Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Jogo empatado: crise europeia faz dólar alcançar valor do euro

Jogo empatado: crise europeia faz dólar alcançar valor do euro

21/07/2022 Gabriele Couto

Tão logo começamos a sentir os principais efeitos econômicos das medidas de contenção e combate à pandemia em todo o mundo, uma crise tão grave quanto voltou a assombrar a economia global.

A ofensiva russa contra a Ucrânia, iniciada no fim de fevereiro, interrompeu o fornecimento de gás e petróleo para a Europa e de outros insumos para os demais continentes.

O principal impacto para o Brasil, por exemplo, foi a desestabilização das remessas de fertilizantes agrícolas russos, que são responsáveis por alimentar nada menos que 85% do agronegócio brasileiro.

Isso ajuda a explicar, em parte, o porquê da inflação nacional acima dos 10%, puxada pelas várias altas dos preços dos produtos alimentícios.

Mas, desconsiderando as diferenças sociais, nossos problemas ainda conseguem menos inquietantes do que os que se passam na Europa.

Além do aspecto geográfico, que naturalmente coloca o continente no epicentro do conflito, há também uma grave escassez de energia.

O posicionamento dos principais líderes europeus favoráveis à Ucrânia provocou um clima de temor diante da ameaça russa de literalmente fechar as torneiras que conduzem o gás para outros países europeus.

Isso vem fragilizando gradativamente a economia europeia, altamente dependente de gás, criando um cenário de instabilidade que afeta diretamente o valor do euro.

A tal ponto de, pela primeira vez em 20 anos, o dólar alcançar o mesmo valor da moeda oficial da União Europeia. Em alguns dias deste mês de julho, a moeda americana chegou inclusive a operar com um valor sutilmente superior.

Na prática, não há regras de mercado que definam que a estabilidade da economia mundial dependa de que o euro mantenha uma cotação superior à do dólar. Aliás, do ponto de vista de oferta e demanda essas oscilações são normais.

No entanto, há de se ter em mente que esse movimento mais acentuado pode ser um prelúdio do que espera a economia europeia.

Não por acaso, já há uma fuga de capital da Europa, em direção a mercados mais seguros. Isto significa que os ativos europeus estão sendo substituídos por investimentos dolarizados.

A tendência, hoje, é de evitar a canalização de aplicações em ativos do Velho Continente. Observar os novos capítulos do conflito e as decisões diplomáticas da Rússia diante dos vizinhos europeus pode dizer muito sobre os movimentos do euro nos próximos meses.

Não obstante, valer frisar que no cenário atual a expectativa é de que no curto prazo euro acumule mais desvalorização frente à moeda americana.

Isso porque, diante do contexto inflacionário nos Estados Unidos, o Federal Reserve tende a adotar medidas mais duras em relação à política de aperto monetário. A alta dos juros na economia americana tende a acentuar o fluxo de investimentos no país.

Nesse sentido, embora na economia brasileira, a paridade entre dólar e euro também não tenha grandes efeitos - uma vez que fazemos paridade primeiro do real com o dólar e depois do dólar com o euro - a atenção dos investidores deve estar voltada para a dinâmica de apreciação da moeda americana que impacta diretamente outras variáveis da economia, como é o caso dos preços das commodities que são dados em dólar no mercado global.

* Gabriele Couto é economista e assessora de investimentos da Atrio Investimentos.

Para mais informações sobre economia clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.