Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Geração millenials, distintas facetas

Geração millenials, distintas facetas

07/01/2022 Wagner Siqueira

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.

O presente e o futuro são sombrios para a grande massa de millenials desqualificados, a ponto de já se falar em geração perdida pelo trabalho. 

O conceito de emprego é muito recente na história, pois, em verdade, advém da 1ª Revolução Industrial há pouco mais de 300 anos.

Definitivamente não será um “dolce far niente”, uma vida prazerosa de trabalho e de ócio criativo bem remunerado e realizador para a grande maioria dos millenials.

Essa geração precarizada terá crescentes dificuldades e uma enorme necessidade de redes de proteção social para realizarem uma longa travessia cheia de atribulações face ao desemprego e à precariedade do trabalho enquanto fizerem a transição para a plenitude da Economia 4.0.

É claro, os jovens bem qualificados têm, e terão, muito menos dificuldades de obtenção do tão almejado emprego - ou da empregabilidade e do empreendedorismo.

Mas essa facilidade não funciona para todos, e cada vez funcionará menos para a grande maioria das Gerações Y e Z. Se a base da Economia 4.0 é a cognição, como fica o Brasil tão incompetente em educação?

A tecnologia não reduz desigualdades, ao contrário, pode ampliar e aprofundar as diferenças entre pessoas e as classes sociais.

A agricultura há 10 mil anos legou riqueza a poucos, em detrimento da maioria que trabalhava no campo: o senhor feudal e os obreiros da terra: a vida faustosa para uns e a fome para muitos. Institucionalizou as castas e as diferenças no conjunto das sociedades humanas.

A tecnologia não necessariamente traz a distribuição equitativa de seus benefícios. Qual é o grande desafio da sociedade moderna: aprofundar ou diminuir as desigualdades?  É preciso colocar a tecnologia a serviço da plena realização humana!

Estamos no início de uma nova era, que alterará profundamente a maneira como vivemos, trabalhamos e nos relacionamos.

Dois campos opostos se sobressaem quando se trata do impacto das tecnologias emergentes no mercado de trabalho mundial.

O fato hoje é que temos milhões de robôs em número aceleradamente crescente substituem os humanos nas mais distintas formas de trabalho; mas não recebem salários, não têm FGTS, previdência social, direitos trabalhistas, férias, não reclamam de horas-extras e ainda trabalham noite e dia sem parar, se necessário.

Para a grande maioria dos millenials quase nada é pensado e sugerido, sequer se adentram em formulações de políticas públicas e de caminhos para atenuarem uma transição difícil e inóspita.

A evidência demonstra, às escancaras, que a 4ª Revolução Industrial está criando menos postos de trabalho nas novas atividades econômicas do que as três revoluções industriais anteriores.

* Wagner Siqueira é diretor-geral da UCAdm – Universidade Corporativa do Administrador e conselheiro federal junto ao CFA – Conselho Federal de Administração.

Para mais informações sobre Geração Millenials clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Agência Drumond



Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.


Novo salário mínimo em 2022 e o impacto para os trabalhadores autônomos

O valor do salário mínimo em 2022 será de R$ 1.212,00.


2021 – A ironia de mais um ano que ficará marcado na história

Existe um elemento no ano de 2021 que imputou e promoveu uma verdadeira aposta de cancelamentos e desejos para que ele seja mais um ano apagado da memória de milhares de pessoas: A pandemia, que promoveu o desaparecimento definitivo de milhares de pessoas.


Negócios do futuro: por que investir em empreendedorismo no setor financeiro

Você sabia que 60% dos jovens de até 30 anos sonham em empreender?


A importância de formar talentos

Um dos maiores desafios das empresas tem sido encontrar talentos com habilidades desenvolvidas e preparados para contribuir com a estratégia da empresa.


Sustentabilidade em ‘data center’: setor se molda para atender a novas necessidades

Mesmo que a sustentabilidade ainda seja um tema relativamente novo no segmento de data center, ele tem se tornado cada vez mais necessário para as empresas que querem agregar valor ao seu negócio.


Tendência de restruturações financeiras e recuperações judiciais para o próximo ano

A expectativa para o próximo ano é de aumento grande no número de recuperações judiciais e restruturações financeiras, comparativamente, aos anos de 2021 e 2020.


Somos todos (i)migrantes em algum momento da vida

A imigração é um fenômeno milenar inerente ao ser humano que possibilitou o desbravamento de novos territórios.