Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Felicidade e perdas

Felicidade e perdas

16/02/2015 Dominique Magalhães

É comum procurarmos motivos capazes de justificar ou descrever nossa felicidade. Acreditamos que seremos realizados quando tivermos um carro novo, uma promoção no trabalho, um novo corte de cabelo, cinco quilos a menos, um belo guarda-roupa ou aquele amor considerado "perfeito".

Mas, até que ponto essas coisas são realmente necessárias para nos fazerem sorrir? E por quanto tempo? Apostamos todas as nossas fichas em algumas destas sentenças e é aí que colocamos tudo a perder. A felicidade não é plena, constante, imutável. Ouvia sempre um "chavão" no colégio quando o assunto era desilusão com garotos: "Se ama alguém, deixe-o livre. Se voltar é porque sempre foi seu". Nunca entendi muito bem, pois sempre considerei a liberdade como direito natural.

Para algumas pessoas, o parceiro é livre enquanto "seu", dentro do "seu" espaço, agindo de acordo com "seus" pensamentos. De cada relação, procure ver o que lhe agrada e o que não cabe em sua vida. Relacionamento, seja de amor ou de amizade, também é aprendizado. Não podemos nos julgar donos dos outros. Somos todos pássaros, de passagem... Recentemente, uma amiga muito especial foi ceifada por um amor passional. Por não querer mais viver num relacionamento conturbado, teve sua vontade calada por uma arma branca. Muito triste.

E como podemos impedir que isso aconteça? Tirar a vida de alguém é inadmissível. É preciso saber aceitar um "não", é preciso respeitar a vontade do outro e é preciso saber lidar com as perdas lucidamente. Ser feliz não seria entender a real importância das pessoas? Sentimentos e a compreensão do tamanho das coisas? Se não sabemos quem somos, nunca entenderemos a felicidade.

Se não identificarmos a música que nos emociona, a pintura que nos fala, o sabor que nos agrada, não nos reconheceremos. Sem identificar nossos próprios sentimentos, habilidades e gostos, estaremos vazios e também não enxergaremos o outro. Se eu me conheço, me reconheço no próximo. Todo relacionamento, seja ele amoroso ou de amizade tem sua razão de existir e seu próprio tempo.

É preciso aceitar isso. A honestidade é a solução para que tudo funcione. Olhe nos olhos, seja gentil e procure usar suas melhores palavras, assim como gostaria que fizessem com você. Entenda que para conquistar a felicidade, também é preciso saber perder. Quem sabe perder, ganha o jogo.

*Dominique Magalhães, empresária com forte foco no social.



Mudança de regras nas eleições

A capacidade de expor ideias vai decidir as eleições de 2020.


Lucro do carnaval vale mais que a saúde dos brasileiros?

Parece-nos uma grave insensatez de nossas autoridades governamentais em permitirem a realização dos festejos carnavalescos no país em meio à epidemia do coronavírus.


O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.