Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Franquia home-office: opção para quem perdeu emprego

Franquia home-office: opção para quem perdeu emprego

09/04/2015 Henrique Mol

O ano de 2015 não está sendo fácil para ninguém. Infelizmente, estamos vivendo dias de incerteza.

A economia dá fortes sinais de retração e, várias empresas anunciaram demissões em massa. O índice de desemprego já aumentou.

Mas, o que parece um grande cenário de incertezas, pode ser, na verdade, uma seara de oportunidades. É nesse momento que o brasileiro solta toda a sua criatividade e demonstra o quanto é capaz de fazer uma bela caipirinha com os limões que a vida lhe apresenta (já que limonada é para os fracos). Eis que nessas horas surgem pequenos e inovadores negócios que, algumas vezes, até ganham bons destaques no futuro. Para os que procuram uma opção mais segura, o setor de franquias home-office pode ser a melhor opção.

Como o modelo já foi testado e aprovado, os riscos de não dar certo são infinitamente menores. Em geral, essas microfranquias tem investimento inicial de no máximo 10 mil reais, dinheiro que muitas vezes pode ser advindo de uma rescisão de trabalho ou fundo de garantia. Uma das maiores vantagens desse modelo é o fato de não ser necessário se comprometer com os custos de aluguel e infraestrutura de um ponto comercial. Tudo pode ser feito de dentro da casa do próprio franqueado.

Isso representa uma grande economia, em especial nas capitais, onde os custos de locação de um imóvel estão cada dia mais caros. Opções de segmento não faltam. A internet possibilitou a criação de franquias home-office em uma série de setores diferentes. Um dos mais atraentes é o de turismo, que normalmente encanta amantes por viagens. Na Encontre Sua Viagem, por exemplo, a franquia home-office custa R$ 3 mil e tem mensalidade fixa de R$ 175.

E não há cobrança de royalties. Soma-se a isso a flexibilidade do horário de trabalho. É o franqueado quem decide quando vai trabalhar. A lógica do trabalho é bem simples. O grande segredo do negócio está na divulgação. Quanto mais o franqueado divulga a sua franquia e consegue gerar vendas, mais ele vai lucrar. E, para isso a franqueadora dá todo o apoio necessário. O franqueado conta com ferramentas de marketing, treinamento, consultoria, e-mail, projeto visual e intranet. Tudo para facilitar a gestão do seu negócio.

É possível atingir um faturamento que vai de R$ 5 mil até R$ 100 mil por mês. O que faz a diferença aqui é o suporte dado pelo franqueador, que assim como o franqueado, tem todo o interesse em fazer o negócio dar certo. Ele ajuda na transmissão de conhecimento, padronização de processos e divulgação. Fatores determinantes na linha que separa o sucesso do fracasso. Logicamente, a decisão de abrir um negócio envolve muitas questões.

É preciso primeiro refletir se você tem perfil para empreender. De modo geral, é necessário ter disponibilidade para correr riscos e capacidade de gestão. Mas, se você tiver sido vítima da freada da economia e se encontrar em uma situação onde não sabe exatamente o que fazer, analise essa possibilidade. As chances de sucesso são grandes.

*Henrique Mol é especialista em turismo e sócio-fundador da Encontre Sua Viagem, franquia de turismo.



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa