Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fé e tradições populares da Sexta-feira Santa

Fé e tradições populares da Sexta-feira Santa

10/04/2020 José Expedito da Silva

As celebrações da Semana Santa são universais e, na liturgia da Igreja Católica, constituem um tempo forte de manifestações de profunda fé.

Esse tempo também é riquíssimo em tradições populares, com particularidades regionais por todo o Brasil.

Da minha infância no sítio “Pé da Serra”, município de Capitólio (MG), trago diversas lembranças marcantes desse tempo litúrgico.

Como a maioria das pessoas que moravam na zona rural por volta do ano de 1960, minha mãe e meu pai viviam e transmitiam para os filhos uma religiosidade mais voltada para as tradições, por conta da dificuldade de locomoção para as celebrações na cidade.

Lembro-me que a “Sexta-feira da Paixão” era o ponto alto da Semana Santa. Dia de jejum, silêncio, oração e muito respeito, sem espaço até para as mais inocentes brincadeiras de crianças.

Ninguém podia trabalhar e, por isso, desde as primeiras horas, notava-se que era um dia diferente. Os bezerros não estavam apartados das vacas e podiam mamar todo o leite; não  tomávamos o café da manhã, o almoço era mais leve, sem carne, e todos deviam comer com moderação. Era dia de jejum e somente as crianças abaixo de sete anos estavam liberadas.

Para garantir o silêncio e recolhimento, meu pai tirava as pilhas do rádio – único meio de comunicação que tínhamos –, e as cordas do violão e do cavaquinho.

Se alguém fosse surpreendido cantarolando, sorrindo ou falando alto, bastava um olhar do pai ou da mãe, para se recompor.

Lembro-me que certo dia desses, estava brincando no quintal com um carrinho e minha mãe me repreendeu, dizendo que “ferir a terra era ferir o próprio Cristo”.

Ela explicou que nem varria o chão porque na sexta-feira santa, a terra abrigava o corpo de Jesus, que morreu Crucificado. Fiquei constrangido, mas logo ela me disse com um afago materno: “você é inocente, meu filho!”

Com o passar do tempo, em minha família, essas tradições foram dando lugar à conscientização e a uma religiosidade mais esclarecida pela catequese.

Passamos a compreender as riquezas do Tempo Pascal e a valorizar a celebração da ressurreição de Jesus, com fé, esperança e amor.

Aí os bezerros já não tinham mais todo o leite, porque a metade era retirada para doar aos pobres da cidade, que faziam uma caminhada de seis quilômetros para garantir o alimento no sítio do meu pai. As músicas religiosas ganharam espaço e brincadeiras moderadas passaram a ser permitidas, sem perder o clima de recolhimento e oração.

Aos poucos, fomos nos adaptando ao que a Igreja prega: que essas práticas tradicionais nos conduzam à verdadeira liturgia, centrada no Tríduo Pascal, que faz memória da Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo.

* José Expedito da Silva é jornalista e apresentador do Jornal Café da Manhã, pela Rádio Canção Nova.

Fonte: Assessoria de Imprensa Canção Nova



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa