Portal O Debate
Grupo WhatsApp

Justiça do RS diz que Bandeira Nacional é propaganda eleitoral

Justiça do RS diz que Bandeira Nacional é propaganda eleitoral

20/07/2022 Bady Curi Neto

Segundo o § 1º do artigo 13 da Constituição Federal: “São símbolos da República Federativa do Brasil a bandeira, o hino, as armas e o selo nacionais”.

O artigo 11 da lei 5.700/1971, diz  “A Bandeira Nacional pode ser apresentada: I - Hasteada em mastro ou adriças, nos edifícios públicos ou particulares, templos, campos de esporte, escritórios, salas de aula, auditórios, embarcações, ruas e praças, e em qualquer lugar em que lhe seja assegurado o devido respeito; II - Distendida e sem mastro, conduzida por aeronaves ou balões, aplicada sobre parede ou presa a um cabo horizontal ligando edifícios, árvores, postes ou mastro; III - Reproduzida sobre paredes, tetos, vidraças, veículos e aeronaves; IV - Compondo, com outras bandeiras, panóplias, escudos ou peças semelhantes; V - Conduzida em formaturas, desfiles, ou mesmo individualmente; VI - Distendida sobre ataúdes, até a ocasião do sepultamento.” (grifou-se).

Como sabido, a Bandeira Nacional, além de ser símbolo da República, quando exposta por particulares, individualmente ou coletivamente, traduz expressão de patriotismo, demonstração de amor à sua pátria e orgulho de ser brasileiro.

Em diversas localidades do mundo, pessoas mantêm a bandeira de seu país expostas nas janelas, jardins e quintais, asseverando afeição e respeito à sua nação.

No Brasil, uma Juíza, titular da comarca de Santo Antônio das Missões - Rio Grande do Sul (RS), que parece desconhecer a lei ou em um ativismo judicial eleitoral exacerbado, entendeu, pasmem, de proibir o uso da bandeira nacional durante as eleições, a partir do dia 16 do mês próximo, por considerar a exposição do símbolo da nossa República como sendo propaganda eleitoral.

Segundo a Juíza, “a bandeira nacional é utilizada por diversas pessoas como sendo um lado da política, símbolo de ideologia política, por tanto uma propaganda eleitoral. A Bandeira somente poderá estar fixada nos mastros que estão nos prédios públicos.”

E completou com disparatada e kafkiano raciocínio, em tom ameaçador: “Se ela tiver fixada, nós vamos pedir para retirar. Se não retirar, a gente vai encaminhar para o Ministério Público e vai dar aquele problema todo. (...) A propaganda eleitoral irregular pode gerar multas pesadíssimas”.

Por óbvio, a MM Juíza ao referir “diversas pessoas” estava tratando dos apoiadores do Presidente Bolsonaro, que sempre ergueu a bandeira do Brasil, em sinal de civismo, dizendo que nossa bandeira jamais será vermelha.

A Bandeira do Brasil é símbolo de uma nação e não retrato de um partido político. Proibir sua utilização, com as escusas de ser um distintivo partidário, é, data vênia, tornar diminuta sua importância, em absurdo ativismo judicial eleitoral.

As decisões judiciais, por maior subjetivismo do julgador, devem ser vinculadas ao arcabouço legal que rege a matéria e a Constituição Federal.

O excesso de subjetivismo do julgador divorcia-se do direito pátrio e da legislação vigente e dá lugar ao ativismo ou o achismo judicial, sinônimos de injustiça e arbitrariedade.

Tenho dito!!!

* Bady Curi Neto é advogado fundador do Escritório Bady Curi Advocacia Empresarial, ex-juiz do Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG) e professor universitário.

Para mais informações sobre eleições clique aqui…

Publique seu texto em nosso site que o Google vai te achar!

Fonte: Naves Coelho Comunicação



Análise de dados e a saúde dos colaboradores nas empresas

Como a análise de dados está ajudando empresas a melhorar a saúde dos colaboradores.


16 senadores suplentes, sem votos, gozam das benesses no Senado

Quando o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), pretende colocar em votação Emenda Constitucional para acabar com a figura de SENADOR SUPLENTE?


Há tempos são os jovens que adoecem

Há alguns anos o Netflix lançou uma série chamada “Thirteen Reasons Why”, ou, em tradução livre, “As Treze Razões”.


Administração estratégica: desafios para o sucesso em seu escritório jurídico

Nos últimos 20 anos o mercado jurídico mudou significativamente.


Qual o melhor negócio: investir em ações ou abrir a própria empresa?

Ser um empresário ou empresária de sucesso é o sonho de muitas pessoas.


Intercooperação: qual sua importância no pós- pandemia?

Nos últimos dois anos, o mundo enfrentou a maior crise sanitária dos últimos 100 anos.


STF e a Espada de Dâmocles

O Poder Judiciário, o Ministério Público e a Polícia Investigativa são responsáveis pela persecução penal.


Lista tríplice, risco ao pacto federativo

Desde o tempo de Brasil-Colônia, a lista tríplice tem sido o instrumento para a nomeação de promotores e procuradores do Ministério Público.


ESG: prioridade da indústria e um mar de oportunidades

Uma pesquisa divulgada recentemente pelo IBM Institute for Business Value mostra que a sustentabilidade tem ocupado um lugar diferenciado no ranking de prioridades de CEOs pelo mundo se comparado a levantamentos anteriores.


Como conciliar negócios e família?

“O segredo para vencer todas as metas e propostas é colocar a família em primeiro lugar.”, diz a co-fundadora da Minucci RP, Vivienne Ikeda.


O limite do assédio moral e suas consequências

De maneira geral, relacionamento interpessoal sempre foi um grande desafio para o mundo corporativo, sobretudo no que tange aos valores éticos e morais, uma vez que cada indivíduo traz consigo bagagens baseadas nas próprias experiências, emoções e no repertório cultural particular.


TSE, STF e a censura prévia

Sabe-se que a liberdade de expressão é um dos mais fortes pilares da democracia.