Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

Há solução para as enchentes, mas será que há vontade?

19/06/2024 Alysson Nunes Diógenes

Entre o fim de abril e o início de maio de 2024, a maior tragédia climática da história se abateu sobre o Rio Grande do Sul.

Várias cidades foram alagadas por uma chuva da ordem de 700 mm em um intervalo de apenas 15 dias. Um volume muito acima da média e, em especial, acima da marca registrada na histórica enchente de 1941.

Observando os registros do Instituto Nacional de Meteorologia, do Sistema de Alerta Rio, do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná e de vários outros órgãos que fiscalizam e registram precipitações ao longo da história, chuvas catastróficas são uma constante no Brasil e têm aumentado de frequência e volume nos últimos anos, como consequência das mudanças climáticas. Péssima notícia para o país como um todo.

Por outro lado, países como Holanda e Alemanha convivem desde sempre com cheias muito maiores do que as vistas no estado gaúcho, sem grandes consequências para sua população e economia.

Como explicar essa diferença entre a situação catastrófica presenciada no Rio Grande do Sul e o sucesso de outros países na gestão de cheias?

Em primeiro lugar, vamos ao fator humano e como ele se comporta na Europa, contrastando com o cenário brasileiro. Boa parte da Holanda está cerca de um metro abaixo do nível do mar.

Vários diques evitam que o mar avance e, na ocorrência de chuvas, bombas são acionadas para drenar a água que flui para esses locais. Por sua vez, na Alemanha, vários rios apresentam cheias anuais.

O mais comentado é o rio Elba, cujo nível varia de mais de cinco metros todos os anos, alagando cidades como Dresden, que tem aproximadamente 550 mil habitantes.

A Alemanha adotou uma solução diferente da holandesa, com edificações preparadas para a cheia. O mercado de Dresden, por exemplo, chega ao inacreditável fato de, mesmo com o exterior submerso durante esse período, continuar funcionando normalmente em sua parte interna.

Os clientes entram por um elevador e fazem suas compras normalmente, abaixo do nível do rio, enquanto, pelas janelas, vê-se a correnteza passando. No restante do ano, essas mesmas janelas mostram a rua.

No Brasil, vários estados convivem com enchentes aqui e ali. Curitiba, com o Rio Belém. São Paulo, com os rios Tietê e Pinheiros. O Rio de Janeiro, com as enchentes e alagamentos na região serrana.

Esses são apenas alguns exemplos - e nem entrei no assunto dos bloqueios de rodovias. Na maioria dos casos, o professor e engenheiro que escreve este artigo diria que essas enchentes poderiam ser evitadas ou, ao menos, ter seu impacto reduzido.

A urbanização das cidades brasileiras foi feita, como regra, de forma desordenada e com pouco planejamento, levando à impermeabilização do solo e canalização (insuficiente, diga-se de passagem) de rios urbanos.

Quando a chuva vem, o resultado só pode ser o alagamento das áreas que circundam esses rios. E quem sofre é a população.

Há solução? Há. Várias. Manutenção adequada das bombas que fazem a drenagem; redução do adensamento populacional; parques que possam ser usados como sumidouros quando o volume de chuva é grande demais; piscinões.

Boa parte dessas soluções pode, inclusive, ser de grande benefício para a própria população, com o aproveitamento de espaços urbanos de forma mais inteligente.

E mais: para viabilizar essas soluções não é necessário fazer investimentos faraônicos ou obras que durem para sempre. Curitiba é um exemplo disso.

Na capital paranaense, os parques absorvem as águas de grandes chuvas. Quando não está chovendo, a população se apropria do espaço para lazer e atividades físicas.

Ora, se há solução de engenharia, a pergunta que fica é: há vontade política? Há vontade orçamentária? A cobrança precisa ser feita àqueles que detêm o poder de fazer as leis e aplicar os recursos de forma a prever que situações como essas podem ocorrer.

A sugestão é que você escreva a seu representante eleito ou, ainda melhor, vá ao gabinete do seu vereador ou deputado estadual e pergunte: há vontade de resolver?

* Alysson Nunes Diógenes é engenheiro eletricista, doutor em Engenharia Mecânica, professor do Mestrado e Doutorado em Gestão Ambiental da Universidade Positivo (UP).

Para mais informações sobre enchentes clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Entre para o nosso grupo de notícias no WhatsApp

Todos os nossos textos são publicados também no X

Quem somos

Fonte: Central Press



A desconstrução do mundo

Quando saí do Brasil para morar no exterior, eu sabia que muita coisa iria mudar: mais uma língua, outros costumes, novas paisagens.

Autor: João Filipe da Mata


Por nova (e justa) distribuição tributária

Do bolo dos impostos arrecadados no País, 68% vão para a União, 24% para os Estados e apenas 18% para os municípios.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


Um debate desastroso e a dúvida Biden

Com a proximidade das eleições presidenciais nos Estados Unidos, marcadas para novembro deste ano, realizou-se, na última semana, o primeiro debate entre os pleiteantes de 2024 à Casa Branca: Donald Trump e Joe Biden.

Autor: João Alfredo Lopes Nyegray


Aquiles e seu calcanhar

O mito do herói grego Aquiles adentrou nosso imaginário e nossa nomenclatura médica: o tendão que se insere em nosso calcanhar foi chamado de tendão de Aquiles em homenagem a esse herói.

Autor: Marco Antonio Spinelli


Falta aos brasileiros a sede de verdade

Sigmund Freud (1856-1939), o famoso psicanalista austríaco, escreveu: “As massas nunca tiveram sede de verdade. Elas querem ilusões e nem sabem viver sem elas”.

Autor: Samuel Hanan


Uma batalha política como a de Caim e Abel

Em meio ao turbilhão global, o caos e a desordem só aumentam, e o Juiz Universal está preparando o lançamento da grande colheita da humanidade.

Autor: Benedicto Ismael Camargo Dutra


De olho na alta e/ou criação de impostos

Trava-se, no Congresso Nacional, a grande batalha tributária, embutida na reforma que realinhou, deu nova nomenclatura aos impostos e agora busca enquadrar os produtos ao apetite do fisco e do governo.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


O Pronto Atendimento e o desafio do acolhimento na saúde

O trabalho dentro de um hospital é complexo devido a diversas camadas de atendimento que são necessárias para abranger as necessidades de todos os pacientes.

Autor: José Arthur Brasil


Como melhorar a segurança na movimentação de cargas na construção civil?

O setor da construção civil é um dos mais importantes para a economia do país e tem impacto direto na geração de empregos.

Autor: Fernando Fuertes


As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa