Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Governar com economia e sem aumentar impostos

Governar com economia e sem aumentar impostos

25/06/2024 Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves

Depois de alguns tiros no pé, como as duas Medidas Provisórias que o presidente editou com o objetivo de revogar ou inviabilizar leis aprovadas pelo Congresso Nacional - que foram devolvidas sem tramitação - o governo admite promover o enxugamento de gastos.

Reuniu os ministros da Fazenda, do Planejamento e outros assessores para tratar do assunto, mas do encontro não surgiu nenhuma informação que possa satisfazer a população agitada com a possibilidade de aumento de impostos.

A frieza na fala de Lula de que serão cortados os gastos exagerados soa muito vaga num governo cujo perfil é reconhecidamente gastador e cujo presidente vem posando como candidato à reeleição em 2026.

Precisamos de ações governamentais que impeçam supersalários, viagens desnecessárias com gastos elevados e outros maus-hábitos que escandalizam o povo, e que colocam todos sob o risco de terem de pagar tributos considerados indevidos diante do que o governo devolve de serviços ao contribuinte.

O embate Executivo-Legislativo onde o primeiro enfatiza a necessidade de arrecadar mais e o segundo rejeita o aumento de impostos coloca a população em estado de alerta.

Principalmente porque quando há o confronto entre os Poderes a tendência é que os empreendimentos fiquem represados e, principalmente, os empreendedores – que alavancam o desenvolvimento da economia nacional tornem-se temerosos e evitem aqui aplicar seu capital. Aí o dólar sobe abruptamente e as bolsas de valores despencam, como tem ocorrido nos úl timos dias.

O governo precisa acautelar-se para conseguir governar e alcançar as metas de produtividade. Buscar equilíbrio (não confronto) com o Congresso Nacional e com o Judiciário para evitar a nefasta invasão de atribuições uns dos outros, pois isso apenas tumultua a cena político-administrativa e nada rende para a população, única destinatária dos serviços da máquina pública.

Precisamos de todos os esforços para que Saúde, Educação, Trabalho, Previdência, Transportes e outras ações cabíveis ao Estado sejam realmente eficientes.

Não podemos esquecer da obrigação federal de socorrer o Rio Grande do Sul em relação à catástrofe climática lá ocorrida e de, diante da perpsectiva da tormenta se estender a outras áreas do território nacional, estarmos preparados para mitigar os problemas onde quer que se apresentem. Afinal, a administração pública existe para isso e, principalmente, para atender às emergências.

O presidente Lula, cuja experiência é inegável pois está no seu terceiro mandato na chefia da Nação e ainda foi o líder de outros dois períodos governados por seu partido, há de reunir todo o capital de governança – tanto o bom quanto o ruim – para fazer o seu novo governo deslanchar.

Reconhecer que hoje não tem mais aquela base parlamentar ampla com que governou no passado e, por isso, buscar mais acordos do que demandas com senadores e deputados.

E, na medida do possível, evitar a judicialização das questões políticas, que é um grande mal que tem tumultuado a vida nacional, já que transfere para o Poder Judiciário questões de características executivas e legislativas.

Não devem o governo e nem partidos políticos transferir para os tribunais as questões que não conseguiram aprovar conforme o seu interesse nas casas legislativas.

Isso, além de provocar insegurança jurídica, cria dificuldades ao relacionamento Executivo-Legislativo e o resultado é o atraso no processo governativo.

Embora a opção de candidatar-se à reeleição seja real a quem exerce o mandato no primeiro período de um binário – caso de Lula e vários governadores – é importante que esses senhores contenham-se e esperem a chegada do período eleitoral para cuidarem das respectivas campanhas e da busca de votos.

Um dos males da reeleição de presidente, governador e prefeito é que muitos deles, no dia em que assumem o posto já começam a se movimentar para dali a quatro anos serem candidatos novamente.

Infelizmente, esse é um dos problemas que hoje envolvem o presidente Lula. Ele e sua equipe precisam ter voz firme e raciocínio claro e levar em mente que antes da campanha de 2026 ainda terão mais de dois anos para governar o País.

Façam o melhor que puderem para, com os resultados, reivindicar um novo período. Se não o fizerem, é certo que naufragarão...

* Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves é dirigente da ASPOMIL (Associação de Assist. Social dos Policiais Militares de São Paulo).

Para mais informações sobre governo clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa