Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Inteligência espiritual

Inteligência espiritual

24/09/2017 Salvatore D' Onofrio

A meu ver, não existe nada de natureza divina no ser humano.

Parece-me que há alguns estudiosos de psicologia que costumam misturar ciência com religião, duas atividades mentais bem distintas, com metodologias irreconciliáveis, pois a primeira está baseada no raciocínio lógico e na experimentação e a segunda na crença nas palavras de presumidos profetas ou na fantasia, o templo comum da religião e da arte.

Fiquei intrigado com a leitura do artigo "A inteligência que vem da alma" (Revista Bem Estar, Diário da Região, 17/-9-17), em que a jornalista Gisele Bortoleto relata a descoberta por neuropsicólogos norte-americanos daquilo que está sendo chamado de "Ponto de Deus" no cérebro humano.

Se entendi corretamente, teriam encontrado conexões neurais específicas de um tipo de inteligência que eles denominam de "espiritual", porque viria da alma humana por um contato com o divino que estaria dentro de nós, independentemente de qualquer profissão de fé ou até de ateísmo.

A meu ver, não existe nada de natureza divina no ser humano, pois a inteligência é apenas um produto do cérebro, órgão do corpo humano que nos faz pensar e sentir, assim como o coração impulsiona nosso sangue.

Evidentemente, o cérebro, como qualquer outro órgão, pode ser analisado cientificamente, encontrando-se diferentes fases ou tipos de atividade mental, na dependência de fatores genéticos e educacionais.

Poderíamos chamar de "espiritual" a inteligência de gênios e benfeitores da humanidade (grandes filósofos, cientistas, artistas) e dos mortais comuns que praticam o autoconhecimento, têm uma visão integrada da realidade e se preocupam com o bem estar da coletividade, convencidos de que ninguém pode progredir e ser feliz sozinho.

* Salvatore D´Onofrio é Dr. pela USP e Professor Titular pela UNESP.



Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.


Sociedade civil e a defesa da democracia

As últimas aparições e discursos do presidente da República vêm provocando uma nova onda de empresários, instituições e figuras públicas em defesa da democracia e do sistema eleitoral no Brasil.


Para além do juramento de Hipócrates: a ética na prática médica

“Passarei a minha vida e praticarei a minha arte pura e santamente. Em quantas casas entrar, fá-lo-ei só para a utilidade dos doentes, abstendo-me de todo o mal voluntário e de toda voluntária maleficência e de qualquer outra ação corruptora, tanto em relação a mulheres quanto a jovens.” (Juramento de Hipócrates).


O sentido da educação

A educação requer uma formação pessoal, capaz de fazer cada ser humano estar aberto à vida, procurando compreender o seu significado, especialmente na relação com o próximo.