Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Gestão de alta performance para ativos produtivos

Gestão de alta performance para ativos produtivos

19/02/2013 Osvaldo Guedes

A visão de gerenciamento de ativos produtivos vem ganhando importância à medida que cresce a demanda por mais segurança nas operações, proteção ao meio ambiente, garantia de qualidade, integridade dos equipamentos e instalações e por produtos altamente confiáveis.

No segmento industrial, as empresas buscam não só aumentar a utilização e disponibilidade dos ativos, mas, também, fazê-lo de forma sustentável e responsável. O novo desafio é aumentar a eficiência do negócio. Não basta aumentar o volume de produção se outros requisitos, como custos operacionais, conservação de energia, acidentes e doenças ocupacionais, qualidade do produto e dos serviços, pioram.

A gestão de alta performance dos ativos produtivos promove a integração de todos os requisitos das operações, conciliando as políticas de responsabilidade social com altas taxas de retorno dos investimentos aplicados em ativos. Combinando competências com corretos procedimentos organizacionais e metodologias consagradas e consistentes, este modelo de gestão apresenta uma abordagem holística de alta performance, otimizando a utilização dos recursos materiais e humanos, por meio da priorização, sincronização e sinergia dos processos.

É imperativo assegurar altas taxas de disponibilidade e utilização dos ativos e, ao mesmo tempo, otimizar a relação custos x resultados. Os ganhos devem ser sustentáveis para garantir a sobrevivência da empresa em mercados cada vez mais competitivos e globalizados.

As empresas procuram melhorar e aperfeiçoar suas operações através da adoção de métodos com foco em um ou outro tema, tais como, Lean Manufacture, 6 Sigma, Qualidade Total, RCM, ISO’s, OSHAS, PMI etc, e pouca atenção é atribuída para os impactos na organização quando estes métodos são implementados de forma isolada, cada um seguindo um cronograma próprio, com suas metas individuais, sem priorização, e disputando os mesmos recursos.

A Gestão de Ativos deve ser um modelo construído com as diversas visões integradas, Qualidade, Segurança, Meio Ambiente, Melhoria Continua, Manutenção, Novos Projetos, Processos Produtivos, Capacitação e Aprendizagem. O modelo de gestão de ativos existente e comprovadamente aplicado com sucesso, quando corretamente implementado é o TPM – Total Productive Maintenance, desenvolvido originalmente pela JIPM – Japan Institute of Plant Maintenance.

A versão original do TPM tem um viés operacional, isto é, foco nos meios utilizados para implementação. Os processos são bem desenvolvidos e detalhados, distribuídos em etapas, facilitando suas aplicações e possibilitando o monitoramento constante e simples. Esta característica torna os treinamentos objetivos e graduais e o desenvolvimento das pessoas ocorre equilibradamente no ritmo da evolução das aplicações.

Nas técnicas de gestão ainda há campo para desenvolvimento, por exemplo, de custos, logística, documentação, capacidade, produção. Algumas empresas, até grupos multinacionais, utilizam o TPM como o modelo básico para a gestão dos ativos produtivos, adaptado as suas necessidades e características e complementam com as técnicas de gestão mais avançadas que atendem os quesitos legais locais e Sistema de Gestão Global da Empresa.

*Osvaldo Guedes é sócio-diretor do do Kaizen Institute Consulting Group – Brasil.



16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.