Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

Greve dos caminhoneiros: os direitos nem sempre são iguais

04/10/2021 Jarlon Nogueira

No decorrer da sua história como república, o Brasil foi marcado por diversas manifestações a favor da democracia, que buscavam uma realidade mais justa e igualitária.

O maior deles, sem dúvida, foi o movimento Diretas Já, que aconteceu em 1984 e que lutou pela retomada das eleições diretas.

Impossível não lembrar também dos Caras-Pintadas, liderados por estudantes brasileiros em 1992 tendo como objetivo principal o impeachment do presidente do Brasil na época, Fernando Collor de Mello.

Nós, brasileiros, acreditamos na importância das manifestações e no poder transformador que elas têm na política, economia e sociedade brasileira.

Porém os objetivos dos caminhoneiros participantes do movimento realizado poucos dias atrás são diferentes dos buscados anteriormente.

Nas manifestações de 2018, por exemplo, caminhoneiros de todo o país pararam durante diversos dias em busca de situações de trabalho mais justas.

Algumas reivindicações foram atendidas, mas não todas, o que levou a uma ameaça de nova paralisação em fevereiro e depois em julho deste ano, que acabaram não se concretizando.

Na pauta estavam questões importantes como o aumento dos combustíveis, do valor dos pneus e a criação de uma tabela de frete mínimo.

Temas que nem são tocados pelos atuais manifestantes, que pedem mudanças de teor político e dissociadas até mesmo das bandeiras e reivindicações da própria categoria.

Deve ser por esse motivo, além de não querer se envolver em uma manifestação política, que nenhum sindicato do país tomou partido ou apoiou as manifestações iniciadas no dia 7 de setembro.

Inclusive o Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC), entidade que reúne diversas associações de caminhoneiros, entrou com uma ação contra a União, o presidente Jair Bolsonaro e seus apoiadores por atos do dia 7 de setembro.

As paralisações que aconteceram na semana passada tiveram o apoio de uma parcela ínfima dos caminhoneiros brasileiros, que forçaram seus companheiros a parar. E isso é, no mínimo, injusto com quem precisa trabalhar.

Hoje, no País, cerca de 82% da carga é transportada por caminhões, segundo a Fundação Dom Cabral. Somos dependentes do transporte rodoviário e do trabalho de mais de 2 milhões de profissionais que, literalmente, carregam o Brasil sobre suas rodas.

Todos têm razão de lutar pelos direitos! Mas isso não aconteceu com o movimento de dias atrás, que buscou objetivos que não são reconhecidos pela maioria da categoria. Ou seja: os direitos nem sempre são iguais, principalmente quando atendem apenas uma pequena parcela.

O Brasil tem pressa de crescer. Com uma inflação recorde registrada em agosto, a maior variação para o mês de agosto em 21 anos, simplesmente não podemos nos dar ao luxo de parar o Brasil por conta da vontade de poucas pessoas.

Quero deixar claro que todos somos a favor do Brasil!

* Jarlon Nogueira é CEO da AgregaLog - transportadora digital que oferece soluções inovadoras de logística de transporte para a indústria.

Para mais informações sobre manifestações clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Conecte Comunicação



Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.


Uma carta à Elon Musk

O homem mais rico do mundo, Elon Musk, acaba de chegar a um acordo para adquirir uma das redes sociais mais importantes do mundo, o Twitter, por US$ 44 bilhões.


Liberdade de expressão: lembrança do passado recente

Na manhã do dia 19 de agosto de 1968, tropas da polícia e do Exército invadiram a Universidade de Brasília, agredindo violentamente vários estudantes dentro das salas de aula.


Mitos sobre a recuperação judicial

Criou-se uma verdadeira quimera quando o tema é recuperação judicial e o objetivo deste artigo é desmistificar alguns dos mitos sobre esse instituto.