Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Ide-vos todos para a clínica

Ide-vos todos para a clínica

18/11/2021 Meire Rose Cassini

Depressão, síndrome do pânico, ansiedade… Se você pensa com frequência nesses ou em outros transtornos de ordem mental e associa algum deles à sua rotina, saiba que não está sozinho.

Muito pelo contrário! Os brasileiros lideram o ranking dos povos que mais se preocupam com a saúde mental, numa lista com 30 países.

A pesquisa foi divulgada em outubro pelo Instituto Ipsos, empresa sediada na França que realiza estudos e inteligência de mercado em todo o mundo.

Os dados mostram que 75% da nossa população pensam nisso com uma freqüência considerável. O Brasil é seguido pela África do Sul (73%), pela Colômbia (71%) e pelo Peru (68%).

Na ponta de baixo, China (26%), Coreia do Sul (31%), Rússia (33%) e Alemanha (39%) são os países que apresentam menor índice de preocupação com a saúde mental. Estes estão muito aquém da média global de 53%.

Para chegar a essa conclusão, a pesquisa entrevistou mais de 21 mil pessoas, das quais cerca de mil eram brasileiras. Mas, tivesse ouvido toda a população, provavelmente esse cenário pouco mudaria.

Isso porque já existem mais dados que comprovam não apenas que o brasileiro se preocupa como também é vítima de muitos dos transtornos mentais.

A Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) já vem demonstrando, desde o início da pandemia do novo Coronavírus, que essas doenças vêm se intensificando na população.

No ano passado, só entre os meses de agosto e novembro, houve um crescimento de 82% no número de novos casos, de acordo com a ABP.

Outro dado relevante: 70% dos pacientes que já haviam recebido alta do tratamento tiveram de voltar às clínicas durante o tempo de quarentena.

É quase que inevitável associar a realidade socioeconômica dos países com suas respectivas posições no ranking do Instituto Ipsos.

E, de fato, muitos dos profissionais que lidam diretamente com pessoas que apresentam a saúde mental debilitada observam que os motivos residem na perda do emprego ou na diminuição da renda, no comprometimento do tempo dedicado ao lazer e no maior tempo dentro de casa.

O brasileiro, em especial, que tem a expansividade como marca registrada, viu seus círculos sociais abreviarem-se de tal maneira que o afetaram psicologicamente. Não que outros povos não tenham sentido esses problemas.

Mas os efeitos sociais parecem sucumbir menos aos impactos financeiros quando se tem uma segurança governamental por trás, levando a crer que os problemas são meramente passageiros.

Se não há explicações óbvias demais para explicar cada caso entre nossa população, ao menos é possível aplaudir, se é que assim se pode dizer, a consciência de que a saúde mental é um problema grave.

Isso já é suficiente, e este é o grande mérito dos brasileiros no estudo do Ipsos, para constatar que temos problemas sérios a resolver e que estamos bastante cientes e preocupados com esse diagnóstico. Portanto, ide-vos todos para a clínica!

* Meire Rose Cassini é psicóloga e gestora do Serviço de Psicologia do Hospital Felício Rocho.

Para mais informações sobre saúde mental clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



A primeira romaria do ano em Portugal

A 10 de Janeiro – ou domingo mais próximo dessa data, dia do falecimento de S. Gonçalo, realiza-se festa rija em Vila Nova de Gaia.


Medicina Preventiva x Medicina Curativa

A medicina curativa domina o setor de saúde e farmacêutico. Mas existe outro tipo de cuidado em crescimento, chamado de Medicina Personalizada.


A importância da inovação em programas de treinamento e desenvolvimento

O desenvolvimento de pessoas em um ambiente corporativo é um grande desafio para gestores de recursos humanos, principalmente para os que buscam o melhor aproveitamento das habilidades de um time através do autoconhecimento.


Por que o 13º salário gera “confiança” nos brasileiros?

O fim do ano está chegando, mas antes de pensar no Natal as pessoas já estão de olho no 13º salário.


O gênero “neutro” ou a “neutralização” de gênero

Tenho visto algumas matérias sobre a “neutralização” do gênero na língua portuguesa, no Brasil, algumas contra e algumas a favor. Digo no Brasil, porque em Portugal não vejo isto.


O poder da gentileza

O mês de novembro traz uma comemoração muito especial e essencial para estes tempos pandêmicos e de tanta polarização política: o Dia da Gentileza.


Branco no preto

As pessoas pretas no Brasil vivem pior do que as pessoas brancas, independentemente de qualquer situação.


Politicamente Correto, Liberdade de Expressão e Dignidade Humana

Estamos vivenciando, há tempos, a dicotomia de opiniões, a divisão clássica na qual a forma de expressar, de pensar, contém apenas lados antagônicos, separados que não podem convergir ou, ao menos, serem respeitados.


Prévia tucana, um tiro no escuro

Diferente das eleições primárias norte-americanas, onde os partidos Democrata e Republicano escolhem seus candidatos e definem a plataforma eleitoral, a prévia que o PSDB (Partido da Social Democracia Brasileira) realizará neste domingo (21/11) está cercada de interrogações.


A imagem do Senhor Jesus de Santa Marinha de Vila Nova de Gaia

Nesta época pandémica, que parece não deixar de nos dizimar – dizem: por causa de novas variantes e à facilidade de movimentação, – é oportuno recordar como o povo de Deus se libertou de funestas calamidades, recorrendo à oração e à penitência.


Algoritmos e automação: a combinação certa para potencializar a vida na era digital

Há quinze anos, quem poderia imaginar que seria possível trabalhar, fazer compras, ter planos personalizados para treinos da academia e conseguir organizar investimentos em bolsas globais sem sair de casa?


Transformação digital: os desafios de um novo modelo

Com a chegada da Quarta Revolução Industrial, organizações dos mais diferentes portes e setores estão encarando obstáculos de toda ordem para lidar com as novas demandas do consumidor.