Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

Fotografia: fragmento do passado que ajuda a construir a história

09/09/2016 João Rangel Marcelo

O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção até nossos dias.

Em meados da década de 1950, século XIX, a fotografia já havia se beneficiado dos avanços técnicos, químicos e óticos que lhe permitiram abandonar os estúdios e avançar para a documentação imagética do mundo, com o "realismo" que a pintura não conseguia.

A fotografia beneficiava-se também das noções de "prova", "testemunho" e "verdade", que à época lhe estavam profundamente associadas e que a credibilizavam como “espelho do real”. A partir da década de 1920, há uma evolução significativa das câmeras fotográficas e dos métodos de impressão.

Em 1936, surge nos Estados Unidos, a revista Life, que seria, durante muitos anos, a grande vitrine do fotojornalismo no mundo. Com a expansão do fotojornalismo, começam a surgir as agências fotográficas. Entre as pioneiras estão as agências UPI, Associated Press, France Presse, Reuters.

A primeira fotografia jornalística impressa numa revista, no Brasil, apareceu no dia 20 de maio de 1900, na “Revista da Semana”. A imagem mostrava um flagrante das comemorações do Quarto Centenário do Descobrimento do Brasil.

Atualmente, o caminho e o futuro da profissão de fotojornalista nos veículos impressos diários sofrem com a concorrência da internet e da tecnologia, que permitem com muito mais facilidade o desempenho de tarefas múltiplas (fotografar, filmar e gravar áudio).

Porém, é possível constatar que o espaço para trabalhos autorais, de cunho marcadamente documental e abrangente tem aumentado sobremaneira nos veículos alternativos, nos livros fotojornalísticos e na própria internet. O realismo e o valor documental da imagem fotográfica é uma discussão acentuada desde sua invenção, em 1839, até nossos dias.

Cabe ao fotojornalista estabelecer sua forma de atuação e conduzir seu trabalho com objetividade, respeitando o momento histórico, as pessoas retratadas e, principalmente, os preceitos éticos inerentes, como no caso deste autor, à profissão de jornalista.

Criador de uma segunda realidade, mas nem por isso manipulador dos fatos, o fotojornalista tem a obrigação de registrar os acontecimentos cotidianos, desde os mais corriqueiros, que interessam a uma pequena comunidade, até os mais espetaculares, possibilitando às futuras gerações o conhecimento de um fragmento do passado que ajudou a construir a história do homem e as consequências de sua passagem pela terra naquele determinado momento.

É nesse sentido que o fotojornalista procura estabelecer uma forma de registro que contemple vários momentos presentes nas manifestações populares, na arquitetura dos grandes centros ou pequenas comunidades, nos conflitos mundiais ou mesmo locais, nas tragédias naturais ou provocadas pelo homem, nos estádios, autódromos e centros esportivos, no mar, na terra e no ar.

Nessa percepção de importância da imagem fotográfica atrelada à função documental e informativa, o fotojornalista caminha no decorrer dos tempos perseguindo não só sua capacidade de síntese no registro dos momentos como testemunha ocular, mas também como um fio condutor de informações que podem interferir diretamente na interpretação daquele que vê e reage perante os fragmentos da realidade.

* João Rangel Marcelo é fotojornalista e professor universitário.



Prisão após condenação em segunda instância

Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que deixa clara a possibilidade de prisão após condenação em segunda instância, avança na CCJ da Câmara Federal.


Sou uma péssima professora!

Sou uma péssima professora! Primeiramente, porque ser professor não foi minha primeira escolha de carreira.


As ferramentas tecnológicas e a educação

Os avanços tecnológicos podem estar a serviço da Educação, na medida em que permitem um maior acesso à informação e mais rapidez nas trocas do conhecimento.


Eu, professor

Comecei a dar aulas aos 18 anos. Meus alunos, em um supletivo de bairro, eram todos mais velhos que eu.


Gestão pública é o caminho contra a corrupção

A corrupção é pré-requisito do desenvolvimento, já dizia Gunnar Myrdall, Prêmio Nobel de Economia, em 1974.


Quando a desinformação é menos tecnológica e mais cultural

Cenário é propício para o descrédito de pesquisas, dados, documentos e uma série de evidências de veracidade.


Igualdade como requisito de existência

Na última cerimônia de entrega do EMMY, o prêmio da TV Norte Americana, um ator negro foi premiado, fruto de reconhecimento praticamente unânime de seu trabalho.


Liderança é comunicação, conexão e confiança

Cada dia que passa, percebo que uma boa comunicação e liderança têm total relação com conexão.


“A educação é a arma mais poderosa…” mas para quem?

Tudo o que se cria ou se ensina no mundo tem dois lados. Geralmente as intenções são boas e as pessoas as tornam ruins.


“Golpe do Delivery”

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.


A inclusão educacional e o mês das crianças

O tema da inclusão está na ordem do dia, dominando as agendas no mês das crianças.


A velha forma de fazer política não tem fim

Ser político no Brasil é um grande negócio, uma dádiva caída do céu, visto as grandes recompensas de toda a ordem obtidas pelos políticos.