Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Incentivo fiscal por funcionários mais saudáveis

Incentivo fiscal por funcionários mais saudáveis

12/09/2012

Nos Estados Unidos, o conceito já é bastante conhecido e um número grande de pessoas já se utiliza das vantagens oferecidas pelo Programa de Benefício em Medicamentos (PBM) – subsídio que as empresas concedem a seus funcionários para compra de remédios.

No Brasil, por enquanto, apenas dois milhões de pessoas recebem algum tipo de ajuda dos empregadores para a compra de medicamentos. Porém, este número de empregados poderia ser muito maior se o governo implantasse uma política de incentivos fiscais para as empresas que adotassem o programa.

Uma pesquisa realizada recentemente pelo setor entre 120 empresas de diversas áreas de atuação e diferentes regiões do país, que juntas somam mais de 520 mil empregados e faturamento anual superior a R$ 236 bilhões – valor equivalente a 8% do nosso PIB (Produto Interno Bruto) –, apontou  que mais de 80% dos gestores entrevistados ofereceriam esse benefício aos seus funcionários se houvesse algum tipo de incentivo fiscal para a empresa, como acontece, por exemplo, com o PAT (Programa de Alimentação do Trabalhador). Em muitos casos, as pessoas interrompem o tratamento porque não têm mais dinheiro para comprar os remédios.

Segundo levantamento realizado pelo Conselho Nacional dos Secretários de Saúde, a falta de condições financeiras compromete o tratamento médico de 51,7% da população brasileira. Estudos também mostram que os medicamentos distribuídos gratuitamente pelo governo, pelo Programa Farmácia Popular, não são suficientes para atender a toda a demanda.

Ou seja, o acesso a medicamentos continua ainda sendo uma lacuna grave na política nacional de saúde. Em algumas empresas, o subsídio pode chegar a 100% do valor dos remédios, mas a média nacional é de aproximadamente 50%, garantindo aos funcionários maior adesão ao tratamento prescrito pelo médico.

Mas a empresa também se beneficia por ter funcionários mais saudáveis. Com essa contribuição, os funcionários têm mais chances de seguir corretamente o tratamento, reduzindo o nível de absenteísmo e aumentando a produtividade. O funcionário saudável rende mais e falta menos. Por outro lado, a empresa diminui os índices de sinistralidade e também os custos com saúde.

Com a queda de investimentos públicos nessa área, a iniciativa privada ganha extrema importância e deveria ser estimulada pelo governo, assim como já o fez, no início dos Planos de Saúde e do Vale Alimentação.

Luiz Monteiro é presidente da Associação Brasileira das Empresas Operadoras de PBM (PBMA).



Como a tecnologia analítica está conquistando espaço no futebol

Com a atual pandemia, os apaixonados por futebol ficaram alguns meses sem ver a bola rolando.


O descaso e a “carteirada” frente à pandemia

A obra Raízes do Brasil de Sergio Buarque de Holanda, originalmente publicada em 1936, analisa elementos fundamentais presentes na cultura brasileira que remontam ao nosso passado colonial e escravagista.


A justiça nossa de cada dia

Se a justiça desaparece é coisa sem valor o fato de os homens viverem-na terra. (Immanuel Kant)


O dia da vergonha

Sem dúvida, ainda temos muito o que aprender com a história para evitar que dias vergonhosos se repitam.


XaaS: Está na hora de pensar em Tudo como Serviço

Quando toda essa crise passar, qual lição levaremos?


A urgência da reforma tributária

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas.


Lições importantes da pandemia para os investidores e o futuro financeiro

A pandemia do Covid-19 trouxe impactos significativos em diversas esferas sociais e econômicas.


O Caminho de Saint-Hilaire

Augustin François César Prouvençal de Saint-Hilaire, o botânico francês que ficou conhecido mundialmente apenas como Saint-Hilaire, explorou, entre os anos de 1816 e 1822, a parte central do Brasil colônia e um pouco do sul.


Verdade: qual nos libertará?

Conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará.


Vergonha: um orgulho familiar

Ouso iniciar a reflexão sobre o sentimento de vergonha pela adaptação da célebre frase: diga-me do que tens vergonha, que eu te direi quem és!


O povo brasileiro está triste

Vivemos um momento único na história do Brasil. Passamos atualmente por uma crise sem precedentes.


Por que sua organização desafia as leis da física

Organizações são como seres vivos. Ambos desafiam as leis da termodinâmica e tentam reter a energia, cuja tendência natural da entropia é fazer com que se dissipe.