Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Finanças: entenda quando o barato sai caro

Finanças: entenda quando o barato sai caro

24/11/2016 Dora Ramos

Com a proximidade da Black Friday, podemos falar sobre quanto o brasileiro gosta de liquidação.

Em 2015, a famosa campanha de vendas faturou R$ 1,6 bilhão somente via e-commerce no país, montante que revela que muitas pessoas aguardam o ano todo para adquirir produtos no mês de novembro, quando os valores são mais baixos por conta da megapromoção.

Independentemente do período do ano, é importante saber que nem todo produto ou serviço com preço mais atrativo vale a pena, pois, muitas vezes, a qualidade pode ser menor, o risco pode ser maior e a probabilidade de ter que repetir a compra em um curto período de tempo é muito grande, gerando então gastos inesperados que prejudicam o orçamento e o planejamento financeiro.

Para esclarecer, separei quatro situações em que o barato pode sair caro. Confira:

Utilizar rastreador em vez de seguro de carro

Muitas pessoas optam pelo rastreador quando o assunto é proteger o carro. A opção é bem mais barata que o seguro convencional, no entanto, pode custar muito mais caro caso o veículo seja roubado e não recuperado. Além disso, o rastreador não tem a finalidade de cobrir acidentes, por isso é uma alternativa incompleta no quesito proteção.

Não ter plano de saúde

Alguns problemas de saúde podem ser evitados, mas outros apenas surgem quando menos se espera. Por isso, é tão importante investir em um plano de saúde, afinal custos com internação e remédios são muito altos e podem causar um rombo no orçamento caso não exista uma reserva destinada a emergências.

Comprar roupas e sapatos em promoção

Ainda que os olhos brilhem quando uma roupa ou um sapato está em promoção, não é indicado adquirir um produto somente motivado pelo preço. Geralmente, esse é o tipo de compra que fica “encostada” e sem uso. Ou seja, é apenas perda de dinheiro.

Importar produtos

Existem vários sites internacionais que vendem desde roupas até eletrônicos com um preço muito acessível. Não à toa, a quantidade de compradores brasileiros nesse tipo de comércio passou de 38% em 2014 para 54% no ano seguinte.

Apesar de valer a pena em alguns casos, é preciso atenção ao comprar no e-commerce estrangeiro, pois, se o produto for taxado na alfândega, o custo total pode até ultrapassar o valor que pagaria no Brasil. Outro risco, no caso de roupas e sapatos, é de não servir ou chegar com pequenos defeitos.

* Dora Ramos é educadora financeira e diretora responsável pela Fharos Contabilidade & Gestão Empresarial.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.