Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Juros baixos, gestão de risco e sustentabilidade do crédito

Juros baixos, gestão de risco e sustentabilidade do crédito

07/05/2012 Ricardo Loureiro

A recente redução nas taxas de juros pelos principais bancos brasileiros é muito bem - vinda.

Juros mais baixos podem ser associados a aumento de consumo e de produção e, por consequência, à ampliação de emprego e renda, fazendo a “roda” da economia girar. Essa iniciativa do governo tem o objetivo de dar mais fôlego ao crédito, um dos pilares do nosso processo de desenvolvimento econômico.

E parece razoável, uma vez que o atual regime de quase pleno emprego pode sustentar nosso nível de endividamento, numa avaliação mais geral. No detalhe, porém, percebe-se que uma grande quantidade de consumidores já atingiu o limite. Os brasileiros apresentam hoje um comprometimento de renda de 22%, que já supera o dos americanos, em torno de 16%.

Essa situação, sem dúvida, contribuiu para o aumento da inadimplência em 2011. Entretanto, o que chama a atenção é que não estamos numa recessão; ao contrário, vivenciamos um ambiente de baixíssimo desemprego e aumento de renda. Parece que muita gente ficou empolgada com tanta oferta de crédito e perdeu o controle. A situação piorou quando a inflação e as taxas de juros começaram a subir. Algumas estatísticas reforçam essa tese. Em 2011, cerca de 90 milhões de brasileiros foram consultados para a realização de 350 milhões de negócios.

No período, 22,4 milhões de pessoas entraram na base de inadimplentes. A boa notícia é que 19,3 milhões conseguiram recuperar sua situação creditícia. São números expressivos da Serasa Experian que ilustram bem a dificuldade que grande parte dos consumidores teve para honrar compromissos. Outro dado preocupante é que os inadimplentes não apresentam uma ou duas dívidas em atraso, mas, sim quatro, e cerca de 60% deles possuem dívidas superiores a 100% de sua renda estimada. Claramente, uma situação de insolvência.

O consumidor noviciado no crédito potencializa esse quadro, associado à falta de controle dos gastos e, principalmente, de um cadastro positivo que permitisse avaliar de forma objetiva o comprometimento de renda dos tomadores diante de novos empréstimos. Felizmente, há um grande esforço para que o cadastro positivo seja rapidamente implementado e comece a gerar benefícios.

É uma medida de grande alcance, que viabiliza e dá sustentação ao crescimento do crédito de maneira mais eficiente, fomentando um ambiente de negócios com taxas de juros mais justas que privilegiam o bom pagador.

*Ricardo Loureiro – presidente da Serasa Experian e da Experian América Latina.



Prerrogativas da advocacia são direitos dos jurisdicionados

Há tempos, fazendo coro a demais operadores do Direito, notadamente colegas advogados, tecia críticas às decisões proferidas no âmbito da operação Lava-jato e a outras ocorridas pelo país.


Sua empresa acompanha a modernidade fiscal?

Vencer a concorrência é mais do que oferecer o melhor preço.


O poder da conexão entre a empresa, seus colaboradores e consultores de venda

Muitos são os benefícios gerados a partir das convenções e dos encontros realizados pelas companhias a seus colaboradores, consultores de venda e parceiros.


Meu avô e sua consulta médica: a pinga ou a vida!

Nascido Adelerme Freilandes de Souza Villaflor, o meu avô, ao se casar, resolveu simplificar o seu nome para Adelerme Ferreira de Souza, mas era conhecido em Manga e redondezas como Seu Délio.


Dia da Advocacia Criminal: desafios, união, coragem e resistência

Nós, advogadas e advogados criminalistas, somos essenciais para o Estado Democrático de Direito na medida em que cumprimos a nossa legítima missão - com observância aos ditames da Constituição Federal - na defesa da cidadania e na busca pela concretização da justiça.


Limites ao STF e o fim da reeleição

A política e a administração pública brasileiras deverão passar por radical mudança nos próximos meses.


Você sabe o que é a síndrome do impostor?

Um artigo publicado na Frontiers in Psychology destacou algumas características-chave de personalidade associadas à síndrome do impostor.


Decisão controversa do STF sobre responsabilização da imprensa

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu na quarta-feira (29) que os veículos de imprensa podem ser responsabilizados por fala de seus entrevistados, quando houver indícios concretos de falsidade em relação a imputação ou quando o veículo deixar de observar o cuidado na verificação da veracidade dos fatos.


Um representante político no STF

Um representante político no STF: Flávio Dino (PSB).


Já dá pra fazer o próximo planejamento tributário?

O exercício financeiro das empresas no Brasil coincide com o próprio calendário, de forma que já sabemos que ele começa no dia 1º de janeiro e termina no dia 31 de dezembro do ano vigente.


Advento: espera do Senhor que vem

A Igreja Católica se prepara para um tempo muito importante em sua liturgia: o Tempo do Advento, que é próprio do Ocidente e foi constituído em vista da celebração do Natal.


Repentinas reações da natureza

2023 está na reta final. O ano começou com ares amenos, mas logo foram surgindo acontecimentos marcantes.