Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Facebook é a nossa cara

Facebook é a nossa cara

08/07/2016 Pedro Cardoso da Costa

Hoje é difícil ter alguém que não utilize redes sociais.

Facebook é a nossa cara

São citadas em abstrato, mas o Facebook tem um alcance bem maior do que todas as demais. Apesar de quase a unanimidade de a sociedade estar nela, muitos a criticam, sob o argumento da simplicidade e até certo provincianismo.

Não é correta a teoria de que alguém fique desautorizado de fazer observações e críticas por estar ou pertencer a algo. No caso do Facebook algumas críticas são válidas, outras são dissimulações de quem está na rede, mas que aquilo aquém do “seu nível”. Não se apercebe de que não foi forçado a se cadastrar, criar um perfil.

Existem outros que reclamam permanentemente da invasão de privacidade. Estes não sabem nem qual foi a abrangência que estabeleceu para o seu perfil. Não se dá conta de que só pode interagir no seu perfil quem e quanto está autorizado a fazer isso pela própria pessoa.

Destaque maior têm aqueles que reclamam de ter muitos amigos que não interagem, não curtem o que postou e até excluem os amigos em excesso. Tudo gente muito displicente. Só existem amigos convidados ou aceitos pelos reclamões.

Muitos reclamam daqueles que postam “bobagens”, fotos de tudo quanto é coisa ou momento. São contra quem só posta fotos de pratos sofisticados, ou da única visita que fez a um restaurante. Mas se encontrar várias fotos de situações complicadas também o chamará de pessimista e querer colocar todo mundo para baixo.

Mas as críticas mais veementes são contra as demonstrações de intelectualidade. Ninguém fica isento totalmente de fazer ou de ser vítimas de alguma dessas manifestações. Talvez não seja uma das melhores demonstrações de erudição, principalmente quando o texto sai incompleto ou escrito com erros gramaticais, como se fosse de autoria própria, sem menção à fonte. Mas isso é positivo, ainda que seja apenas para expor no face, a pessoa se atentou a alguma frase, livro ou outro meio que não teria atentado antes. Fica até engraçado, quando no início do dia ou no fechamento da semana, a pessoa cita um trecho de domínio público e fecha com um “bom dia”, ou “boa semana”, como se desse um “tenho dito” como ultimato.

Alguns são contrários aos que querem ditar as normas, de se acharem importantes em razão do eles escrevem ou defendem. As indiretas, os recados, e até ameaças são também frequentes. Mas isso não é diferente do mundo real, aqui no dia a dia.

Hoje, ricos, famosos, pobres e anônimos participam igualmente das redes sociais. E refletem exatamente como é a sociedade. Nada, nem ninguém agrada a todos. Mas o bom é a participação, a interação, a contradição para a evolução de todos. Mas é preciso entender que só está lá quem quer, só escreve no seu perfil quem você permitiu, e que amigos do Facebook podem se transformar em amigos reais. Cada amigo ali participa na proporção de sua afinidade e todos têm a sua importância. Mesmo aquele que escreve “engrassado”, para “sima” ou para “baicho” e, corretamente, se regozija de ser pós-graduado nalguma área da educação.

* Pedro Cardoso da Costa – Bacharel em Direito



Eleições para vereadores merecem mais atenção

Em anos de eleições municipais, como é o caso de 2024, os cidadãos brasileiros vão às urnas para escolher prefeito, vice-prefeito e vereadores.

Autor: Wilson Pedroso


Para escolher o melhor

Tomar boas decisões em um mundo veloz e competitivo como o de hoje é uma necessidade inegável.

Autor: Janguiê Diniz


A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso