Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Infertilidade: de quem é a culpa?

Infertilidade: de quem é a culpa?

04/06/2017 Dr. Luiz Fernando Carvalho

A infertilidade atinge um em cada 10 casais no Brasil, segundo dados da Organização Mundial da Saúde

Infertilidade: de quem é a culpa?

Ela é diagnosticada a partir de uma consulta do casal, por isso é tão importante que a mulher informe ao ginecologista quando deseja engravidar e também que o parceiro participe dessa primeira consulta para que o profissional possa ter as informações necessárias relacionadas à fertilidade do casal.

Normalmente, as principais questões a serem levantadas pelo médico quando o tema é fertilidade são: o histórico de saúde da mãe da paciente (se ela parou de menstruar cedo, por exemplo), se a paciente já passou por algum tipo de cirurgia ou se já teve alguma doença ginecológica grave, se ela menstrua regularmente, se tem dor no período menstrual ou dor para ter relações sexuais e também qual o nível de ejaculação do parceiro (se visivelmente ele expele pouco sêmen).

As suspeitas do profissional devem ser certificadas por exames e, se diagnosticada a infertilidade, ele deve indicar o melhor tratamento de reprodução assistida. Quando o bebê não vem, a primeira possibilidade que vem à mente é que o problema está na mulher, mas isso não é um fato.

Estatisticamente, 40% da dificuldade é fator feminino, 40% masculino e 20% é fator do casal, isto é, não existe um “culpado” pela infertilidade, mas sim fatores que podem estar presentes no homem e mulher e que levam à dificuldade para engravidar.

Como saber se tenho algum problema?

Na medicina reprodutiva, utilizamos uma métrica muito importante que serve de alerta para o casal. Se a mulher tem até 35 anos de idade a tentativa de engravidar deve ser de até um ano.

Passado esse período é necessário buscar ajuda de um especialista em reprodução humana para investigar o problema. Caso a mulher tenha mais de 35, ela deve tentar até seis meses. Se o bebê não vier, é sinal de que algo está pode estar errado (com a mulher ou com o homem).

Um check-up da fertilidade permite descobrir precocemente se existe algum problema com a fertilidade do casal.

* Dr. Luiz Fernando Carvalho é ginecologista especializado em reprodução humana e endometriose e diretor do Baby Center Medicina Reprodutiva.



Enfrentando o luto diante da pandemia

A perda de um ente querido já é dolorosa por si só, e diante dessa pandemia, ao passarmos pelas etapas sem velório e funeral, se torna mais dolorida.


O Papa e a homossexualidade

O Papa Francisco declarou que as uniões homossexuais devem ser legalmente reconhecidas.


O PIB e os processos migratórios do ensino superior

As vidas de Alexandre e Letícia se encontraram quando se conheceram em uma grande universidade particular da capital paranaense – ela cursava Comunicação e ele, Engenharia.


Falsos profetas da renda variável

Os juros sempre foram altos no Brasil.


Mutilações Subjetivas: Holocausto Escolar

Indignar-se! Envergonhar-se! Esperançar-se! Já dizia o poeta Walter Franco, “viver é afinar o instrumento (que somos nós!), de dentro pra fora, de fora pra dentro”.


Longevidade e perspectivas na oncologia

As campanhas como Outubro Rosa e Novembro Azul têm o papel essencial de alertar a população para as doenças oncológicas.


Um verdadeiro estadista

Agora, aos 85 anos, completados em maio, a pandemia fez com que Mujica decidisse pela renúncia a um cargo que, como explicou, exige muito contato com a população.


A participação política dos profissionais da educação

Precisamos ser voz daqueles que não tem voz, usar nossa influência para que os parlamentares saibam que sem o voto, eles não podem continuar na vida pública.


O Líder da Consciência Empresarial Humanizada

Iniciei este trabalho sem muita clareza sobre o tema “Quem são os nossos líderes no mundo novo?”.


Aprender português com o Eça

Não sou filólogo nem purista, nem sequer escritor. Limito-me a ser modesto cronista, e deixo fugir – para minha vergonha, – calinadas, que muito me desgostam.


Uma paz ruim é melhor do que uma boa guerra

Em uma edição recente de um jornal, o Embaixador do Azerbaijão fez um esforço para justificar a agressão de seu país – a guerra mais feroz por enquanto do século XXI – contra Nagorno-Karabakh.


O stress e a inadimplência

O cenário econômico brasileiro não é dos melhores.