Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Franquia home-office: opção para quem perdeu emprego

Franquia home-office: opção para quem perdeu emprego

09/04/2015 Henrique Mol

O ano de 2015 não está sendo fácil para ninguém. Infelizmente, estamos vivendo dias de incerteza.

A economia dá fortes sinais de retração e, várias empresas anunciaram demissões em massa. O índice de desemprego já aumentou.

Mas, o que parece um grande cenário de incertezas, pode ser, na verdade, uma seara de oportunidades. É nesse momento que o brasileiro solta toda a sua criatividade e demonstra o quanto é capaz de fazer uma bela caipirinha com os limões que a vida lhe apresenta (já que limonada é para os fracos). Eis que nessas horas surgem pequenos e inovadores negócios que, algumas vezes, até ganham bons destaques no futuro. Para os que procuram uma opção mais segura, o setor de franquias home-office pode ser a melhor opção.

Como o modelo já foi testado e aprovado, os riscos de não dar certo são infinitamente menores. Em geral, essas microfranquias tem investimento inicial de no máximo 10 mil reais, dinheiro que muitas vezes pode ser advindo de uma rescisão de trabalho ou fundo de garantia. Uma das maiores vantagens desse modelo é o fato de não ser necessário se comprometer com os custos de aluguel e infraestrutura de um ponto comercial. Tudo pode ser feito de dentro da casa do próprio franqueado.

Isso representa uma grande economia, em especial nas capitais, onde os custos de locação de um imóvel estão cada dia mais caros. Opções de segmento não faltam. A internet possibilitou a criação de franquias home-office em uma série de setores diferentes. Um dos mais atraentes é o de turismo, que normalmente encanta amantes por viagens. Na Encontre Sua Viagem, por exemplo, a franquia home-office custa R$ 3 mil e tem mensalidade fixa de R$ 175.

E não há cobrança de royalties. Soma-se a isso a flexibilidade do horário de trabalho. É o franqueado quem decide quando vai trabalhar. A lógica do trabalho é bem simples. O grande segredo do negócio está na divulgação. Quanto mais o franqueado divulga a sua franquia e consegue gerar vendas, mais ele vai lucrar. E, para isso a franqueadora dá todo o apoio necessário. O franqueado conta com ferramentas de marketing, treinamento, consultoria, e-mail, projeto visual e intranet. Tudo para facilitar a gestão do seu negócio.

É possível atingir um faturamento que vai de R$ 5 mil até R$ 100 mil por mês. O que faz a diferença aqui é o suporte dado pelo franqueador, que assim como o franqueado, tem todo o interesse em fazer o negócio dar certo. Ele ajuda na transmissão de conhecimento, padronização de processos e divulgação. Fatores determinantes na linha que separa o sucesso do fracasso. Logicamente, a decisão de abrir um negócio envolve muitas questões.

É preciso primeiro refletir se você tem perfil para empreender. De modo geral, é necessário ter disponibilidade para correr riscos e capacidade de gestão. Mas, se você tiver sido vítima da freada da economia e se encontrar em uma situação onde não sabe exatamente o que fazer, analise essa possibilidade. As chances de sucesso são grandes.

*Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo.



Poderes em conflito – Judiciário x Executivo

Os Poderes da união que deveriam ser independentes e harmônicos entre si, cada qual com suas funções e atribuições previstas na Constituição, nos últimos dias, não têm se mostrado tão harmônicos.


A Fita Branca

Em março de 1963, um ano antes do golpe que defenestrou o governo populista de João Goulart, houve um episódio que já anunciava, sem ranhuras, o que estava por vir.


Como ficarão as aulas?

O primeiro semestre do ano letivo de 2020 está comprometido, com as crianças, adolescentes e jovens em casa, nem todos entendendo bem o que está acontecendo, principalmente as crianças menores.


Dizer o que não se disse

A 3 de Janeiro de 1998, Fernando Gomes, então Presidente da Câmara Municipal do Porto, apresentou o livro de Carlos Magno: “O Poder Visto do Porto - e o Porto Visto do Poder”.


Pegando o ônibus errado

Certo dia, o cidadão embarca tranquilamente na sua costumeira condução e, quadras depois da partida, em direção ao destino, percebe que está dentro do ônibus errado.


Resiliência em tempos de distanciamento social

Em meio à experiência que o mundo todo está vivendo, ainda não é possível mensurar o impacto do distanciamento social em nossas vidas, dada a complexidade desse fenômeno e a incerteza do que nos aguarda.


Nasce a organização do século 21

Todos sabemos que a vida a partir de agora – pós-epidemia ou período de pandemia, até termos uma vacina – não será a mesma.


Luto e perdas na pandemia: o que estamos vivendo?

Temos presenciado uma batalha dolorosa em todo o mundo com o novo coronavírus (COVID-19).


Encare a realidade da forma correta

Em algum momento todos nós vamos precisar dessa mensagem.


Contraponto a manifestação do Jornalista Lucas Lanna

Inicialmente gostaria de parabenizar o jovem e competente jornalista Lucas Lanna Resende, agradecendo a forma respeitosa que diverge da matéria por mim assinada e intitulada “O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson”.


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson?

Nos últimos dias, um artigo intitulado O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson, do advogado e ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), Bady Curi, foi publicado neste espaço


O Brasil deve um almoço a Roberto Jefferson

A esquerda diz temer pela Democracia em razão de alguns pronunciamentos do Presidente Bolsonaro.