Grupo de Trabalho em Proteção de Dados do Artigo 29, que atua junto a as autoridades europeias e faz recomendações sobre questões de privacidade. O grupo já criticou o Facebook em outras oportunidades.   Também as autoridades do Reino Unido e da Irlanda disseram que estão investigando a função de reconhecimento facial em fotos.
Interesses comerciais
Enquanto o Facebook sustenta que a ferramenta facilita o trabalho de pessoas que colocam muitas fotos na rede e querem marcar todos os amigos que ali aparecem, críticos afirmam que há interesses comerciais envolvidos.
Segundo eles, os dados fornecidos pela ferramenta podem também ser utilizados por empresas para tornar mais precisa a propaganda direcionada, aquela que se baseia nos gostos e interesses do usuário e nos seus hábitos de navegação.
Outros afirmam que uma foto tirada em local público pode ser colocada no Facebook e, com o uso da ferramenta, desconhecidos poderiam ser facilmente identificados. No momento, porém, o reconhecimento facial é limitado aos amigos do usuário no Facebook.
Justin Mitchell, um engenheiro do Facebook, escreveu no blog da empresa que o site criou a ferramenta para atender aos usuários que querem marcar todos os amigos que aparecem nas fotos. Essa tarefa, diz ele, se torna fequentemente maçante, principalmente quando a mesma pessoa aparece em várias fotos.
Para desabilitar a função de reconhecimento facial, é necessário escolher o menu “Conta”. Depois, deve-se clicar em "Configurações de Privacidade" e depois em "Personalizar configurações". No bloco "Itens que outros compartilham" deve-se desativar a opção "Sugerir fotos minhas a amigos".



A Cartilha de Padre Inácio

Contava meu pai, que sua avó, que não cheguei a conhecer, dizia a cada passo: “Isso estou farta de saber! Já vem na Cartilha do Padre Inácio! …”


Os candidatos avulsos e os partidos

Por iniciativa do ministro Luiz Roberto Barroso, o STF (Supremo Tribunal Federal) abre a discussão sobre a as candidaturas avulsas, onde os pretendentes a cargo eletivo não têm filiação partidária.


Os desafios de tornar a tecnologia acessível à população

Vivemos uma realidade em que os avanços tecnológicos passaram a pautar nosso comportamento e nossa sociedade.


O uso do celular, até para telefonar

Setenta e sete por cento dos brasileiros utilizam o smartphone para pagar contas, transferir dinheiro e outros serviços bancários.


Canto para uma cidade surda

O Minas Tênis Clube deu ao Pacífico Mascarenhas o que a cidade de Belo Horizonte deve ao Clube da Esquina; um cantinho construído pelo respeito, gratidão, admiração, reconhecimento, apreço e amor.


Como acaso tornou famoso notável compositor

Antes de alcançar a celebridade, e a enorme fortuna, Verdi, passou muitas dificuldades financeiras.


Gugu e a fragilidade da vida

A sabedoria aconselha foco no equilíbrio emocional e espiritual diante da fragilidade e fugacidade da vida.


Quando o muro caiu

O Brasil se preparava para o segundo turno das eleições presidenciais, entre o metalúrgico socialista Luís Inácio Lula da Silva e a incógnita liberal salvacionista Fernando Collor de Melo, quando a televisão anunciou a queda do muro de Berlim.


Identidade pessoal e identidade familiar

Cada família gesta a sua identidade, ainda que algumas vezes, de forma inconsciente.


Desprezo e ingratidão

Não sei o que dói mais: se a ingratidão se o desprezo.


A classe esquecida pelo governo

O fato é que a classe média acaba por ser a classe esquecida pelo governo.


O STF em defesa de quem?

A UIF, antigo COAF, foi criada como uma unidade do Ministério da Justiça (hoje, no BACEN) para fazer uma coisa muito simples: receber dos bancos notificações de que alguém teria realizado uma transação suspeita, anormal.