Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

09/09/2016 João Rangel Marcelo

O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção até nossos dias.

Em meados da década de 1950, século XIX, a fotografia já havia se beneficiado dos avanços técnicos, químicos e óticos que lhe permitiram abandonar os estúdios e avançar para a documentação imagética do mundo, com o "realismo" que a pintura não conseguia.

A fotografia beneficiava-se também das noções de "prova", "testemunho" e "verdade", que à época lhe estavam profundamente associadas e que a credibilizavam como “espelho do real”. A partir da década de 1920, há uma evolução significativa das câmeras fotográficas e dos métodos de impressão.

Em 1936, surge nos Estados Unidos, a revista Life, que seria, durante muitos anos, a grande vitrine do fotojornalismo no mundo. Com a expansão do fotojornalismo, começam a surgir as agências fotográficas. Entre as pioneiras estão as agências UPI, Associated Press, France Presse, Reuters.

A primeira fotografia jornalística impressa numa revista, no Brasil, apareceu no dia 20 de maio de 1900, na “Revista da Semana”. A imagem mostrava um flagrante das comemorações do Quarto Centenário do Descobrimento do Brasil.

Atualmente, o caminho e o futuro da profissão de fotojornalista nos veículos impressos diários sofrem com a concorrência da internet e da tecnologia, que permitem com muito mais facilidade o desempenho de tarefas múltiplas (fotografar, filmar e gravar áudio).

Porém, é possível constatar que o espaço para trabalhos autorais, de cunho marcadamente documental e abrangente tem aumentado sobremaneira nos veículos alternativos, nos livros fotojornalísticos e na própria internet. O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção, em 1839, até nossos dias.

Cabe ao fotojornalista estabelecer sua forma de atuação e conduzir seu trabalho com objetividade, respeitando o momento histórico, as pessoas retratadas e, principalmente, os preceitos éticos inerentes, como no caso deste autor, à profissão de jornalista.

Criador de uma segunda realidade, mas nem por isso manipulador dos fatos, o fotojornalista tem a obrigação de registrar os acontecimentos cotidianos, desde os mais corriqueiros, que interessam a uma pequena comunidade, até os mais espetaculares, possibilitando às futuras gerações o conhecimento de um fragmento do passado que ajudou a construir a história do homem e as consequências de sua passagem pela terra naquele determinado momento.

É nesse sentido que o fotojornalista procura estabelecer uma forma de registro que contemple vários momentos presentes nas manifestações populares, na arquitetura dos grandes centros ou pequenas comunidades, nos conflitos mundiais ou mesmo locais, nas tragédias naturais ou provocadas pelo homem, nos estádios, autódromos e centros esportivos, no mar, na terra e no ar.

Nessa percepção de importância da imagem fotográfica atrelada à função documental e informativa, o fotojornalista caminha no decorrer dos tempos perseguindo não só sua capacidade de síntese no registro dos momentos como testemunha ocular, mas também como um fio condutor de informações que podem interferir diretamente na interpretação daquele que vê e reage perante os fragmentos da realidade.

* João Rangel Marcelo é fotojornalista e professor universitário.



Impressão digital para a indústria têxtil

Cores e oportunidades à disposição do mercado.


Tem risco? Então não quero

Vivemos tempos disruptivos, em que mudamos o modo de fazer quase tudo.


A nova morfologia do trabalho: Da uberização à ciberescravidão

É claro que o Uber facilita a vida das pessoas. E disso ninguém duvida.


“Golpe do Motoboy”

Fraude atinge aposentados e correntistas de bancos.


O sabichão…

Conheço meu amigo João, desde o dia em que fomos para o Quartel de Campo Grande, em Lisboa.


A importância do jornal na sua comunidade

Atravessamos um tempo e redefinições.


As redes sociais e a geração “floco de neve”

Quantas vezes você escuta ou fala “eu não aguento mais”; “isso não é para mim”; “eu não me sinto confortável fazendo isso ou aquilo”.


Educação moral no seio familiar

A associação entre limites e justificativas racionais prepara a conquista da autonomia.


Lagosta, bacalhau, vinhos e uísques aos onipotentes do STF

O STF está se lixando com a patuleia brasileira, que passa fome e que é numerosa.


Bolsonaro e a indicação de Moro para o STF

Todos os cidadãos, que acompanham a política e os noticiários, sabem que o presidente Jair Bolsonaro, não mede as palavras ao proferi-las.


SOS Educação

Tenho alertado a respeito do abandono da educação brasileira há anos.


Um inimigo do povo

O debate sobre a liberdade de expressão foi aprofundado nos últimos tempos no Brasil devido a diversos incidentes.