Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Hábitos saudáveis podem prevenir ataques cardíacos

Hábitos saudáveis podem prevenir ataques cardíacos

19/03/2018 Lucas Penchel

Como precaver diariamente doenças cardiovasculares?

Hábitos saudáveis podem prevenir ataques cardíacos

Em 2016, 17 milhões de pessoas foram vítimas de problemas coronarianos, como ataques cardíacos e derrames, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas). Na última terça-feira, dia 13, Bebeto de Freitas, diretor de administração e controle do Atlético Mineiro, passou mal e sofreu uma parada cardíaca.

O gestor do Galo faleceu, mesmo após receber atendimento da equipe médica do time. A morte repentina de Bebeto trouxe à tona uma discussão antiga: “como precaver diariamente doenças cardiovasculares?”.

Especialistas afirmam que a maioria das ocorrências decorrentes de problemas coronarianos, poderiam ser evitados com medidas simples adotadas no dia-a-dia, como adoção de uma alimentação saudável e a prática de atividade física.

Dieta com redução de sódio, açúcares e gordura animal, controle na ingestão de bebidas alcoólicas, exclusão de vício do cigarro já são passos extremamente importantes na busca por uma vida melhor.

Quando os maus hábitos alimentares se unem com o estresse do dia-a-dia e o sedentarismo, as chances de ter um problema cardíaco aumentam consideravelmente. Pessoas com circunferência abdominal muito alta (homem maior ou igual 102, mulher 88), índice de massa corporal (IMC) elevado, que não dormem bem ou pouco, irritadas, estressadas, fumantes e/ou que consomem produtos ricos em gordura hidrogenadas (trans) e saturadas têm que tomar maior cuidado, pois estão na zona de risco para sofrer com problemas coronarianos.

Como os males do coração costumam ser silenciosos, a possibilidade de descobrir o grau da enfermidade avançado é ainda maior. O check up geral, a avaliação laboratorial para investigar deficiência de vitaminas, minerais e hormônios fundamentais para a saúde humana e o acompanhamento com profissionais da nutrologia e nutrição são de fundamental importância.

Já que o melhor tratamento para uma doença é a precaução. Nós conseguimos a prevenção de qualquer comorbidade, inclusive a cardiológica, através dos hábitos saudáveis. Pois seguir apenas um plano alimentar não previne ou protege um indivíduo, mas a atividade física regularmente ou, pelo menos, 150 minutos por semana aliado ao que se ingere são o mínimo que as pessoas podem fazer para prevenir qualquer doença cardiovascular. Uma dieta com redução de açúcares e gordura animal auxilia no controle do colesterol.

O que ajuda na redução das possibilidades de problemas coronários, já que os males cardíacos estão diretamente relacionados ao colesterol. O principal alimento amigo do peito, segundo revela pesquisas, é o peixe. Por conta da sua alta carga de ômega 3 – ácido graxo que promove limpeza nas artérias – o alimento aumenta o HDL e reduz o LDL.

Quanto vale abdicar de alguns minutos do seu dia dedicados à alimentação com calma e inteligência? Quanto vale deixar de fazer atividade física por conta de trabalho ou outros compromissos? Quanto vale depositar sua sensação de prazer e bem-estar somente em bebida e comida? Vale tempo de vida. Por isso, a importância de cuidar do agora pensando sempre em como quer chegar no futuro.

* Lucas Penchel é médico nutrólogo e diretor da Clínica Penchel.

Fonte: Naves Coelho Assessoria e Marketing



As restrições eleitorais contra uso da máquina pública

Estamos em contagem regressiva. As eleições municipais de 2024 ocorrerão no dia 6 de outubro, em todas as cidades do país.

Autor: Wilson Pedroso


Filosofia na calçada

As cidades do interior de Minas, e penso que de outros estados também, nos proporcionam oportunidades de conviver com as pessoas em muitas situações comuns que, no entanto, revelam suas características e personalidades.

Autor: Antônio Marcos Ferreira


Onde começam os juros abusivos?

A imagem do brasileiro se sustenta em valores positivos, mas, infelizmente, também negativos.

Autor: Matheus Bessa


O futuro da indústria 5.0 na sociedade

O conceito de Indústria 5.0 é definido como uma visão humanizada das transformações tecnológicas no setor, equilibrando as necessidades atuais e futuras dos trabalhadores e da sociedade com a otimização sustentável do consumo de energia, processamento de materiais e ciclos de vida dos produtos.

Autor: Pedro Okuhara


Em defesa do SUS: um chamado à ação coletiva

A escassez de recursos na saúde pública brasileira é um problema crônico.

Autor: Juliano Gasparetto


Impactos da proibição do fenol pela Anvisa no mercado de cosméticos e manipulação

Recentemente, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) tomou a decisão de proibir a venda e o uso de produtos à base de fenol em procedimentos de saúde e estéticos.

Autor: Claudia de Lucca Mano


A fantasia em torno da descriminalização da maconha

"As drogas pisoteiam a dignidade humana. A redução da dependência de drogas não é alcançada pela legalização do uso de drogas, como algumas pessoas têm proposto ou alguns países já implementaram. Isso é uma fantasia".

Autor: Wilson Pedroso


Ativismo judicial: o risco de um estado judicialesco

Um Estado policialesco pode ser definido como sendo um estado que utiliza da força, da vigilância e da coerção exacerbada contra a população, principalmente com seus opositores.

Autor: Bady Curi Neto


Abortada a importação do arroz

O governo desistiu de importar arroz para fazer frente à suposta escassez do produto e alta de preços decorrentes das cheias do Rio Grande do Sul, responsável por 70% do cereal consumido pelos brasileiros.

Autor: Tenente Dirceu Cardoso Gonçalves


2024, um ano de frustração anunciada

O povo brasileiro é otimista por natureza.

Autor: Samuel Hanan


Há algo de muito errado nas finanças do Governo Federal

O Brasil atingiu, segundo os jornais da semana passada, cifra superior a um trilhão de reais da dívida pública (R$ 1.000.000.000.000,00).

Autor: Ives Gandra da Silva Martins


O mal-estar da favelização

Ao olharmos a linha histórica das favelas no Brasil, uma série de fatores raciais, econômicos e sociais deve ser analisada.

Autor: Marcelo Barbosa