Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Falsos profetas da renda variável

Falsos profetas da renda variável

29/10/2020 Eduarda Fabris

Os juros sempre foram altos no Brasil.

Mas, a partir do plano real, em 2004, eles serviram para conter a inflação e atrair capital externo, necessários para a criação da moeda forte. Em vários momentos, o país teve das maiores taxas do mundo.

Daí surge o hábito, ainda arraigado em muitos investidores de aplicar em renda fixa – bastante rentável quando a Selic está elevada – e com baixíssimo risco, por estar vinculada, principalmente, a títulos públicos.

Da redução ininterrupta iniciada em novembro de 2016, chegou-se à inédita taxa atual, de 2% ao ano, que retira atrativos da renda fixa.

Juros baixos favorecem a economia real, ao estimularem a tomada de crédito, o que eleva o consumo, viabiliza investimentos e gera empregos.

Principal termômetro desse segmento, a bolsa sempre reage com valorização a cada corte da Selic. A taxa atual possibilita que, mesmo em meio à pandemia, a bolsa siga, quando não em alta, ao menos resiliente e atraindo investidores.

Esse público que ingressa hoje no mercado é formado principalmente por pessoas físicas, em geral, pequenos investidores. Conforme a B3, no final de agosto, havia 3 milhões de CPFs cadastrados, recorde histórico.

Diferentemente da renda fixa, que oferece alto grau de previsibilidade e segurança, o mercado acionário implica em riscos.

Pode proporcionar grandes ganhos, assim como grandes perdas e está sujeito a eventos desde as eleições nos Estados Unidos aos gastos do governo brasileiro e tudo que vem antes e depois.

Espera-se que estes investidores saibam aonde ingressam. Caso contrário, perderão dinheiro, enquanto que as empresas que estão na bolsa para se capitalizarem, ficarão sem, em breve e de forma duradoura, os aportes deste público. Parece não ser o que acontece.

Tradicionalmente, o investimento em ações era tido como algo de longo prazo. No entanto, muitos desses novos investidores em bolsa operam na compra e venda diária de ações, o chamado day trade, atividade antes restrita a profissionais com anos de mercado.

Não surpreende, então, o estudo dos professores Fernando Chague, Rodrigo De-Lossa e Bruno Giovannetti (EESP/FGV, FEA/USP, EESP/FGV, respectivamente), segundo o qual 97% dos investidores do mini-ibovespa e mini-dólar que operaram por mais de 300 pregões perderam dinheiro.

Além da Selic em 2%, outro fenômeno, o dos digital influencers – youtubers, principalmente – têm levado iniciantes a um mercado para iniciados.

Muitos desses influenciadores que dão dicas sobre no que investir dispõem de milhões de seguidores, mesmo quando não têm preparo para prestar tal orientação.

O fator principal demonstrado nestes casos são os “ganhos rápidos”, sem que nunca se demonstre os riscos inerentes às operações.

Ações são uma opção, mas não podem ser a única. A necessária diversificação é ignorada por boa parte dos novatos. Neste sentido, há ativos que estão expostos a um número menor de variáveis.

Um exemplo é o setor imobiliário, que tem sua atividade intrinsecamente vinculada à taxa de juros e que, mesmo na pandemia, registra recuperação.

Se fundos imobiliários registram perdas hoje, há novas opções como o crowdfunding imobiliário, que permite aplicações a partir de R$ 1 mil em projetos que o investidor escolhe, tendo a remuneração de seus aportes vinculada ao desempenho das vendas dos empreendimentos em que aplicou.

Nas operações já concluídas no Brasil, a modalidade proporcionou uma rentabilidade média de 14,5% ao ano.

Além de diversificar seus aportes, o investidor iniciante deve observar de onde partem as orientações antes de segui-las, a fim de, se não eliminar, ao menos reduzir os riscos a que se expõe na busca por rentabilidade.

* Eduarda Fabris é diretora-executiva da Urbe.me.

Fonte: Expansive Comunicações Diversas



Startups ampliam o mercado de trabalho jurídico

Segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), temos atualmente no Brasil 12.700 dessas empresas, número 20 vezes superior se compararmos com 2011, quando eram contabilizadas 600.


Aprendizados durante a pandemia e a importância da inovação para o mercado

O momento atual tem sido de muito aprendizado para todos.


Eca 30 anos: o que mudou nas nossas vidas?

No bojo da redemocratização do país nas décadas de 1980, 1990, muitas mudanças ocorreram para a melhoria da sociedade que vivemos.


Como músico, advogado e padre, saíram de boa

Quando, em 1945, os americanos ocuparam Garmish, um jeep, cheio de soldados, estacionou, à porta da casa de Richard Strauss.


Queremos mesmo extinguir o dinheiro?

Com o aumento do uso de meios de pagamentos digitais, não raras vezes se ouve no debate público a afirmação de que, no futuro, o ideal seria extinguir o dinheiro em espécie.


Assalto a banco, prisão perpétua e pena de morte

O país volta a ser sacudido pelos ataques de grupos armados a agências bancárias, transportadoras de valores, carros-fortes e outros lugares onde são armazenadas elevadas somas em dinheiro.


Empresas existem para cuidar das suas comunidades

Certa vez, me pediram para dar aula de Teoria Geral da Administração para uma turma de 1º ano de graduação.


Como fazer o planejamento financeiro pós-pandemia e para 2021

O planejamento financeiro tornou-se fundamental no mundo pós-pandemia.


Pandemia, juros baixos e a retomada do setor imobiliário

Assim como em outros setores, entre a segunda quinzena de março e o fim de maio, ocorreu um bloqueio total do mercado imobiliário por conta do desconhecimento da pandemia.


Feliz Dia do Síndico

Em comemoração ao Dia do Síndico, este artigo de opinião procura estimular uma profunda reflexão sobre o verdadeiro papel do síndico e do próprio comportamento na figura do representante do condomínio junto à sociedade.


A saúde mental dos seus colaboradores pede atenção

O ano de 2020 foi muito conturbado, com diversos acontecimentos.


A diferença entre o artista e o empresário

Em primeiro lugar, deixe-me esclarecer: quando se fala em artista no mundo dos negócios, se fala no profissional ou técnico que tem determinado conhecimento específico ou habilidade.