Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inteligência Artificial: futuro gerador de empregos

Inteligência Artificial: futuro gerador de empregos

31/07/2018 Marildo Matta

Ao contrário do que se espera, ou teme, a Inteligência Artificial criará mais empregos no futuro.

Inteligência Artificial: futuro gerador de empregos

A estimativa é que serão geradas, pelo menos, dois milhões de vagas até 2025. Porém, um contraponto importante levantado pelo relatório da McKinsey Global Institute é que 30% dos empregos atuais mundiais poderão ser automatizados até 2030.

Então, a pergunta que surge é: Como serão as profissões e os profissionais daqui a alguns anos? É nítido que os seres humanos terão que se readaptar à nova realidade e que algumas funções, antes executadas por pessoas, serão feitas somente por máquinas.

Com a chegada da Transformação Digital, o universo corporativo e os negócios como um todo foram forçados a se adaptarem e traçar novas estratégias de sobrevivência. Implantar e sustentar mudanças tecnológicas significativas nas empresas é uma tarefa que exige planejamento e, acima de tudo, que os colaboradores estejam engajados e prontos para mergulharem no digital.

Pessoas que insistirem em não aceitar essa transformação e manter os processos de trabalho ultrapassados perderão competitividade no mercado. Segundo o Gartner, o ano de 2020 será marcado pelo aumento da geração de empregos, e o ponto interessante é que a IA se tornará um positivo motivador desse acontecimento.

Além do surgimento de novas frentes de atuação, estudos estimam que a forte presença da IA no mundo corporativo fará com que setores como o da educação, saúde e do governo tenham uma crescente demanda de empregos.

Melhorar a produtividade, reduzir o número de falhas e aumentar a qualidade dos serviços e produtos oferecidos são metas de todas as empresas. E esse patamar de excelência só pode ser alcançado com o auxílio da tecnologia. A Inteligência Artificial, por sua vez, irá aumentar a eficácia e dará oportunidades para os funcionários atuarem com trabalhos que exigem raciocínio e estratégia.

Para os líderes de TI, o momento é de entender essas transformações tanto nas empresas, como nos quadros de funções dos colaboradores e incentivar a familiarização com a IA para enriquecer o emprego das pessoas, reimaginar tarefas antigas e criar soluções.

É hora de transformar a cultura organizacional para torná-la rapidamente adaptável a oportunidades ou ameaças relacionadas a essa tecnologia. Estudos ainda apontam que, em 2022, um em cada cinco trabalhadores envolvidos nas tarefas não rotineiras dependerão da Inteligência Artificial para executar um trabalho.

Segundo estimativas do Gartner, essa aderência da tecnologia nas empresas deve gerar US$ 2,9 trilhões em valor comercial e recuperar 6,2 bilhões em horas de produtividade do trabalhador.

A ideia de implantar essa tecnologia nas corporações é que ela sirva para ajudar os seres humanos, em vez de substituí-los, uma vez que a sua combinação com as máquinas funciona de forma mais eficaz e assertiva.

Conhecer os benefícios das tecnologias nos faz refletir e ter a certeza de que o avanço da Transformação Digital aconteceu não para prejudicar os profissionais, nem para tirar seus cargos.

É uma vantagem que veio para tirar das pessoas a responsabilidade de fazer trabalhos braçais ou repetitórios e mostrar que esses colaboradores têm a oportunidade de mostrar capacidade suficiente para executar tarefas mais importantes para o andamento dos negócios: a parte estratégica.

Se cada um, humano e máquina, fizer seu papel com eficiência e juntos, os processos tendem a melhorar. A Inteligência Artificial está incumbida de executar com excelência, o ser humano está incumbido de analisar esse trabalho e dar sua palavra final.

* Marildo Matta é Diretor de Inteligência Artificial da Plusoft.

Fonte: PLANIN



O peso da improbidade no destino das pessoas

O homem já em tempos pré-históricos se reunia em volta das fogueiras onde foi aperfeiçoada a linguagem humana.


Mercado imobiliário: muito ainda para crescer

Em muitos países, a participação do mercado imobiliário no Produto Interno Bruto (PIB) está acima de 50%, enquanto no Brasil estamos com algo em torno de 10%.


Entender os números será requisito do mercado de trabalho

Trabalhar numa empresa e conhecer os seus setores faz parte da rotina de qualquer colaborador. Mas num futuro breve esse conhecimento será apenas parte dos requisitos.


Quais os sintomas da candidíase?

A candidíase é uma infecção causada por uma levedura (um tipo de fungo) chamada Candida albicans.


Entenda o visto humanitário para ucranianos

A invasão da Ucrânia pela Rússia, iniciada em 24 de fevereiro, já levou mais de 4 milhões de ucranianos a deixarem seu país em busca de um lugar seguro.


Exigência de vacina não é motivo para rescisão indireta por motivo ideológico

Não se discute mais que cabe ao empregador, no exercício de seu poder diretivo e disciplinar, zelar pelo meio ambiente de trabalho saudável.


A governança de riscos e gestão em fintechs

Em complemento às soluções e instituições financeiras já existentes, o mercado de crédito ficou muito mais democrático com a expansão das fintechs.


6 passos para evitar e mitigar os danos de ataques cibernéticos à sua empresa

Ao longo de 2021 o Brasil sofreu mais de 88,5 bilhões (sim, bilhões) de tentativas de ataques digitais, o que corresponde a um aumento de 950% em relação a 2020, segundo um levantamento da Fortinet.


Investimentos registram captação de R$ 46 bi no primeiro trimestre

O segmento de fundos de investimentos fechou o primeiro trimestre de 2022 com absorção líquida de R$ 46,1 bilhões, movimentação de 56,9% menor do que o observado no mesmo período de 2021.


Não são apenas números

Vinte e duas redações receberam nota mil, 95.788, nota zero, e a média geral de 634,16.


Formas mais livres de amar

A busca de afeição, o preenchimento da carência que nos corrói as emoções, nos lança a uma procura incessante de aproximação com outra pessoa: ânsia esperançosa de completude; algum\a outro\a me vai fazer feliz.


Dia da Educação: transformação das pessoas, do mercado e da sociedade

A Educação do século 21 precisa, cada vez mais, conciliar as competências técnicas e comportamentais.