Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Infertilidade: de quem é a culpa?

Infertilidade: de quem é a culpa?

04/06/2017 Dr. Luiz Fernando Carvalho

A infertilidade atinge um em cada 10 casais no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde

Infertilidade: de quem é a culpa?

Ela é diagnosticada a partir de uma consulta do casal, por isso é tão importante que a mulher informe ao ginecologista quando deseja engravidar e também que o parceiro participe dessa primeira consulta para que o profissional possa ter as informações necessárias relacionadas à fertilidade do casal.

Normalmente, as principais questões a serem levantadas pelo médico quando o tema é fertilidade são: o histórico de saúde da mãe da paciente (se ela parou de menstruar cedo, por exemplo), se a paciente já passou por algum tipo de cirurgia ou se já teve alguma doença ginecológica grave, se ela menstrua regularmente, se tem dor no período menstrual ou dor para ter relações sexuais e também qual o nível de ejaculação do parceiro (se visivelmente ele expele pouco sêmen).

As suspeitas do profissional devem ser certificadas por exames e, se diagnosticada a infertilidade, ele deve indicar o melhor tratamento de reprodução assistida. Quando o bebê não vem, a primeira possibilidade que vem à mente é que o problema está na mulher, mas isso não é um fato.

Estatisticamente, 40% da dificuldade é fator feminino, 40% masculino e 20% é fator do casal, isto é, não existe um “culpado” pela infertilidade, mas sim fatores que podem estar presentes no homem e mulher e que levam à dificuldade para engravidar.

Como saber se tenho algum problema?

Na medicina reprodutiva, utilizamos uma métrica muito importante que serve de alerta para o casal. Se a mulher tem até 35 anos de idade a tentativa de engravidar deve ser de até um ano.

Passado esse período é necessário buscar ajuda de um especialista em reprodução humana para investigar o problema. Caso a mulher tenha mais de 35, ela deve tentar até seis meses. Se o bebê não vier, é sinal de que algo está pode estar errado (com a mulher ou com o homem).

Um check-up da fertilidade permite descobrir precocemente se existe algum problema com a fertilidade do casal.

* Dr. Luiz Fernando Carvalho é ginecologista especializado em reprodução humana e endometriose e diretor do Baby Center Medicina Reprodutiva.



Habilidades socioemocionais podem ser aprendidas

Desde o início da infância, as pessoas aprendem um conjunto de comportamentos que são utilizados nas diferentes interações sociais.


Entenda porque amor é diferente de paixão

Você sabe diferenciar o amor da paixão?


A finalidade e controle das ONGs

O mais adequado não é combatê-las, mas manter sob controle as suas ações como forma de evitar desvio de finalidade, corrupção e outras distorções.


A reforma da máquina pública

A aprovação da reforma da Previdência, pela Câmara dos Deputados, é um avanço do governo.


Os desafios da maternidade e do mercado de trabalho

Ter filhos não é fator de impedimento para uma mulher trabalhar.


Todos querem ser ricos…

Mais vale pobreza, com paz e consciência limpa, que riqueza, sem sossego, alma escurecida, e pesados de remorsos.


A importância de empoderar nossas meninas

Fatores culturais de valorização do masculino, enraizados desde sempre na nossa sociedade, afetam a autoestima e a confiança feminina.


Advogados e Cursos jurídicos

Onze de Agosto é o Dia da Fundação dos Cursos de Direito e é também o Dia do Advogado.


Empresas e paternidade: uma mudança a ser nutrida

Daqui a cinco ou dez anos, nem você nem ninguém se lembrará com precisão da tarefa que está fazendo no trabalho neste minuto.


Ética de advogados e juízes

A advocacia e a magistratura têm códigos de ética diferentes.


Quem se beneficia da coisa pública é corrupto

Coisa pública não pode ser confundida com coisa privada.


Pai é quem ama e cuida

Ao contrário do que muitas pessoas pensam, pai não é somente quem nos gerou.