Portal O Debate
Grupo WhatsApp


“Golpe do Delivery”

“Golpe do Delivery”

11/10/2019 Letícia Marques

Entregadores usam máquina de cartão para enganar consumidor.

A criatividade dos criminosos parece não ter fim. São inúmeros os golpes aplicados nos brasileiros.

Entre os mais recentes estão a clonagem de cartões de pessoas que compram comidas ou bebidas nos carrinhos de rua e o “Golpe do Motoboy”, onde os criminosos se passam por funcionários dos bancos para pegar o cartão e senha principalmente de idosos, em situação muitas vezes mais vulnerável para cair em tal golpe por conta da desinformação.

E a última novidade: criminosos estão se aproveitando dos aplicativos de delivery de comida. Trata-se do chamado “Golpe do Delivery”, no qual alguns entregadores estão passando um valor muito maior no momento da cobrança realizada na máquina de cartão.

Na prática, o golpe funciona assim: o consumidor faz um pedido pelo aplicativo, que repassa a informação ao estabelecimento.

Desse modo, opta pelo pagamento com cartão de crédito ou de débito em casa. O entregador chega para deixar a sua comida e disponibiliza uma "maquininha" com o visor quebrado ou com arranhões que impedem a nítida visualização do valor digitado.

O entregador, entretanto, informará que está daquele jeito porque sofreu uma queda e a máquina de cartão quebrou. O consumidor, confiando no serviço prestado pelo aplicativo, digita a senha e confirma a compra sem desconfiar que está caindo em um golpe.

O entregador, contudo, digita um valor muito superior ao correto, o que acaba acarretando um prejuízo enorme ao consumidor. Em alguns casos, os valores extrapolam os milhares de reais.

A situação se complica com o fato de que a máquina danificada não pertence ao estabelecimento que vende o produto e nem à empresa que disponibilizou o aplicativo.

O criminoso, posteriormente, utiliza um cartão clonado para pagar o valor correto na “maquininha” do próprio estabelecimento, a fim de não ser identificado.

É importante que o consumidor sempre confira o valor de suas compras no visor da máquina ou pedindo a segunda via do comprovante do pagamento no cartão de crédito ou débito. Isso reduz o risco de qualquer erro na cobrança.

Caso seja vítima do golpe, o primeiro passo é fazer um boletim de ocorrência (B.O.) a fim de comprovar para o estabelecimento que algum entregador não passou o valor correto e para que sejam tomadas as devidas providências.

Posteriormente, é preciso entrar em contato com a central do cartão de crédito ou de débito para contestar a compra e solicitar qual é a empresa responsável pela máquina do cartão. É preciso também entrar em contato com o próprio aplicativo para receber auxílio nesses casos.

Caso o problema não seja revolvido pelo estabelecimento ou pelo aplicativo, o consumidor deverá, por direito, procurar a Justiça para pleitear a inexigibilidade de débito, ou seja, que não seja cobrado esse valor na próxima fatura, ou caso já tenha pago no cartão de débito, a sua restituição.

Nesses casos, deverá ser ajuizada uma ação em face do estabelecimento, que é o responsável pelo entregador, uma vez que o Código Civil dispõe que o empregador possui a responsabilidade objetiva por tal ocorrência.

Ademais, pode-se também colocar como parte da demanda o intermediador pela compra do produto, nesses caso o aplicativo por onde realizou a compra.

Por fim, o mais importante: caso o consumidor se deparar com uma máquina de cartão quebrada e que não possibilite visualizar o valor da transação, não digitar a senha e entrar em contato imediatamente com o estabelecimento informando o ocorrido e exigindo uma “maquininha” onde se possa verificar o valor correto. Fique alerta!

* Leticia Marques é advogada e especialista em Direito Civil do escritório Aith, Badari e Luchin Advogados.

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



O que combina com a liberdade e a vida

Todo ser humano deveria ter direito, desde o berçário, à moradia, à alimentação, à saúde, aos estudos, à segurança e ao transporte.


A história sempre se repete

Quando não me apetece ler, folheio os livros da minha modesta biblioteca. Leio umas linhas e torno a fechá-los. Montaigne – se não estou em erro, – fazia o mesmo.


O marketing do Brazil com o profissionalismo do Brasil

O marketing do Brasil não é trabalho para amadores.


O coração, morada do amor e dos sentimentos, é terra que ninguém pisa

Qual coração não guarda seus segredos? Fantasias, desejos?


Achegas para obter uma biblioteca

Conta-se, que certa manhã, Camilo, estando na Praça Nova, no Porto, encontrou negociante seu conhecido, sobraçando grande quantidade de livros.


A tragédia da vida ecoa na arte

Há 75 anos, uma guerra dividia almas e famílias.


Serro: 318 anos de história

Neste mês de janeiro a tricentenária cidade do Serro chega aos seus 318 anos.


Insight sobre a sua carreira profissional

Atualmente, a taxa de desemprego em nosso país ficou em 11,8% no trimestre encerrado em setembro, atingindo 12,5 milhões de pessoas, conforme dados do IBGE.


Educação Inclusiva para quem?

Há algumas décadas, nosso país já pensa na educação de pessoas ditas como “com deficiência”.


Muita calma em 2020!

Todo fim de ano vemos o tradicional corre-corre de festas, confraternizações, as luzes decorativas iluminando as cidades e mais pessoas e veículos transitando pelas cidades.


Férias: como ficam as crianças de pais separados?

Com o fim de um relacionamento (casamento ou união estável), quando há filhos, os pais buscam constantemente dividir o tempo de convivência com as crianças, pensando no bem-estar delas.


Vaidade ou necessidade?

A cada passo lemos, nos jornais, que tal figura pública ou conhecido político, teve que corrigir o currículo, porque incluiu habilitações, que não possuía.