Portal O Debate
Grupo WhatsApp


Juscelino Kubitschek

Juscelino Kubitschek

04/02/2006 Divulgação

Juscelino em três tempos: o personagem real (ao centro) e representado pelos atores José Wilker e Wagner Moura (Foto: Montagem Alex Freitas sobre fotos de Divulgação e Arquivo-AE/Reprodução)

“A partir de 1956, um rapazote de 13 anos, vivendo pobremente na casa da rua Mucuri, na Floresta, em Belo Horizonte, com sua mãe e seus irmãos, foi-se empolgando com aquele governo que implantava obras significativas e que permanecia sempre à frente dos acontecimentos espargindo confiança para ele e sua família, no bojo de uma ascensão global”. Assim o médico e psicanalista Marco Aurélio Baggio, presidente do Instituto Histórico e Geográfico de Minas Gerais explica, na introdução do livro Juscelino Kubitschek, sua Excelência, as razões que o levaram a escrevê-lo. Confessa que, com o ex-presidente, aprendeu a amar o Brasil, além de ter firmado a convicção de que a nossa terra está fadada a ser um bom e grande país. Sem dúvida, qualquer brasileiro capaz de compreender as grandes transformações ocorridas na época em que JK realizou o seu magnífico governo, teve sentimentos e pensamentos semelhantes aos revelados pelo escritor. Talvez a única exceção ficasse por conta de udenistas radicais.

Nem é preciso dizer como a esperança de um Brasil desenvolvido, próspero e justo, que começa a tomar forma no imaginário nacional a partir da Inconfidência Mineira e outros movimentos, e amadurece plenamente no Brasil republicano, tem sido importante para várias gerações de brasileiros. Mesmo nos momentos mais trágicos da nossa história, quando o desespero e até o cinismo tomavam conta de muitos, sempre se acreditou que o desenvolvimento do país manteria o rumo traçado pelos seus fundadores. Não é preciso dizer que, nos dias de hoje, está cada vez mais difícil encontrar na alma do nosso povo. O quadro agônico vivido pelo país nos últimos lustros chegou ao ponto mais crítico. Como aconteceu em outras épocas, os governantes repetem à exaustão um discurso triunfal sobre as conquistas econômicas, mas o Brasil não tem um projeto nacional, a saúde, a educação e a segurança são precárias e o desemprego é grande. A qualquer momento, se ouvirá: “A economia vai bem, mas o povo vai mal”. Mas a economia, desde a época dos seus fundadores não estava voltada para o bem-estar humano?

Por isso mesmo, é muito bom lembrar os anos JK, no oportuno livro por Marco Aurélio Baggio, que fez justiça à vida e à obra de um homem público que, diferentemente de tantos que tentaram e tentam imitá-lo, sem conseguir, deu o melhor de si em beneficio da sofrida Pátria Brasileira.



A responsabilidade dos adultos: o melhor presente

Um historiador disse certa vez que nossa relação com o tempo se dá em torno de dois campos: a experiência e a expectativa.


Muita tecnologia, pouca sabedoria

No dia 3 de setembro de 1989, o comandante Cezar Garcez pilotava o Boeing 737-200 da Varig, na rota São Paulo-Belém, com 48 passageiros e seis tripulantes.


A pandemia e a salvação nacional

A pandemia do coronavírus é mais um flagelo da humanidade.


A Covid-19 e o saneamento

A pandemia do novo coronavírus assusta o mundo pelos impactos na saúde, economia e no bem-estar social.


Cenários para o Brasil: isolamento vertical ou horizontal?

Nos últimos dias foi estabelecido um debate na sociedade brasileira entre duas opções de combate ao impacto do novo coronavírus no país.


Saiba como não entrar em desespero com as oscilações do mercado financeiro

A história demostra que crises passam e acabam beneficiando aqueles que mantêm a racionalidade no lugar da emoção.


O Diabo: o que foi e o que é

Certa noite de Outono, em amena conversa com familiar, este, declarou-me, parecendo sincero:


Liderança: o eterno desafio

A definição mais divulgada de liderança diz que liderar é a capacidade de influenciar e convencer pessoas.


Os requisitos da opinião

O ignorante tem opinião sobre tudo. O sábio, somente sobre o que ele conhece.


Entre a pandemia e o desemprego

A crise de saúde mundial provocada pelo novo coronavírus, agora assentada no Brasil, com um quadro de evolução severo, tem trazido pânico desmedido a toda população.


Enquanto uns choram, outros vendem lenços. Acima do preço.

“Vendedor acumula 17 mil garrafas de álcool em gel, mas não pode mais vendê-las”, diz a manchete do jornal.


O que podemos aprender com Tom Brady?

Qual o principal atributo de um verdadeiro líder?