Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

09/09/2016 João Rangel Marcelo

O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção até nossos dias.

Em meados da década de 1950, século XIX, a fotografia já havia se beneficiado dos avanços técnicos, químicos e óticos que lhe permitiram abandonar os estúdios e avançar para a documentação imagética do mundo, com o "realismo" que a pintura não conseguia.

A fotografia beneficiava-se também das noções de "prova", "testemunho" e "verdade", que à época lhe estavam profundamente associadas e que a credibilizavam como “espelho do real”. A partir da década de 1920, há uma evolução significativa das câmeras fotográficas e dos métodos de impressão.

Em 1936, surge nos Estados Unidos, a revista Life, que seria, durante muitos anos, a grande vitrine do fotojornalismo no mundo. Com a expansão do fotojornalismo, começam a surgir as agências fotográficas. Entre as pioneiras estão as agências UPI, Associated Press, France Presse, Reuters.

A primeira fotografia jornalística impressa numa revista, no Brasil, apareceu no dia 20 de maio de 1900, na “Revista da Semana”. A imagem mostrava um flagrante das comemorações do Quarto Centenário do Descobrimento do Brasil.

Atualmente, o caminho e o futuro da profissão de fotojornalista nos veículos impressos diários sofrem com a concorrência da internet e da tecnologia, que permitem com muito mais facilidade o desempenho de tarefas múltiplas (fotografar, filmar e gravar áudio).

Porém, é possível constatar que o espaço para trabalhos autorais, de cunho marcadamente documental e abrangente tem aumentado sobremaneira nos veículos alternativos, nos livros fotojornalísticos e na própria internet. O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção, em 1839, até nossos dias.

Cabe ao fotojornalista estabelecer sua forma de atuação e conduzir seu trabalho com objetividade, respeitando o momento histórico, as pessoas retratadas e, principalmente, os preceitos éticos inerentes, como no caso deste autor, à profissão de jornalista.

Criador de uma segunda realidade, mas nem por isso manipulador dos fatos, o fotojornalista tem a obrigação de registrar os acontecimentos cotidianos, desde os mais corriqueiros, que interessam a uma pequena comunidade, até os mais espetaculares, possibilitando às futuras gerações o conhecimento de um fragmento do passado que ajudou a construir a história do homem e as consequências de sua passagem pela terra naquele determinado momento.

É nesse sentido que o fotojornalista procura estabelecer uma forma de registro que contemple vários momentos presentes nas manifestações populares, na arquitetura dos grandes centros ou pequenas comunidades, nos conflitos mundiais ou mesmo locais, nas tragédias naturais ou provocadas pelo homem, nos estádios, autódromos e centros esportivos, no mar, na terra e no ar.

Nessa percepção de importância da imagem fotográfica atrelada à função documental e informativa, o fotojornalista caminha no decorrer dos tempos perseguindo não só sua capacidade de síntese no registro dos momentos como testemunha ocular, mas também como um fio condutor de informações que podem interferir diretamente na interpretação daquele que vê e reage perante os fragmentos da realidade.

* João Rangel Marcelo é fotojornalista e professor universitário.



Educação e civilidade faltam a parlamentares federais

Educação e civilidade são o mínimo que se espera de um parlamentar.


O brasileiro e o contexto sociopolítico

O brasileiro é conhecido por sua alegria e seu jeito de lidar com as adversidades.


A sub-representação no Congresso Nacional

No Congresso Nacional somente 10% dos representantes na Câmara dos deputados são mulheres.


A moralização do Brasil é muito difícil

Ser político no Brasil é um grande negócio, é como acertar na loteria, dadas as vantagens auferidas no presente e no futuro.


Uma análise do acordo Mercosul e União Europeia

As consequências do acordo Mercosul – União Europeia ainda são especulativas


Ordem no Parlamento!

Desde os tempos do impeachment da presidente Dilma Rousseff, o Congresso Nacional tem imposto espetáculos degradantes aos brasileiros.


O lavrador, e o filho Doutor

Quando era moço, muitas vezes ouvi contar a velha história ou anedota, do transmontano, que mandara o filho, estudar, para Coimbra.


Peso Real: moeda única, infortúnio coletivo

Brasil e Argentina são parceiros de longa data.


Benefícios fiscais: concessão e requisitos

O custo fiscal sempre é objeto de discussão, críticas e polêmicas.


O que o Brasil precisa

Todos os brasileiros hoje estão preocupados com os destinos do Brasil.


Cadeirinha: por que a segurança infantil não pode ser item opcional?

Proteger as crianças pequenas e a infância é uma responsabilidade de todos nós


O uso do Crowdfunding para o desenvolvimento de M.V.Ps de startups

O processo de consolidação do chamado Capital de Risco (Venture Capital) é uma realidade cada vez mais evidente no ecossistema empreendedor brasileiro.