Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inovação é palavra de ordem em empresas competitivas

Inovação é palavra de ordem em empresas competitivas

19/10/2013 Enio Feijó

Não é novidade que, para ocupar um lugar de destaque no mercado, é importante ser competitivo. Isto significa: ter preço, qualidade e produtividade.

A maioria das empresas vem agindo em cada uma dessas frentes há um bom tempo. Mas, diante dos novos desafios que se agigantam em nível global, a palavra de ordem agora é INOVAÇÃO. Se inovar faz parte do velho mandamento de determinados segmentos da economia, como o de tecnologia, por exemplo, agora atinge um novo patamar. É preciso inovar produtos, serviços, processos de produção, de logística e até mesmo métodos de gestão.

Ou seja, tudo o que se faz na empresa, sempre com foco nas necessidades dos clientes e nos processos de valor do negócio (core business processes). Existem dois tipos de inovação: radical e incremental. O primeiro trata do desenvolvimento de produtos, serviços ou processos que levam a mudanças significativas das práticas existentes. Geralmente, modifica o modelo de negócios vigente. O segundo tipo diz respeito a melhorias contínuas em produtos ou processos.

Geralmente, representam pequenos avanços nos benefícios e não chegam a modificar de forma expressiva como o produto é consumido. Está claro que inovações radicais se impõem sobre inovações incrementais, mas é preciso dar valor a ambas – já que, enquanto as radicais causam grande impacto, as incrementais são mais rápidas e ocorrem em maior volume, promovendo pequenas mudanças e ajustes em produtos e processos.

Nos dois casos, entretanto, é importante chamar atenção para cinco cuidados que devem ser tomados ao iniciar um programa de inovação: Garantir que executivos e principais líderes estejam articulados com o programa; Identificar produtos e processos-chave para o negócio; Desenvolver estratégia de implantação e objetivos de longo prazo para a iniciativa. De preferência, a estratégia e os objetivos devem ser desenvolvidos por um colegiado de alto nível da organização; Comunicar exaustivamente a iniciativa para ‘toda’ a organização; Contar com uma estrutura mínima para suportar a iniciativa.

Para que o processo de inovação não se transforme em um programa de sugestões que sobrecarregue a organização – sem levar exatamente a resultados palpáveis –, é importante que seja conduzido por equipes multifuncionais, focadas nos objetivos principais. O primeiro passo é mapear os principais processos do negócio (core business processes), medindo o rendimento (output) para conhecer sua eficiência. Sem isso, é impossível classificar e quantificar as melhorias provenientes das inovações.

Outro passo importante é garantir a estabilidade dos processos, levando em consideração que a forma como são executadas as atividades deve ser padronizada – caso contrário, os dados ou informações obtidas desses processos não serão bem aproveitados em novas inciativas, exigindo retrabalho. Com relação à cultura organizacional, antes de dar o chute inicial no programa é fundamental garantir que a empresa tenha uma cultura interna que valoriza a criatividade e novas ideias.

Cabe aos gestores checar se a organização estimula a comunicação e a troca de conhecimento. Como o desenvolvimento de inovações costuma ocorrer por meio de projetos, é importante garantir subsídios para uma boa gestão – já que a principal função dos projetos é organizar atividades que vão transformar ideias de inovação em realidade. Ter total domínio de técnicas de gestão de projetos, portanto, é ponto fundamental para qualquer processo de mudança. Por fim, é necessário que se estabeleçam formas para mensurar o impacto da inovação na empresa.

Os gestores devem estar aptos a estabelecer os indicadores-chave de desempenho para iniciativas dentro da empresa, influenciando preço, qualidade, produtividade e competitividade.

*Enio Feijó é consultor e especialista em Melhoria Contínua, instrutor do Six Sigma Academy & Company (USA), professor de Gestão da Qualidade do CEA (Centro de Estudos Automotivos), da FEI e FGV.



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.