Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inspiração e transpiração: inovação colaborativa garante histórias de sucesso

Inspiração e transpiração: inovação colaborativa garante histórias de sucesso

20/12/2021 Ornella Nitardi

Mais um ano acabando – e como voou este ano! Creio que esta opinião é uma unanimidade.

Talvez tenha passado tão rápido porque nos adaptamos ao trabalho remoto, educação à distância, às inúmeras conversas e reuniões transmitidas pelas plataformas digitais. Até feiras, eventos e confraternizações migraram para o novo formato, mais seguro para a saúde de todos.

E não foi diferente para nós do Centro de Experiências Científicas e Digitais da BASF, o onono, que criamos um espaço físico dedicado à inovação colaborativa, mas que já contava com toda a infraestrutura digital e felizmente estava preparado fazer essa migração das atividades.

Este ano o trabalho foi intenso, com muita inspiração – e transpiração, para nos consolidarmos como ponto focal para os esforços de inovação colaborativa com clientes e parceiros, indo além da oferta de soluções químicas.

Procuramos entender qual é a “dor”, o problema que nosso parceiro busca resolver e nos inserimos num ecossistema para solucionar.

Estamos unindo elos, abrindo cada vez mais a BASF, que tradicionalmente já é muito inovadora em suas soluções, mas permitindo a troca com outros atores e criando em conjunto, oferecendo novas oportunidades e possibilidades para os nossos clientes.

Entre os desafios que trabalhamos, houve o desenvolvimento de produto para cosmética com economia de água, mas que também é mais sustentável do ponto de vista de embalagem e da isenção de poluentes.

Nós não temos necessariamente todas as soluções para o novo produto, mas, inserindo a questão no ecossistema de inovação, atraímos empresas que oferecem possibilidades diversas, desde ferramentas digitais a ingredientes naturais.

Assim, estamos colaborando para a criação de produtos melhores para o nosso cliente e para o consumidor.

Foram desenvolvidas outras propostas em conjunto com parceiros das indústrias do papel, automotiva, bem como dos negócios BASF. Está sendo gratificante receber o retorno extremamente positivo de todos os participantes desse desafio.

Essa cultura colaborativa tem mudado a mentalidade das diversas áreas de negócios da empresa, que já estão se abrindo para novas oportunidades e estão crescendo junto com os clientes nessa jornada.

Temos um ótimo exemplo com a Suvinil, marca de tintas decorativas da BASF, que lançou uma oficina de ideação para as suas embalagens junto com a Braskem orientada a estudantes de design para repensar as embalagens e que gerem uma melhor experiência para o consumidor, do momento da compra até a aplicação, com o menor impacto ambiental possível.

Este ano realizamos dez desafios com a nossa Central de Startups e comemoramos o fato de a empresa ser novamente considerada a empresa a TOP 1 da Indústria Química e, este ano, a 4ª colocada no ranking das TOP 100 Open Corps 2021, como reconhecimento às nossas diversas incursões em inovação aberta com foco em startups.

Nesse balanço positivo de um ano onde predominou o digital, foram realizadas mais de 23 mil conexões on e off line.

Realizamos mais de 95 live webinars, alcançando mais de 33 mil participantes e abordando desde temas técnicos, elaborados por nossas áreas de negócios, passando por ESG, diversidade e inclusão, sempre com a proposta de inspirar e colaborar para a construção de uma jornada positiva.

Cerca de 50 estudantes participaram do Programa Universidades com um desafio de tecnologias voltadas para a gestão logística.

No canal [e]motion levantamos temas de negócios e carreira voltado a profissionais e pequenas e médias empresas e contamos com cerca de 1600 participantes, que assistiram a 13 webinars, inclusive realizados com outras empresas e organizações. Aliás, todo esse rico conteúdo segue disponível gratuitamente na plataforma onono+.

O público interno também teve o seu exclusivo BASF Channel+ que trouxe assuntos relevantes e estratégicos, voltados ao letramento em sustentabilidade e inovação.

Buscando captar o lado humano e os desafios que ainda estão por vir, promovemos a série Diálogos para o Futuro, reunindo personalidades do mercado que debateram sobre o futuro da sustentabilidade, da inovação e das pessoas.

Essas realizações têm sido transformadoras para todos nós e têm sido um trabalho a muitas mãos que transcende as fronteiras do onono.

Neste último trimestre testamos a retomada gradual das atividades presenciais, sempre colocando a saúde das pessoas em primeiro lugar.

Já temos várias novidades para incrementar as experiências transformadoras, que funcionarão em uma fusão entre o mundo físico e digital, conceito que vem sendo chamado de “phigital”.

Teremos a Estação de Economia Circular, para ativar toda a cadeia de valor do plástico e seus influenciadores, um media lab que inclui estúdio com infraestrutura técnica para preparação de podcasts, vodcasts, vídeos para as mais diversas finalidades.

Também estamos inaugurando nosso canal no YouTube e o podcast “Deu Química!” ampliando ainda mais o alcance das nossas mensagens.

Como um espaço de mudança cultural, procuramos nos antecipar com inovações que atendam às necessidades da sociedade e que contribuam genuinamente para o nosso propósito de criar química para um futuro sustentável.

Com todas essas iniciativas, queremos reforçar o quanto nós somos um agente de “future readyness”: agregando valor de forma significativa ao negócio dos nossos clientes como apaixonados por desafios e como caçadores de soluções.

E você, também está preparado para o presente e de olho no futuro? Então venha para o onono e vamos cocriar.

* Ornella Nitardi é gerente de Inovação Aberta e Ecossistemas Digitais para América do Sul da BASF.

Para mais informações sobre inovação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Máquina CW



Gestão empresarial e perspectivas para 2022

Após mais um ano de pandemia, a alta administração das empresas priorizou a sobrevivência enquanto teve de lidar com expectativas frustradas.


O que a pandemia nos ensinou sobre fortalecer nossas parcerias

A pandemia da COVID-19 forçou mudanças significativas na operação de muitas empresas.


O barulho em torno do criado-mudo

Se você entrar agora no site da Amazon e escrever (ou digitar) “criado-mudo”, vai aparecer uma resposta automática dizendo que você não deve usar essa expressão porque ela é racista.


Reputação digital: é possível se proteger contra conteúdos negativos

O ano é 2022 e há quem pense que a internet ainda é uma terra sem lei. A verdade é que a sociedade avançou e o mundo virtual também.


Questão de saúde pública, hanseníase ainda é causa de preconceito e discriminação

Desde 2016, o Ministério da Saúde realiza a campanha Janeiro Roxo, de conscientização sobre a hanseníase.


Desafios para o Brasil retomar o rumo

A tragédia brasileira está em cartaz há décadas.


Mortes e lama: até quando, Minas?

Tragédias no Brasil são quase sempre pré-anunciadas. É como se pertencessem e integrassem a política de cotas. Sim, há cotas também para o barro e a lama. Cota para a dor.


Proteção de dados de sucesso

Pessoas certas, processos corretos e tecnologia adequada.


Perspectivas e desafios do varejo em 2022

Como o varejo lida com pessoas, a sua dinâmica é fascinante. A inclusão de novos elementos é constante, tais como o “live commerce” e a “entrega super rápida”.


Geração millenials, distintas facetas

A crise mundial – econômica, social e política – produzida pela transformação sem precedentes da Economia 4.0 coloca, de forma dramática, a questão do emprego para os jovens que ascendem ao mercado de trabalho.


Por que ESG e LGPD são tão importantes para as empresas?

ESG e LGPD ganham cada vez mais espaço no mundo corporativo por definirem novos valores apresentados pelas empresas, que procuram melhor colocação no mercado, mais investimentos e consumidores satisfeitos.


O Paradoxo de Fermi e as pandemias

Em uma descontraída conversa entre amigos, o físico italiano Enrico Fermi (1901-1954) perguntou “Onde está todo mundo?” ao analisarem uma caricatura de revista que retratava alienígenas, em seus discos voadores, roubando o lixo de Nova Iorque.