Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Jogos para enfrentar a crise

Jogos para enfrentar a crise

22/09/2021 Gilson Schwartz

O mundo do trabalho nunca mais será o mesmo.

A avalanche provocada pela pandemia de Covid-19 levou uma parcela significativa dos trabalhadores para um lugar que é também mais um anglicismo: estamos muitos em "home office", diluindo ainda mais as fronteiras de tempo, espaço e afetos entre vida profissional e vida pessoal, enquanto o desemprego bateu às portas de milhões de indivíduos, cujas projeções de um futuro próspero foram aniquiladas, especialmente entre os mais jovens, os mais pobres e os menos brancos.

A tragédia sociossanitária agravada por governos, que desmontam políticas públicas de proteção aos mais vulneráveis, reduz ainda mais as oportunidades de emprego formal nos próximos anos e mesmo décadas.

Os desafios exigem uma aceleração de políticas de reintegração por parte de governos, instituições de ensino e corporações.

O acesso às novas tecnologias pode ser um dos mais importantes fatores para produzir essa aceleração imperativa.

A reintegração social digital de crianças, jovens, trabalhadores e famílias com acesso à banda larga e aos serviços, no entanto, já faz um tenebroso contraste com a realidade vivida por massas sem acesso ou qualificação, criando um apartheid inédito na história do trabalho.

O acesso às profissões com melhores remuneração e condições laborais já é disputado por um seleto grupo de pessoas que passaram a viver novas formas de ansiedade, estresse e depressão, assédio moral e violência doméstica.

A aceleração da reintegração social digital é no momento o único caminho para gerar novas oportunidades de trabalho e renda.

O desafio é integrar um maior número de pessoas nesta nova economia, garantindo oportunidades de sobrevivência digna, que estarão cada vez mais condicionadas pelas possibilidades de criação e multiplicação do conhecimento conectado por meio de redes.

É a promoção da economia criativa, que abre portas surpreendentes, como a chamada gamificação de processos, produtos e serviços.

Hoje, o mercado de games superou o faturamento da indústria de cinema e música, juntos. Com o fechamento de teatros, cinemas e casas de shows devido à pandemia, ganhou força a demanda por conteúdo para o setor.

A aceleração desse consumo, a importância e o potencial desse mercado abriria um leque de possibilidades.

Os jogos de aventura continuarão como a principal face desse setor, mas a gamificação, que é tudo o que podemos transformar em jogo, pode ser aplicada na educação, meio ambiente e saúde.

O treinamento para muitas profissões já é realizado por games específicos, e o "jogador" é também um trabalhador ou prepara-se no cotidiano para ocupar postos de trabalho. Os "e-sports" já colocam milhões diante de novos modelos de audiência e participação virtual.

Já podemos pensar em especialistas em game design, animação, áudio, gestão empreendedora, roteiro, entre outras áreas técnicas.

O estímulo para esses novos profissionais pode vir de empresas, associações, governos, mas o seu fortalecimento ocorre por meio de redes estratégicas que acompanham a evolução incessante das tecnologias, destacando-se a emergência do 5G.

A capacitação para uma boa parte dessas oportunidades está, inclusive, no aprendizado prático conquistado com o grande volume de informações disponíveis gratuitamente na rede mundial de computadores e nas interações que esses novos profissionais fazem durante a sua jornada.

A economia criativa e a gamificação em comunidades pobres ao redor do mundo têm criado oportunidades de incluir pessoas nos jogos e em redes, como ocorre com o projeto Games for Change América Latina, que desenvolvemos por meio da parceria com a Cidade do Conhecimento da USP.

Nessa teia que se vai tecendo ao redor do mundo, as experiências são trocadas de várias maneiras, rompendo barreiras e abrindo espaço para um mundo mais divertido e criativo dos games, tornando-se ainda uma fonte de conhecimento, estimulando o desenvolvimento de tecnologias e infraestruturas e animando uma nova fronteira para as políticas públicas.

Uma nova geração está diante do desafio de resgatar o sentido do trabalho e da educação, basta evitar o retorno aos velhos normais e criar estímulos a essa aceleração do jogo digital não apenas como fonte de sustento, mas de realização pessoal e possibilidade de transformação do mundo ao nosso redor.

* Gilson Schwartz é economista, sociólogo, jornalista e professor do Departamento de Cinema, Rádio e TV da ECA-USP, presidente da rede Games for Change América Latina.

Para mais informações sobre gamificação clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Ex-Libris Comunicação Integrada



Nexialista: o profissional plural do futuro ou de hoje?

Que o mercado de trabalho tem se transformado de forma cada vez mais acelerada, e o nível de exigência por profissionais talentosos é crescente dentro das empresas, todo mundo já sabe; não é verdade?


Onde a geração Z investe

O último Anuário de Retorno de Investimentos Globais do Credit Suisse, entre outras coisas, apresenta um raio-x de alternativas de financiamento para a Geração Z, aqueles que nasceram entre 1995 e 2000.


A CPI pariu um rato

Fosse hoje vivo, é o que Horácio, o pensador satírico romano diria sobre a CPI da Covid.


Como identificar um ingresso falso?

Com recorrência vemos reportagens abordando diferentes fraudes e golpes que aparecem no mercado.


A primeira visita de D. Pedro a Vítor Hugo

O livro: "Vitor Hugo chez lui", inclui a curiosa visita, realizada pelo Imperador, a 22 de Maio de 1877, ao célebre poeta.


São Frei Galvão, ‘Homem de paz e caridade’

A Igreja celebra, em 25 de outubro, a Festa de Santo Antônio de Sant’Anna Galvão, que na devoção popular é conhecido como “São Frei Galvão”.


CPI da Covid desviou-se e não sabe como terminar

Chegamos ao cume da montanha de inconveniências que povoam o cenário contemporâneo da política brasileira.


Sentimentos e emoções provocadas pela série “ROUND 6”

Nas últimas semanas estamos vivenciando uma série de críticas, comentários, “spoilers” e reflexões sobre a série sul-coreana de maior sucesso da plataforma Netflix: “Squid Game” ou “Round 6”.


Perdas e ganhos dos médicos “filhos” da pandemia

A maioria das situações com as quais nos deparamos na vida tem dois lados. Ou, até, mais de dois.


Defensoria Pública da União x Conselho Federal de Medicina

A Defensoria Pública da União (DPU) ajuizou Ação Civil Pública contra o Conselho Federal de Medicina (CFM), objetivando a condenação por danos morais coletivos no importe, pasmem senhores leitores, não inferior a R$ 60.000.000.00 (sessenta milhões de reais).


Diálogo em vez de justiça

Viver felizes para sempre parece ser um privilégio exclusivo dos casais formados nos contos de fadas.


Salvar a dignidade também é salvar a vida

Quando recebemos o diagnóstico de uma doença grave, crônica ou que ameace a vida, muita coisa muda.