Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Instituições fortes, País forte!

Instituições fortes, País forte!

07/05/2012 Pedro Melo

A atração de investimentos internacionais produtivos está inserida entre os fatores de base para que um país atinja e consolide seu crescimento de modo sustentado.

No entanto, diferentemente do capital especulativo, que geralmente busca condições instantâneas que garantam o lucro no curto ou médio prazo, os aportes na implantação ou ampliação de negócios somente são de fato efetivados quando uma série de condições mínimas é garantida, já que o retorno é esperado em longos períodos.

O investidor produtivo tem de observar, portanto, não apenas o momento atual que vive um país, mas precisa traçar perspectivas e expectativas ao longo de anos, sempre considerando todos os fatores que envolvem o empreendimento e que permitirão o almejado retorno financeiro. Nesse sentido, elementos como a estabilidade política e econômica, a existência de um marco legal e regulatório bem estruturado e a confiabilidade demonstrada pelas instituições nacionais são decisivos para indicar a estabilidade esperada para os que os ganhos projetados viabilizem-se.

Nesse contexto, é com grande satisfação que observamos que nossas instituições têm se fortalecido sistematicamente, sempre na direção dos padrões de exigência impostos pelos players e autoridades do mercado global. Dois exemplos dessa tendência acabam de ser dados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

O primeiro refere-se à decisão que garantiu ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) a prerrogativa de realizar investigações destinadas a punir deslizes de magistrados de todo o País, independentemente da atuação das corregedorias dedicadas ao Tribunal de Justiça de cada Estado. Esta importante instituição continua somando-se às demais instâncias dedicadas a apurar irregularidades praticadas por integrantes do Judiciário.

O segundo diz respeito à validade, já nas eleições municipais deste ano, da chamada Lei da Ficha Limpa, destinada a impedir a candidatura a cargos eletivos de pessoas condenadas por decisão colegiada em razão de uma série de ilícitos, como crimes contra a administração pública e o sistema financeiro; irregularidades eleitorais; abuso de autoridade; lavagem de dinheiro; tráfico de drogas; tortura; racismo; trabalho escravo; e formação de quadrilha.

Ambas as notícias tiveram grande repercussão e provocaram reações, geralmente positivas, entre instituições, organizações, autoridades e também no mercado local e internacional. Por nossa atuação global, o contato direto e constante com especialistas da rede de firmas-membro da KPMG e também pelo atendimento a agentes e empresas de todo o mundo que fazem ou querem fazer negócios com o Brasil, percebemos que notícias como essas têm reforçado a percepção positiva sobre o País e suas instituições.

Devemos lembrar que há, nesse sentido, outras contribuições dos poderes Executivo e Legislativo nas esferas federal, estaduais e municipais. Tudo somado, o Brasil tem conseguido galgar um novo patamar de exposição no cenário internacional. Por exemplo, em 2011, o país atraiu mais de US$ 66 bilhões em investimentos diretos. E quanto mais nossas instituições reforçarem suas bases, certamente melhores serão as captações produtivas vindas do exterior, o que contribui para a consolidação de nosso crescimento sustentado.

*Pedro Melo é presidente da KPMG no Brasil.



O poder da conexão entre a empresa, seus colaboradores e consultores de venda

Muitos são os benefícios gerados a partir das convenções e dos encontros realizados pelas companhias a seus colaboradores, consultores de venda e parceiros.


Meu avô e sua consulta médica: a pinga ou a vida!

Nascido Adelerme Freilandes de Souza Villaflor, o meu avô, ao se casar, resolveu simplificar o seu nome para Adelerme Ferreira de Souza, mas era conhecido em Manga e redondezas como Seu Délio.


Dia da Advocacia Criminal: desafios, união, coragem e resistência

Nós, advogadas e advogados criminalistas, somos essenciais para o Estado Democrático de Direito na medida em que cumprimos a nossa legítima missão - com observância aos ditames da Constituição Federal - na defesa da cidadania e na busca pela concretização da justiça.


Limites ao STF e o fim da reeleição

A política e a administração pública brasileiras deverão passar por radical mudança nos próximos meses.


Você sabe o que é a síndrome do impostor?

Um artigo publicado na Frontiers in Psychology destacou algumas características-chave de personalidade associadas à síndrome do impostor.


Decisão controversa do STF sobre responsabilização da imprensa

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na quarta-feira (29) que os veículos de imprensa podem ser responsabilizados por fala de seus entrevistados, quando houver indícios concretos de falsidade em relação a imputação ou quando o veículo deixar de observar o cuidado na verificação da veracidade dos fatos.


Um representante político no STF

Um representante político no STF: Flávio Dino (PSB).


Já dá pra fazer o próximo planejamento tributário?

O exercício financeiro das empresas no Brasil coincide com o próprio calendário, de forma que já sabemos que ele começa no dia 1º de janeiro e termina no dia 31 de dezembro do ano vigente.


Advento: espera do Senhor que vem

A Igreja Católica se prepara para um tempo muito importante em sua liturgia: o Tempo do Advento, que é próprio do Ocidente e foi constituído em vista da celebração do Natal.


Repentinas reações da natureza

2023 está na reta final. O ano começou com ares amenos, mas logo foram surgindo acontecimentos marcantes.


Habilidades para diminuir a sobrecarga de informações

O excesso de informações pode ser esmagador e levar à confusão mental. Temos à disposição muitos caminhos a seguir e pouca direção sobre para onde devemos ir.


No papel cabe tudo, mas e no coração?

Há 75 anos, em Paris, era assinada a Declaração de Direitos Humanos pelas maiores potências do mundo – também pelas menores e as, então, consideradas irrelevantes.