Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Falta de médicos… razões e soluções

Falta de médicos… razões e soluções

05/12/2008 Dirceu Cardoso Gonçalves

Recente pesquisa, da Universidade Federal de Minas Gerais, revela a inexistência de médico em 455 municípios brasileiros, e ainda que na maioria das localidades há falta de especialistas.

Mesmo com 1,15 médico por grupo de mil habitantes, número superior ao preconizado pela OMS (Organização Mundial de Saúde), que estabelece um profissional por mil, o Brasil os possui mal distribuídos e localizados preferencialmente nos grandes centros urbanos. É uma das razões do mau atendimento de saúde à população. Desde sua criação, os principais cursos universitários brasileiros são mantidos com verba pública. Depois é que vieram, supletivamente, as instituições particulares, que ministram o ensino em troca de anuidades. Na maioria dos casos, a universidade pública é mantida como importante centro estratégico voltado para suprir o país dos profissionais de cada área.

As oportunidades de preparação para os vestibulares e de manutenção do aluno fora da localidade onde moram seus pais, fazem com que as vagas nas escolas públicas, especialmente as mais afamadas, sejam ocupadas pelos filhos das famílias com mais recursos, chegando a criar um paradoxo onde o ensino público, gratuito e de boa qualidade acaba beneficiando aqueles que poderiam pagar pela própria formação, enquanto o pobre é obrigado a pagar o ensino particular. Para diminuir um pouco essa injustiça social, foram criadas as bolsas de estudo, onde o governo paga as anuidades dos alunos nas escolas particulares.

A questão da gratuidade das escolas públicas causa os mais acalorados debates e sugestões descabidas do tipo “quem pode tem de pagar”. Mais importante que discutir se o aluno pode ou não pagar pela formação é cuidar da criteriosa distribuição dos profissionais pelo mercado. No caso específico dos médicos e outros agentes de saúde, a solução imediata para a escassez registrada no interior é o estabelecimento do serviço obrigatório ao recém-formado, como contrapartida dos benefícios da verba pública aplicada. Todos os novos médicos, dentistas, enfermeiros e assemelhados, formados pelas escolas públicas ou com bolsa, deveriam ter o compromisso, assumido logo ao entrar para o curso, de prestar pelo menos dois anos de serviços naqueles municípios onde há falta de profissionais, recebendo os salários pagos pela administração pública.

Com a localização compulsória dos recém-formados, muitos médicos e profissionais que, em razão da maior oferta de mão-de-obra, hoje reclamam de baixos salários e dupla jornada nas capitais e grandes centros, encontrariam nessas pequenas localidades o seu próprio destino. Da mesma forma que fizeram os jovens doutores de décadas atrás, que se embrenharam interior afora e ajudaram a construir cidades e, além da profissão, tornaram-se valorosos cidadãos nas respectivas comunidades. É preciso voltar à visão integracionista do Marechal Rondon, de que as oportunidades não se encontram apenas no asfalto das metrópoles. O país tem de ser encarado por inteiro. Os recursos e seus resultados devem chegar a toda parte...

*Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves – diretor da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo)



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?