Portal O Debate
Grupo WhatsApp

FIP-IE: excelentes oportunidades de ganhos

FIP-IE: excelentes oportunidades de ganhos

24/03/2021 Carlos Lopes

Fundos de Investimentos em Participações (FIP) é uma modalidade relativamente nova no mercado de capitais brasileiro.

Trata-se de uma comunhão de recursos destinados à aplicação em companhias abertas, fechadas ou sociedades limitadas em fase de desenvolvimento.

Já os Fundos de Investimentos em Participações em Infraestrutura (FIP-IE) são constituídos sob a forma de condomínio fechado, cujo objetivo e política de investimento residem na aquisição e manutenção de, no mínimo, 90% de seus respectivos patrimônios líquidos investidos em ações, bônus de subscrição, debêntures, conversíveis ou não em ações, ou outros títulos de emissão de sociedades anônimas, de capital aberto ou fechado, desde que permitidos pela Instrução CVM 578, que desenvolvam novos projetos de infraestrutura no território nacional, nos setores de energia, transporte, água e saneamento básico, irrigação e outras áreas tidas como prioritárias pelo Poder Executivo Federal.

A grosso modo, historicamente, o Brasil enfrentou quatro grandes gargalos ao seu processo de desenvolvimento econômico e social.

O primeiro deles diz respeito ao período que se estende desde o descobrimento em 1500, até a chegada da família real em 1808.

Trezentos e oito anos nos quais Portugal literalmente proibiu qualquer iniciativa de industrialização brasileira, numa política mercantilista de exploração.

O tamanho do retrocesso pode ser medido pelo fato de que em 1770 a revolução industrial já estava a pleno vapor na Europa.

Em 1776, Adam Smith publicou seu clássico livro “A Riqueza das Nações” no qual se proclamou a importância do liberalismo econômico e dos mercados livres para a geração de riqueza das nações.

O segundo grande entrave se deu na 1ª Era Vargas (1930/1945), nos esforços voltados à passagem de uma economia primário-exportadora para uma economia urbano-industrial, em que pese a ausência de acumulação de capital dos ciclos econômicos anteriores e a não consolidação de um mercado de trabalho desenvolvido que pudessem dar sustentação ao processo de desenvolvimento econômico brasileiro nos moldes do que se exigia o capitalismo à época.

Finalmente, no governo JK (1956/1961), as dificuldades inerentes à falta de poupança interna foram supridas pela atração do capital externo mediante a implantação da indústria automobilística e de seu efeito acelerador na economia, trazendo em seu bojo o desenvolvimento das indústrias de plástico, borracha, aço, alumínio, etc., além da construção civil e a malha rodoviária que integrou e desenvolveu as economias regionais promovendo a inserção da economia brasileira a um capitalismo desenvolvido.

Este período é marcado pela internacionalização do capital brasileiro. Nos inserimos de vez na economia internacional nos moldes de uma economia capitalista.

Não obstante, ainda que tenha havido a internacionalização do capital brasileiro faltou de forma mais efetiva a sua internalização, por exemplo, a evidente dependência de bens de capital do exterior.

O quarto grande entrave nesta linha do tempo para o desenvolvimento econômico brasileiro, um problema que muito nos assombrou: a inflação!

Contudo, após várias tentativas frustradas de resolução do problema inflacionário brasileiro, o Plano Real nos brindou com a tão sonhada estabilidade monetária gerando condições para planejamentos econômicos de longo prazo, propiciando o caminho para o desenvolvimento.

Por todos estes construtos, o próximo grande salto brasileiro e, talvez, definitivo para sermos um país de economia desenvolvida passa, necessariamente, pelas questões de infraestrutura.

Infraestrutura em todos os seus aspectos, tais como rodoviária, aeroportuária, portuária e urbanística. Não menos importante, recursos para pesquisa & desenvolvimento (P&D), educação, saúde, segurança.

Acreditamos que uma das chaves para o alcance e resolução destes gargalos estruturais se remonta nos Fundos de Investimentos em Participações em Infraestrutura (FIP-IE) e na Instrução CVM 578, cujos fins são o desenvolvimento de novos projetos de infraestrutura no território nacional, nos setores de energia, transporte, água e saneamento básico, irrigação e outras áreas tidas como prioritárias pelo Poder Executivo Federal.

Os Fundos de Investimentos em Participações em Infraestrutura (FIP-IE) são constituídos com a finalidade precípua de gerir projetos criteriosamente selecionados aos fins supracitados.

Aos investidores, por sua vez, abre-se a oportunidade ímpar de fazer parte destes projetos a preços bastante baratos hoje, bem como antecipando-se aos expressivos ganhos que, certamente, virão com a maturação destes projetos.

Não há outro caminho para o Brasil trilhar. Resolver os problemas de Infraestrutura é a única pavimentação possível para internalizarmos o capital no país e darmos o salto definitivo para nos tornarmos país de primeiro mundo.

Conclusivamente, é a oportunidade de investir em algo extremamente barato, a preços muito descontados face ao verdadeiro valor dos empreendimentos.

* Carlos Lopes é economista, assessor de investimentos da Aspen Investimentos, sócio responsável pela Aspen Educacional.

Para mais informações sobre investimento clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Que ingratidão…

Durante o tempo que fui redactor de jornal local, realizei numerosas entrevistas a figuras públicas: industriais, grandes proprietários, políticos, artistas…


Empresa Cooperativa x Empresa Capitalista

A economia solidária movimenta 12 bilhões e a empresa cooperativa gera emprego e riqueza para o país.


O fundo de reserva nos condomínios: como funciona e a forma correta de usar

O fundo de reserva é a mais famosa e tradicional forma de arrecadação extra. Normalmente, consta na convenção o percentual da taxa condominial que deve ser destinado ao fundo.


E se as pedras falassem?

Viver na Terra Santa é tentar diariamente “ouvir” as pedras! Elas “contemplaram” a história e os acontecimentos, são “testemunhas” fiéis, milenares porém silenciosas!


Smart streets: é possível viver a cidade de forma mais inteligente em cada esquina

De acordo com previsões da Organização das Nações Unidas (ONU), mais de 70% da população mundial viverá em áreas urbanas até 2050.


Quem se lembra dos velhos?

Meu pai, quando se aposentou, os amigos disseram: - " Entrastes, hoje, no grupo da fome…"


Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.


Como chegou o café ao Brasil

Antes de Cabral desembarcar em Porto Seguro – sabem quem é o décimo sexto neto do navegador?


Fake news, deepfakes e a organização que aprende

Em tempos onde a discussão sobre as fake news chega ao Congresso, é mais que propício reforçar o quanto a informação é fundamental para a sustentabilidade de qualquer empresa.


Superando a dor da perda de quem você ama

A morte é um tema que envolve mistérios, e a vivência do processo de luto é dolorosa. Ela quebra vínculos, deixando vazio, solidão e sentimento de perda.


A onda do tsunami da censura

A onda do tsunami da censura prévia, da vedação, da livre manifestação, contrária à exposição de ideias, imagens, pensamentos, parece agigantar em nosso país. Diz a sabedoria popular que “onde passa um boi passa uma boiada”.


O desserviço do senador ao STF

Como pode um único homem, que nem é chefe de poder, travar indefinidamente a execução de obrigações constitucionais e, com isso, impor dificuldades ao funcionamento de um dos poderes da República?