Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Infertilidade: de quem é a culpa?

Infertilidade: de quem é a culpa?

04/06/2017 Dr. Luiz Fernando Carvalho

A infertilidade atinge um em cada 10 casais no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde

Infertilidade: de quem é a culpa?

Ela é diagnosticada a partir de uma consulta do casal, por isso é tão importante que a mulher informe ao ginecologista quando deseja engravidar e também que o parceiro participe dessa primeira consulta para que o profissional possa ter as informações necessárias relacionadas à fertilidade do casal.

Normalmente, as principais questões a serem levantadas pelo médico quando o tema é fertilidade são: o histórico de saúde da mãe da paciente (se ela parou de menstruar cedo, por exemplo), se a paciente já passou por algum tipo de cirurgia ou se já teve alguma doença ginecológica grave, se ela menstrua regularmente, se tem dor no período menstrual ou dor para ter relações sexuais e também qual o nível de ejaculação do parceiro (se visivelmente ele expele pouco sêmen).

As suspeitas do profissional devem ser certificadas por exames e, se diagnosticada a infertilidade, ele deve indicar o melhor tratamento de reprodução assistida. Quando o bebê não vem, a primeira possibilidade que vem à mente é que o problema está na mulher, mas isso não é um fato.

Estatisticamente, 40% da dificuldade é fator feminino, 40% masculino e 20% é fator do casal, isto é, não existe um “culpado” pela infertilidade, mas sim fatores que podem estar presentes no homem e mulher e que levam à dificuldade para engravidar.

Como saber se tenho algum problema?

Na medicina reprodutiva, utilizamos uma métrica muito importante que serve de alerta para o casal. Se a mulher tem até 35 anos de idade a tentativa de engravidar deve ser de até um ano.

Passado esse período é necessário buscar ajuda de um especialista em reprodução humana para investigar o problema. Caso a mulher tenha mais de 35, ela deve tentar até seis meses. Se o bebê não vier, é sinal de que algo está pode estar errado (com a mulher ou com o homem).

Um check-up da fertilidade permite descobrir precocemente se existe algum problema com a fertilidade do casal.

* Dr. Luiz Fernando Carvalho é ginecologista especializado em reprodução humana e endometriose e diretor do Baby Center Medicina Reprodutiva.



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.